Com aumento de casos de Covid-19 em Goiás, busca por testes sobrecarrega laboratórios

Só nas últimas 24h, o Estado tem 6. 143 casos confirmados da doença

Após as festas de fim de ano e com o surgimento da nova variante Ômicron, o número de casos de Covid-19 voltou a aumentar fazendo com que Goiás registrasse 6. 143 casos confirmados somente nas últimas 24h, segundo o boletim divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES). Com isso, a procura por testes tem sobrecarregado laboratórios e denúncias de aumentos exorbitantes de preço tem ocorrido, levando o Procon Goiás a realizar uma fiscalização na terça-feira, 18.

Em alguns relatos, houve queixas de pacientes que reclamaram de falta de testes. Contudo, procurado pelo Jornal Opção, os principais laboratórios privados do Estado negaram a falta de teste. O Sindicato dos Laboratórios de Análises e Bancos de Sangue no Estado de Goiás (Sindilabs-GO) também reiteraram que “apesar do alerta de risco de falta de insumos nos laboratórios, devido ao aumento do consumo no mercado brasileiro e mundial o Sindilabs-GO não registrou o problema em Goiás. O Sindicato também não tem registros de reajustes de preços dos exames neste mês”.

A SES-GO, afirmou que na rede pública “não há falta de teste na rede estadual. O Estado, inclusive, tem realizado um programa de testagem em 22 hospitais e distribuído testes aos municípios. Além de testes recebidos do Ministério da Saúde, Goiás se antecipou e realizou uma compra, que já está sendo entregue”.

Além desses testes distribuídos, a Universidade Federal de Goiás (UFG), afirmou que os testes de RT-Lamp COVID desenvolvidos por eles já foram distribuídos para seis laboratórios do Estado por meio da transferência de tecnologia. As equipes técnicas dos laboratórios tiveram treinamento na quinta-feira, 20, e realizarão os exames em nos laboratórios por um custo bem mais baixo em relação ao RT-PCR.

O laboratório da Unimed, explicou que a alta demanda tem levado a demora para realizar todos os testes, mas que isso não significa que os testes tenham esgotado. “No período de 1º a 17 de janeiro de 2022, foram realizados no Laboratório Unimed 11.881 testes de covid-19. No mesmo período, em 2021, foram realizados 5.171 exames, o que representa um crescimento de 130%. Mesmo com o aumento no número de testes, até o momento, não houve comprometimento do atendimento devido à falta de insumos, embora a Unimed Goiânia tenha ciência do risco iminente de desabastecimento”, explicou a Unimed.

O laboratório Padrão, informou que houve falta apenas dos testes rápidos de Covid-19, mas que o RT-PCR continuava sendo aplicado mesmo com a alta demanda. “Ampliamos os estoques de insumos, contratamos profissionais, reforçamos nossos canais de atendimento, entre outras medidas. Não houve aumento de preço dos exames em nenhum momento. Inclusive, houve redução no valor do teste rápido de R$ 110 para R$ 90,00”, explicaram.

Já o laboratório Atalaia, afirmou que o aumento do preço se deu devido ao crescimento do valor dos insumos. “Por enquanto estamos conseguindo atender as pessoas que nos procuram. A tendência atual é de aumento de preços porque os valores dos insumos estão cada vez mais altos”.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.