Caso os mais de 2 mil bolsonaristas que foram presos depois dos ataques terroristas à Praça dos Três Poderes no último domingo, 8, em Brasília, estejam pensando em sair do país, vão ter que pensar em um plano B. Isso porque todos eles devem ter pedidos de vistos negados para países como Estados Unidos, Canadá, México, Índia, além de todas as nações europeias da Eurozona signatárias do Tratado Schengen.

Os consulados de países desses países citados devem receber cópias dos fichamentos policiais dessas pessoas que participaram da tentativa de golpe e que foram acusadas pelo Estado pelo crime de terrorismo. A simples investigação da participação de qualquer indivíduo em atos terroristas é o suficiente para que pedidos de visto de entrada nesses países – principalmente EUA e Canadá – sejam rejeitados imediatamente. E, dependendo da gravidade do indiciamento dos elementos, vistos já concedidos podem ser cassados e determinada a deportação dos brasileiros por ilegalidade flagrante.

Empresários bolsonaristas ou políticos que já estão sendo investigados por terem financiado os atos terroristas que estavam fora do Brasil, sendo citados nas investigações, não poderão responder negativamente aos questionários do formulário DS-160, dos Estados Unidos, por exemplo. Se mentirem – escrevendo “não” onde deveria ser “sim” -, não devem terão vistos liberados outra vez.