Barco autônomo que ajuda a monitorar em tempo real a poluição das águas é desenvolvido pela UFF

O desenvolvimento do projeto envolve estudantes e professores da UFF, UFRN e Faperj

A partir de agora, a qualidade das águas da Baía de Guanabara e das lagoas de Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, poderão ser monitoradas em tempo real. Isso porque um barco tecnológico que funciona de forma autônoma com estação meteorológica e sondas está sendo desenvolvido pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e já está sendo testado na Baía de Guanabara.

Este projeto, de acordo com o coordenador, professor Daniel Dias, do Departamento de Engenharia Elétrica, tem como objetivo “fazer um levantamento de diversos parâmetros, principalmente no fundo da baía, onde existe um grande despejo de lixo químico e industrial. Além disso, pretendemos mapear o relevo do fundo das lagoas para detectar possíveis assoreamentos e como eles ocorrem ao longo do tempo, seus agravos e melhoras”.

Desenvolvido por estudantes e professores, esse projeto é fruto de uma parceria entre os Departamentos de Engenharia Elétrica, Engenharia de Recursos Hídricos e Meio Ambiente e do Instituto de Computação da UFF,  em junção com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) e apoio da Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro (Faperj), além da empresa Nvidia.

Segundo o professor do Instituto de Computação Esteban Clua, o barco tem tecnologia que “é capaz de reconhecer obstáculos de forma detalhada, saber se um navio está passando, se há pedras ou lixo, e assim consegue fazer desvios”.

Contudo, detectar a poluição não é a única função que o barco poderá fazer. “Inúmeras outras tarefas também podem ser programadas. Uma vez desenvolvida, essa sonda pode ser acoplada a outros tipos de embarcações e missões, o que ajuda a impulsionar o movimento da engenharia de recursos hídricos e meio ambiente”, afirma o professor Ivanovich Salcedo, do Departamento de Engenharia Agrícola e Ambiental.

*Com informações da Agência Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.