Em Goiás, em ação da Superintendência Regional do Trabalho em Goiás (SRTb-GO), foram resgatados 54 trabalhadores em situação de escravidão em Jataí, interior de Goiás

Trabalho análogo ao escravo | Foto: reprodução

Dados do Ministério Público do Trabalho (MPT), revelam que de janeiro a junho de 2021, 772 trabalhadores foram resgatados em situação análoga à escravidão no Brasil. Números representam mais de 80% de todos os casos registrados em 2020 pelo órgão, 942. O desemprego e a fome, ampliados pela pandemia são algumas das causas apontadas para o aumento de pessoas submetidas a trabalhos análogos à escravidão no país.

Em Goiás, em ação da Superintendência Regional do Trabalho em Goiás (SRTb-GO), foram resgatados 54 trabalhadores em situação de escravidão em Jataí, interior do estado. Operação realizada entre 26 de julho a 6 de agosto, em parceria com o Ministério Público do Trabalho (MPT), Polícia Federal (PR) e Defensoria Pública da União (DPU), que apurou oito denúncias de trabalho escravo em vários municípios goianos.

[relacionadas artigos=”345277″]

Dos trabalhadores rurais resgatados, estavam ainda três menores sendo submetidos a condições análogas às de escravo, na modalidade de “trabalho em condições degradantes”. Eles haviam sido contratados no município de Guará (SP), e Novo Oriente (PI) e trazidos para Goiás para trabalhar na extração de palhas de milho para produção de cigarros de palha para uma empresa paulista.

Já em uma das últimas operações, do MPT em Ibimirim (PE), 13 adolescentes foram resgatados em uma colheita de tomate. Outros 6 adultos também estavam na mesma situação e 68 trabalhavam sem registro em carteira.

De acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT), as pessoas são atraídas com promessas de bons rendimentos, mas a realidade os leva a viver em condições degradantes e sem garantia de direitos trabalhistas.

*Com informações do Poder 360