Ballet Terapêutico promove saúde e inclusão social em Goiânia

Terapia do CRER trabalha a autonomia e a segurança motora da criança de um modo geral

Foto: Divulgação

Um modo diferente e pouco conhecido de promover a saúde e inclusão social, o Ballet Terapêutico é uma das terapias aplicadas no Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (CRER). O tratamento utiliza a aprendizagem do ballet clássico e tem o intuito de obter os benefícios da melhora da postura, alongamento, fortalecimento muscular, equilíbrio, socialização e inclusão.

Amanda Machado de Lima, de 4 anos, é uma das crianças que participa da terapia. Ela tem paralisia cerebral e pratica o ballet terapêutico há cinco meses no CRER e seu pai, Gleilon Wilkson, afirma que notou um salto no desenvolvimento da filha depois que ela começou a frequentar a terapia.

“Quando minha filha começou o tratamento no CRER, há três anos, ela vivia, praticamente, em estado vegetativo. Depois que ela começou a frequentar as aulas do ballet terapêutico vi, ainda mais, a sua evolução. Hoje ela tem mais equilíbrio para se locomover, perdeu o medo de andar sozinha e a socialização dela com outras crianças melhorou demais”, comemora.

Conduzido por uma fisioterapeuta, uma terapeuta ocupacional e por uma psicóloga, o Ballet Terapêutico trabalha a autonomia e a segurança motora da criança de um modo geral. A fisioterapeuta Danyelle Sousa de Paula Costa, professora da turma, explica que “o ballet terapêutico permite que a criança vivencie a iniciação de uma prática esportiva com respeito às limitações de seu próprio corpo”.

A diretora Multiprofissional de Reabilitação e Readaptação do CRER, Sônia Adorno, explica que o Ballet Terapêutico é mais uma ferramenta de inclusão social para a pessoa com deficiência. “Os ganhos motores, psicológicos e sociais dessa terapia levam à inclusão desses pacientes. Já tivemos muitas crianças que saíram do ballet terapêutico do CRER direto para turmas inclusivas de ballet convencional”.

Para a diretora, “a inclusão da pessoa com deficiência só é possível se começarmos o trabalho inclusivo pelas crianças. Elas se tornam multiplicadoras para os adultos, já que elas ainda não têm um olhar preconceituoso sobre as diferenças”.

O Ballet Terapêutico do CRER foi iniciado em 2014. O projeto foi implantado no hospital pelas profissionais da equipe multiprofissional, Danyelle Sousa de Paula Costa e Izabel de Melo Pereira Martins. As aulas acontecem uma vez na semana com crianças de 3 a 10 anos.

Referência nacional no atendimento à pessoas com deficiência, o CRER é reconhecido pelo Ministério da Saúde como Centro Especializado em Reabilitação (CER) IV, pela atuação na reabilitação da pessoa com deficiência física, auditiva, visual e intelectual.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.