Área destinada à agricultura cresce 189% no Brasil em 35 anos, diz estudo

Pesquisadores do MapBiomas revelam expansão da produção agrícola no país, principalmente, na região do Cerrado brasileiro

Em primeiro plano, árvore típica do Cerrado: ao fundo, uma pastagem toma o lugar da vegetação original | Foto: Divulgação

No período de 35 anos, houve uma grande expansão da agricultura no Brasil. É o que mostra imagens de satélite feitas entre 1985 e 2020 e analisadas pelo MapBiomas. Divulgado pelo O Globo, o estudo concluiu que a área total de agricultura mapeada no Brasil passou de 19 milhões de hectares em 1985 para 55 milhões de hectares em 2020 — um crescimento expressivo, de 189%.

O destaque vai para a soja, que sozinha ocupa 36 milhões de hectares, o equivalente a 4,3% do território nacional. Metade dela é cultivada no Cerrado brasileiro, onde a commodity avançou sobre 16,8 milhões de hectares desde os anos 1980.

Na Amazônia, por sua vez, a análise conclui que o crescimento da soja se deu a partir do início dos anos 2000 e somou 5,2 milhões de hectares. Outros 26% da área de soja do país ficam na Mata Atlântica, onde a soja se expandiu por 7,9 milhões de hectares entre 1985 e 2020.

No cerrado, o estudo afirma que quase metade de toda a agricultura do Brasil está concentrada, cerca de 42%. No período de 35 anos levado em consideração no estudo, o cerrado brasileiro teve um crescimento de 464% na atividade agrícula.

O estudo pondera ainda que outros levantamentos apontam que o cerrado, bioma de maior crescimento da agricultura e que tem maior área dedicada à atividade, é também um dos mais frágeis às alterações do regime pluviométrico, que são causadas pelo desmatamento na Amazônia.

Segundo o último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC, sigla em inglês), da Organização das Nações Unidas (ONU), há previsão de uma redução de 20% das precipitações na área central do Brasil, com um aumento de 4 a 5 graus da temperatura, cenário que os pesquisadores acreditam que ainda irá comprometer as atuais atividades agrícolas na região. (Com informações do O Globo).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.