Fundação que gere unidade afirma que secretária Fátima Mrué ainda não autorizou abertura de edital

Maternidade Dona Íris pode ficar sem Programa de Residência Médica em 2018 | Foto: Larissa Quixabeira / Jornal Opção

O Hospital e Maternidade Dona Iris pode, a partir do próximo ano, deixar de contar com 50 médicos residentes que participam do “Programa de Residência Médica” da unidade. Isto porque a Secretaria Municipal de Saúde ainda não autorizou a abertural do edital do concurso.

Segundo  José Antônio de Moraes, diretor da Fundação de Apoio ao Hospital das Clínicas da UFG (Fundahc), que gere a unidade, o calendário está em atraso e pode comprometer a existência do programa para o próximo ano.

“Todo final de ano são feitos os editais para o ano seguinte. Nessa altura, o edital já era para estar publicado, mas até o momento não tivemos a autorização da secretária de saúde”, informou.

No ano passado, as inscrições para o programa de residência tiveram início no dia 12 de dezembro.

Ainda segundo o diretor, o programa é completamente custeado com verbas repassadas pelo Ministério da Saúde, ou seja, não dependem de verba municipal. “Existem exigências para o recebimento desses recursos e alguns prazos já estão se esgotando. A secretaria até agora não nos deu nenhum posicionamento”, lamentou.

Nesta quarta-feira (20/12), a vereadora Sabrina Garcez (PMB) apresentou requerimento para que a secretária Fátima Mrué preste informações sobre o tema.

Em entrevista ao Jornal Opção, a parlamentar informou que foi procurada pelos estudantes de medicina que denunciaram a situação. “Quero saber quais são as justificativas para se acabar com um programa tão importante e que é exclusivamente bancado pelo governo federal sem trazer nenhum tipo de despesa para o município”, declarou.

Sabrina informou ainda que vai aguardar as explicações da secretária para definir quais providências serão tomadas e se o Ministério Público será acionado.

Jornal Opção entrou em contato com a Secretaria Municipal de Saúde, que por meio de nota, respondeu apenas que “o adiamento da data de publicação do edital de Residência do Hospital e Maternidade Dona Iris se deu para aprimorar a qualidade do programa”.