Cleisla Garcia diz que a imprensa não deve tratar o suicídio de maneira sensacionalista

Jornalista da TV Record lançou livro sobre o tema neste sábado (5) em Goiânia

Cleisla Garcia, jornalista da TV Record | Foto: Marcelo Pereira

A jornalista da TV Record Cleisla Garcia lançou, neste sábado (5/5), o livro “Sobre Viver — Como Jovens e Adolescentes Podem Sair do Caminho do Suicídio e Reencontrar a Vontade de Viver”, na Livraria Saraiva do Shopping Flamboyant, em Goiânia.

Em entrevista ao Jornal Opão, Cleisla disse que a obra surgiu da série de reportagens “Suicídio — Alerta aos Jovens”, feita pela TV Record no ano passado. Ela conta que os repórteres se inspiram em dois temas muito debatidos pela sociedade brasileira em 2017: a série “13 Reasons Why” e o jogo “Baleia Azul”, que estão envolvidos com a temática do suicídio.

“Trabalhamos com vítimas, famílias, médicos e nos infiltramos em comunidades restritas da internet”, lembra a jornalista. “Achei impressionantes os números aos quais tivemos acesso. Diante disso eu precisava escrever uma obra que contraria o tabu que é o suicídio.”

Para produzir o livro, Cleisla passou meses conversando com especialistas e “não tirou nada de sua cabeça”. “[O livro] não é uma fórmula mágica, mas sim uma reflexão sobre a vida. Sou apenas uma jornalista que pretende ajudar no combate ao suicídio”, afirma.

De acordo com ela, o fenômeno do suicídio é complexo e de causas múltiplas. É importante notar mudanças bruscas de comportamento e ter atenção especial com pessoas que sofrem de depressão e bipolaridade, além de vítimas de bullying e violência doméstica e sexual.

Os pais precisavam identificar estes riscos e estar dispostos a ouvir os filhos e conduzi-los a especialistas. “Os país não são obrigados a saber de tudo, mas eles são, sim, obrigados a ouvir. Uma pessoa que quer se matar vai emitir sinais, por menores que sejam”, ressalta a jornalista.

Imprensa
Segundo Cleisla, o ano passado foi o marco no que tange à cobertura da mídia sobre o suicídio. “A palavra ‘suicídio’ foi usada mais de 100 vezes e, na maior parte delas, de maneira adequada”, frisa.

Mas ela alerta que ainda é preciso melhorar. “Temos que nos unir em torno de uma campanha nacional contra suicídio juvenil. No Brasil, suicídio entre os jovens cresceu 12% na última década.”

Para a jornalista, o suicídio deve ser tratado pela imprensa sem sensacionalismo, sem divulgar métodos e sem expor a família da vítima, que não deve ser glamourizada. “Precisamos falar de suicídio, mas temos que saber como. Se falado de maneira incorreta, pode acabar estimulando”, sublinha.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.