Delegado Waldir (PR) diz que maioria da população é favorável à revogação do Estatuto do Desarmamento e articula para colocar projeto em pauta

Delegado Waldir durante entrevista ao Jornal Opção | Foto: Renan Accioly

O deputado federal Delegado Waldir (PR) afirmou, durante entrevista ao Jornal Opção neste domingo (8/10), que não só é favorável à revogação do Estatuto do Desarmamento, como articula junto ao presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para que o projeto que institui o “Estatuto da Legítima Defesa” seja colocado em pauta ainda neste ano.

[relacionadas artigos=”106894,28779″]

Assumidamente da chamada “bancada da bala” do Congresso, o representante de Goiás defendeu o porte ao “cidadão de bem”, que está, para ele, tão bem preparado para ter uma arma de fogo como os norte-americanos — cujos direitos estão garantidos na Constituição de 1787.

“Uma vez que tenha passado por um curso, não tenha antecedentes criminais e passe por exames psicotécnicos, o cidadão de bem, que é empresário, professor, profissional rural, jornalista, todo aquele que esteja preparado e tenha feito treinamento, sou defensor tenha o direito ao porte de arma”, explicou.

A tese do delegado da Polícia Civil licenciado é de que, como o governo faliu em oferecer segurança a população, é preciso dar a chance para que as pessoas se defendam. “O Estado não consegue punir e a legislação não inibi a criminalidade, o que inibi é a certeza da munição. Temos um exemplo prático, que é os EUA, lá há porte de armas garantido e nem por isso criminalidade aumenta. Outro detalhe importante: o bandido lá tem mais medo do cidadão do que da polícia”, explicou.

Ainda de acordo com Delegado Waldir, a legalização do porte de armas não tem nenhuma relação com atentados como o que deixou quase 60 mortos e mais de 200 feridos em Las Vegas na última semana, após um atirador abrir fogo contra uma multidão em um show. “Se for assim, temos que proibir as pessoas de dirigirem caminhões, já que houve a tragédia na França, vamos proibir que se comercialize gasolina, pois veja o que aconteceu em Minas Gerais. É hipocrisia culpar as armas. Quem decide o meio de matar é a pessoa e não o objeto”, rebateu.

Por fim, o deputado federal por Goiás garantiu que a bancada da bala pressiona Rodrigo Maia para que coloque o projeto que revoga o Estatuto do Desarmamento em pauta e culpa os partidos de esquerda pelo atraso da votação. “Espero que ainda este ano a gente já vote. Ele [Rodrigo Maia] não pautou ainda porque fez acordo com PT, PDT, Rede, PSOL e PC do B para se reeleger. Queremos que os deputados, assim como fizeram com o fundo milionário eleitoral, coloquem a cara na votação”, arrematou.