Associações acreditam em acordo com governo sobre folha de dezembro

Última proposta dos servidores foi apresentada nesta segunda-feira, 21, e governo deve dar resposta na próxima quarta, 23

Foto: Nathan Sampaio | Jornal Opção

O presidente da União Goiana dos Policiais Civis (Ugopoci), José Virgílio, falou ao Jornal Opção sobre a expectativa do Fórum em Defesa dos Servidores Públicos do Estado de Goiás em relação à resposta que o governo de Goiás dará nesta quarta-feira, 23, sobre a proposta feita pelos servidores para o pagamento dos salários de dezembro/18. Virgílio avaliou que os representantes da gestão Caiado foram receptivos à tentativa de solução do impasse, mas categorias não descartam greve.

“Nosso pedido foi bem razoável, propomos o pagamento de dezembro dentro do mês de fevereiro, no dia que o governo escolher, deixando o pagamento de fevereiro para negociação futura”, afirmou o presidente da Ugopoci.

Segundo José Virgílio, esse pagamento garantiria isonomia e imparcialidade entre os servidores do Executivo e, principalmente, em relação aos profissionais de outros órgãos que já receberam o pagamento. “Essa falta de isonomia causou muita revolta entre os servidores, gerou muita briga e precisa ser reparada”, defendeu.

Sobre o encontro com a equipe de governo, o representante dos Policiais Civis pontuou que os presentes sentiram uma boa vontade no sentido de encontrarem uma solução para o impasse. “O governo nos recebeu muito bem e aguardamos a resposta de amanhã. Estamos confiantes de que a situação será resolvida”, explicou.

Caso o governo negue a proposta apresentada pelo Fórum, será convocada uma nova assembleia para discutir a possibilidade de greve. Neste caso, o posicionamento da Ugopoci é pela realização de greves individuais, devido às peculiaridades de cada categoria.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

João victor

Queria saber se esse pacote de maldades, crueldades, do senhor caiado de acabar com.os diretores e secretários é verídica, porque o sintego e alguns deputados garantem que essa extinção somente é para escolas que foram municipalidades e que fecharam