Câmara aprova projeto que regulariza prédios públicos em Goiânia

Sedes de importantes instâncias, como as do Tribunal de Justiça, Ministério Público e a própria Câmara, carecem de regularização

Fachadas da Alego e do MPGO | Fotos: reprodução / MPGO / Alego

Fachadas da Alego e do MPGO | Fotos: reprodução / MPGO / Alego

A Câmara Municipal de Goiânia aprovou, na manhã desta quinta-feira (7/1), o projeto de lei que regulariza prédios públicos na capital. Entre os beneficiários pela proposta, estão o Ministério Público de Goiás (MPGO), no Jardim Goiás; a Assembleia Legislativa de Goiás, no Setor Oeste; o Paço Municipal, no Park Lozandes; e a própria Câmara, no Centro.

Por unanimidade, os 21 vereadores presentes entenderam, na primeira votação, que a regularização é necessária. O presidente da Casa, Anselmo Pereira (PSDB), afirmou que quer, inclusive, que a nova sede da Câmara, no Park Lozandes, seja apreciada no plenário durante as autoconvações.

Embora em recesso, o Legislativo goianiense voltou aos trabalhos nesta semana para apreciar projetos importantes do prefeito Paulo Garcia (PT). A regularização é um deles.

Para o vereador Elias Vaz (PSB), embora necessário, o projeto é “lamentável”. “Infelizmente todas as esferas tem dado péssimo exemplo. Quem deveria estar andando nas conformidades da lei, do Plano Diretor, são os primeiros a desrespeitar. Até o Fórum novo [Fórum Criminal, localizado no Jardim Goiás] está em desacordo. Não tem nem alvará de funcionamento”, argumentou.

A lei, quando sancionada, criará um prazo flexibilizando as regras para que haja adequação. Na prática, serão regulamentados sem adequação às leis vigentes.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.