Concurso para preenchimento de cargos de tecnólogos do IFG é cancelado pela Justiça

Certame promovido no mês de maio foi suspenso por meio de liminar. Decisão considerou que administradores não foram contemplados em edital

O Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG) deverá realizar novo concurso para o preenchimento de vagas para os cargos de nível de tecnólogo. Uma ação impetrada na quinta-feira (5/6) suspendeu o certame do último dia 25 de maio pelo fato de o edital considerar como pré-requisito apenas o curso superior em Tecnologia –– Eventos, Gestão Hospitalar, Gestão Pública, Processos Gerenciais e Recursos Humanos. No entano, o instituto ainda não foi notificado.

O mandado de segurança coletivo foi impetrado pelo Conselho Regional de Administração de Goiás (CRA) e acatado pelo juiz Urbano Leal Berquó Neto, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF 1). A defesa argumenta que as atribuições dos cargos se enquadram com a profissão regulamentada de administrador, conforme previsto no artigo 2º da Lei Nº 4.769/65. A exigência é que um novo edital seja elaborado contemplando os administradores.

Para o advogado do conselho, Gustavo Forte, é inaceitável que aquele que possui formação compatível, mas superior à exigida e presumivelmente possui maiores conhecimentos e melhores condições de prestar o serviço em prol do interesse público, seja impedido de concorrer ao cargo.

Já o IFG disse que uma portaria do Ministério da Educação (MEC) autoriza a realização do concurso e não prevê código de vaga para cargos de administrador. Ainda segundo a instituição, a Lei 11.091/95 distingue os cargos de administrador dos de tecnólogo. A descrição das vagas e atividades típicas de tecnólogos do edital deixa clara a necessidade de atendimentos às demandas específicas.

Berguó considerou que as atividades das duas profissões se emparelham, tendo como base o princípio da eficiência. “Se o administrador encontra-se apto, pela sua formação profissional, a executar as mesmas atividades do tecnólogo (lembrando que o contrário não se dá), é razoável o entendimento de que o conhecimento e preparo de cada qual para a execução do serviço público sejam aferidos no concurso público, em pé de igualdade”, explicou o magistrado.

O pró-reitor de Desenvolvimento Institucional do IFG, Weber Tavares, ficou sabendo da notícia após contato do Jornal Opção Online. Ele contou ter ficado surpreso com a decisão, já que o instituto cumpriu com todas as exigências legais.

Listando que foram oferecidas 120 vagas no geral, Weber afirmou que os cargos para profissionais tecnólogos são apenas seis. O pró-reitor não teve acesso à liminar, mas avaliou que cancelar o certame por conta desse número mínimo não vale a pena. A sugestão foi a de que a ação seja encaminhada especificamente a respeito dos cargos para àqueles profissionais.

Ele ainda relembrou que no dia em que o edital foi lançado o CRA procurou o IFG, em 16 de abril. Neste dia, foi informado ao conselho que as regras não previam a inclusão de graduados em Administração nos cargos por força de lei.

O prazo para que novas inscrições sejam feitas também foi solicitado na liminar e a decisão deve ser publicada ainda hoje no Diário da Justiça do TRF1.

4 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
4 Comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

CHRISTINA

Só em Goiás, isso acontece. Em vários estados do país, os institutos realizam concurso para cargo de tecnólogo e não houve nenhum problema. A maioria dos concursos prevê vagas para administradores, mas se não bastassem, agora estão querendo também as vagas de tecnólogos (que exigem formação específica em uma determinada área).

JOSÉ

O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública tem como foco o
desenvolvimento de competências relacionadas à gestão, por meio de ferramentas e
técnicas direcionadas ao processo de gestão de políticas, programas e projetos
públicos, de modo a estabelecer novas práticas de coordenação e assessoramento
na administração pública, assim como em empresas concessionárias de serviços
públicos e organizações do terceiro setor.
As competências são bem diferentes das dos administradores.

merit

e como fica os cargos das outras áreas???

Kennedy Ribeiro

Mas e agora? Eu fiz o concurso para Tecnólogo Civil.. Será cancelado todo o concurso? Teremos de fazer a prova novamente? Vão abrir para engenheiros também??? Só falta essa.