PUC-GO lança campanha contra a homofobia nesta segunda-feira

De acordo com a coordenadora do PDH, Denize Daudt Bandeiras, o principal motivador da campanha é o número de casos de violência ocorridas no Brasil por preconceito

A PUC Goiás lança nesta segunda-feira (5/5) a campanha “Homofobia no Brasil, quando o preconceito vence o direito à vida”. O projeto é organizado pelo Programa de Direitos Humanos (PDH) da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO) e contará com o auxílio dos alunos dos cursos de Direito, Jornalismo, Publicidade e Propaganda e Relações Internacionais da instituição.

De acordo com a coordenadora do PDH, Denize Daudt Bandeiras, o principal motivador da campanha são os casos de violência ocorridas no Brasil por preconceito. Ela destaca dados do Grupo Gay da Bahia (GGB) que contabiliza 312 assassinatos, mortes e suicídios de gays, travestis, lésbicas e transexuais brasileiros vítimas de homofobia e transfobia em 2013. O número é 7,7% menor que o registrado em 2012 (388 mortes), mas, segundo o grupo, nos últimos quatro anos houve um aumento de 14,7% nos casos de morte.

No lançamento da campanha será realizada uma mesa redonda, com a participação da idealizadora e coordenadora do projeto “Casulo” (Casa de Passagem à Vitima do Tráfico de Pessoas e Violência Transfóbica) Beth Fernandes e o Coordenador do Núcleo de Articulação de Movimentos Sociais  da Prefeitura de Goiânia Weliton de Pina. O evento ocorrerá às 19h no Auditório da Área 01 da PUC-GO.

“A ideia é levar as pessoas à reflexão sobre o preconceito e combater a violência. O Brasil é o primeiro lugar no mundo em casos de morte por homofobia e transfobia”, afirma Denize. De acordo com ela, a campanha utilizará de cartazes e das redes sociais para promover a discussão. Além disso, peças estão sendo enviadas para rádios e emissoras. “Queremos incentivar às pessoas para que compartilhem o material pelas redes sociais e também contamos com a ajuda da imprensa para promover o debate.”

puc hom int

Leia mais:

Estudantes portugueses que agrediram aluno da UFG em ataque homofóbico não serão expulsos

Vice-reitor explica a aplicação de advertência a estudantes acusados de agressão por homofobia

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.