Assembleia vota obrigatoriedade de salas de amamentação em órgãos públicos

Aprovado pelos deputados, projeto foi vetado pelo governo e volta à pauta da Casa de Leis

Deputado Francisco Jr. (PSD) | Foto: Assembleia de Goiás

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa de Goiás derrubou, na tarde desta terça-feira (20/2), o veto do governo do Estado ao projeto de lei que obriga a instalação de salas de apoio à amamentação em órgãos públicos do Estado.

Aprovada em 2016, a proposta do deputado estadual Francisco Jr (PSD) tem como objetivo “dar conforto às mães” e garantir que a recomendação da amamentação exclusiva com o leite materno seja seguida.

“A importância está no fato do aleitamento materno ser principal fonte de anticorpos para o recém-nascido, prevenindo riscos de doenças crônicas, respiratórias, entre outras, ao longo da vida. As salas também influenciarão diretamente na saúde da mãe incentivando, por exemplo, a prevenção do câncer de mama”, explica.

Em Goiás, um dos locais que já conta com a sala de apoio é a Ceasa (Central de Abastecimento do Estado de Goiás), destacada pelo deputado estadual pela preocupação com o período da amamentação.

“A ideia é facilitar a coleta e garantir o armazenamento do leite materno em ambientes que são, de certa forma, de baixo custo de implantação e manutenção. Precisamos respeitar as recomendações do Ministério da Saúde e da OMS de que o aleitamento materno deve ser feito pelo menos durante os dois primeiros anos de vida do recém-nascido”, ressaltou.

Votada na CCJ, a análise do veto segue agora para o plenário da Casa.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.