Comurg lança plano de demissão voluntária em abril

Presidente da companhia, Edilberto Dias, adiantou ao Jornal Opção que pretende cortar gastos e diminuir cargos 

edilberto-INTERNA-Gouveia

Edilberto na manifestação contra o impeachment | Foto: Marcelo Gouveia

A Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) lança, em abril, um Plano de Demissão Voluntária para os funcionários da secretaria.

Para atender e orientar os interessados em participar, a companhia criou uma Comissão Especial de Desligamento Voluntário, composta por dois advogados, representantes do Departamento de Pessoal, da Diretoria Financeira, da Ouvidoria e do Departamento de Controle Interno.

A Comissão irá analisar todos os pedidos de adesão e julgar se o servidor pode ou não aderir ao programa. Segundo o próprio órgão, estão impedidos de participar, todos os trabalhadores da Comurg que estivem de licença previdenciária, por doença, provisória ou acidente de trabalho, os com contrato de trabalho suspenso ou respondendo processo administrativo disciplinar.

Já aqueles que estão à disposição de outros órgãos, podem aderir ao PDV, porém, é necessário que antes, o mesmo seja devolvido ao seu órgão de origem.

O servidor que decidir por participar do Programa de Demissão Voluntaria terá as verbas rescisórias pagas na modalidade de dispensa a pedido do empregado, ou seja, ele não irá receber a multa rescisória do FGTS (40%) e nem poderá sacar o mesmo. O que acontece também com o seguro desemprego.

Em contrapartida, a Comurg oferece para os trabalhadores participantes, uma remuneração extra, mais 30% do saldo do FGTS, e uma remuneração calculada sobre o quantitativo de anos trabalhados. Outro ponto que favorece o servidor é que, quem estiver no plano de saúde da Prefeitura, IMAS, poderá continuar usando o mesmo por mais um ano.

Em entrevista ao Jornal Opção, o presidente Edilberto Dias explicou que esta é mais uma medida visando o enxugamento da máquina e diminuição dos gastos — em especial com a folha de pagamento: “Queremos fazer mais com menos”.

Desde que assumiu a Comurg, o advogado tem tomado medidas para otimizar a companhia. No começo de janeiro, foram apresentadas a exoneração de cerca de 100 comissionados, enxugamento no valor dos salários e a redução de seis diretorias para apenas três.

A Comurg tem trabalhado com monitoramento de gastos com combustível e horas extras, repasse de funcionários que prestam serviços em outros órgãos da prefeitura e a redução de R$500,00 no salário de todos os comissionados. (Com informações da Ascom da Comurg)

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.