Presidente municipal da sigla descarta que Operação Decantação tenha motivado adiamento da eleição que deveria ter ocorrido neste fim de semana

Foto: Valdemy Teixeira

As convenções zonais e municipais do PSDB para cidades com menos de 500 mil eleitores deveriam ter ocorrido entre o dia 29 de março e 1º de abril. No caso de Aparecida de Goiânia, no entanto, a convenção foi adiada.

O presidente municipal da sigla, Chico Abreu, disse que pretende conversar com o diretório regional e marcar uma data antes das convenções estaduais. Questionado sobre dificuldades, em decorrência da Operação Decantação, o tucano nega.

“Queria ir atrás de novas lideranças, antes”, afirma Chico, que disse ainda não ter certeza se continuará no cargo de presidente. Abreu também não precisou a data, disse apenas que será antes da convenção estadual.

[relacionados artigos=”174710″]

Operação Decantação

Questionado sobre os impactos da ação na sigla, Chico diz que toda investigação de político afeta de forma geral a classe. “Quem não deve acaba pagando”, afirma.

Para o peessedebista, a Operação deveria ser mais célere, uma vez que teve início em 2016. “Desgasta a classe política. Se não tiver prova, encerra; se tiver, perde”, simplificou o presidente da legenda em Aparecida.

Ainda conforme Abreu, o partido, em si, não tem culpa de nada. Quem comete deslize, segundo ele, são as pessoas. Sobre uma possível fusão ou mudança de nome, que ele garante não ter ouvido falar, o presidente diz que o PSDB deve continuar.

“Quem discute isso são as lideranças nacionais. Eu mesmo não ouvi nada”, disse e continuou: “Hoje tem partido demais. Como faz uma eleição em um município pequeno com mais de 30 siglas? Boa parte das cidades só tem nove cadeiras nas Câmaras. Nesse ponto é preciso mudar, manter os partidos com posições ideológicas, como o PSDB”.

Por fim, Chico reforça que a sigla possui presença forte na história recente do Brasil. “Tivemos presidentes, administramos vários Estados”, finalizou.