Aumento da tarifa não trará benefícios ao transporte público, informa sindicato das empresas

SET diz que reajuste de 40 centavos anunciado na última quarta-feira (3/2) não tem percentual reservado para investimento em melhorias

Presidente Décio Coutinho durante a coletiva | Foto: Larissa Quixabeira / Jornal Opção

Presidente Décio Caetano durante a coletiva | Foto: Larissa Quixabeira / Jornal Opção

Em entrevista coletiva na manhã desta quinta-feira (4/2), o presidente do Sindicato das Empresas do Transporte Coletivo (SET), Décio Caetano, afirmou que o aumento de 40 centavos na tarifa do transporte coletivo de Goiânia e Região Metropolitana é insuficiente para equilibrar as contas do sistema e, portanto, não abre possibilidades para investimentos em melhorias.

Segundo o presidente, o sindicato defendia o aumento da tarifa para R$ 3,75, uma vez que o valor do cálculo da CDTC foi de R$ 3,73 e arredondado para baixo — em R$ 3,70. O novo valor, que passa a vigorar a partir deste sábado (6), foi anunciado na última quarta-feira (3) pela Companhia Metropolitana de Transporte Coletivo (CMTC),

Décio Caetano elencou a atual situação do País, que viverá o segundo ano de recessão econômica em 2016, e a falta de subsídio por parte do governo estadual para com o transporte coletivo como os principais motivos da impossibilidade de investimentos.

” Precisamos que o governo subsidie as melhorias que exige do transporte público. O valor já é pesado para o usuário. O que o transporte precisa para melhorar é de recursos extra-tarifa, como subsídio do poder público e fim das gratuidades, que hoje são custeadas pela tarifa”, argumentou o presidente e completou, “o Brasil vive uma das maiores crises da história e por isso o aumento não é suficiente para trazer equilíbrio para o sistema. As empresas continuam operando com déficit e portanto, no momento não existe perspectiva de realização de melhorias no sistema”.

Além disso, a queda no número de viagens registrado nos últimos anos, prejudica o sistema. “Em 2015, houve uma queda de 9% no número de usuários do sistema em relação a 2014. Sem auxílio do poder público, não há como as empresas se sustentarem e ainda investirem”, lamentou.

Aumento

Após reunião da Câmara Deliberativa de Transportes Coletivos (CDTC), a CMTC informou, na última quarta (3), que o valor da passagem em toda a Região Metropolitana de Goiânia subirá de R$ 3,30 para R$ 3,70 a partir deste sábado (6).

O valor foi obtido a partir de análise técnica, que levou em conta o índice inflacionário e a alta do óleo diesel, assim como o salário dos motoristas, o preço das peças dos veículos e a variação do número de passageiros por quilômetro.

A companhia informou também que a tarifa base calculada pela CDTC foi exatamente de R$ 3,7394, valor que foi arredondado para baixo pelos integrantes da câmara. (Com informações da repórter Larissa Quixabeira)

Uma resposta para “Aumento da tarifa não trará benefícios ao transporte público, informa sindicato das empresas”

  1. Avatar Beatriz Alipio disse:

    O pior que aumenta mas não tem melhoria nenhuma, isso é humilhante.
    As pessoas não tem segurança nos ônibus e conforto nem vem ao caso porque os ônibus de Goiânia mais parece uma lata de sardinha e quase sempre independentemente do dia da semana ficamos quase 1hora no ponto de onibus pra quando o ônibus passar estar cheio e não parar e vc esperar mais ainda pro próximo ônibus. Humilhante isso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.