Comurg será investigada por descarte irregular de chorume e desvio de verba pública

Informação é que material é jogado na nascente do Córrego Caveirinha, na Região Norte. Vereadora também afirma que contratos estão sendo descumpridos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Será proposto ao Centro Apoio Operacional do Meio Ambiente e Urbanismo do Ministério Público de Goiás (MPGO) às 16 horas de quarta-feira (27/6) pedido de cópias dos contratos das empresas que fazem o transporte do chorume do lixo produzido na capital. O mesmo encaminhamento foi feito à Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) e ao prefeito Paulo Garcia (PT). A intenção é saber se há desvio de dinheiro público e a prática de crimes ambientais.

Autora do requerimento, a vereadora Dra. Cristina Lopes (PSDB) disse ao Jornal Opção Online que há suspeitas da existência de máfia nos serviços. A tucana informou que há também relatos de ameaça de morte e perda de emprego casos servidores desobedeçam ordem de depositar o material na nascente do Córrego Caveirinha, o mais próximo da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE), na Região Norte de Goiânia. “O chorume é o lixo do lixo do lixo e há riscos de contaminação dos trabalhadores e da água que será usada para regar plantações de alimentos que são distribuídos aqui”, exemplificou ela, que conferiu in loco a situação.

Segundo a vereadora, a constatação da suposta irregularidade surgiu em análise no projeto de reforma administrativa da prefeitura, quando avaliava, enquanto relatora, a transferência do gerenciamento do aterro sanitário da capital à Agência Municipal do Meio Ambiente (Amma). Hoje, o espaço é comandado pela Comurg. Ainda circula a informação de que o dono de uma das empresas que alugam caminhões para a coleta de lixo seja filho de um diretor financeiro da empresa municipal, o que travaria futuras apurações.

Dra. Cristina afirmou que, após as 18 horas, rotineiramente caminhões despejam dejetos colhidos no aterro sanitário de Goiânia na nascente. O correto seria direcioná-los à ETE. Por isso, quer saber o que reza o contrato firmado entre empresas e o poder público, além da carga horária dos servidores.

A denúncia diz que os veículos são contratados em número maior, mas operam em menor quantidade: apenas cinco dos 14 caminhões fazem esse tipo de transporte. Por isso, nem todo o material é transportado de maneira integral e correta. “Eles são muito bem pagos para não realizarem a tarefa. Então, temos de acompanhar as investigações”, conclui.

2 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Cristiane

Por que não aproveitam e colocam em xeque também a denúncia de que servidores da Comurg que conseguiram gratificação através de políticos, ficam sentados na sede cumprindo horário e se recusam dirigir os caminhões de coleta de lixo pela cidade. Taí a cidade cheia de lixo e com odor insuportável.

Cristiane

É preciso profissionalizar o serviço de coleta de lixo na cidade. É uma vergonha andar pelas ruas e ver lixeiras transbordando e com odor insuportável.