Apesar do alívio em poder retomar as atividades comerciais da 44, Jairo Gomes alerta população: “Se precisar de comprar, vá à Região da 44, se não precisar, fique em casa”

Região da 44, em Goiânia, é famoso por seu comércio / Foto: Google Maps

Com a retomada das atividades econômicas em Goiânia, uma das grandes expectativas, tanto do setor quanto dos consumidores, é pelo retorno da Região da 44. “Depois de quase quatro meses parado e um único dia aberto, que foi o dia 30 de junho, nós mostramos para Goiânia, para Goiás e para o Brasil que dá para fazer bem feito. Toda imprensa esteve lá e mostrou que a Região da 44 está preparada para receber seu turista”, afirmou Jairo Gomes, presidente da Associação dos Empresários da Região da 44 (AER44).

Mesmo aliviado com a volta do comércio na região, o representante alerta para os cuidados que a população deve tomar ao decidir acessar o local. “Qual é minha preocupação? Quando você abre o comércio, é natural que as pessoas se movimentem mais nas ruas, e aí só saia se for necessário”, disse.

“Nós temos que ter muito cuidado. É necessário voltar a economia, voltar o comércio, voltar a produzir, mas também é necessário cuidar de vidas. Temos uma expectativa positiva de que vamos voltar com segurança e muita responsabilidade, mas também contando com ajuda de cada um. Se precisar de comprar, vá à Região da 44, se não precisar, fique em casa”, recomendou Jairo.

Protocolos de segurança

De acordo com ele, no retorno da Região serão tomados os 24 protocolos de segurança propostos pela AER44 para o Comitê de Crise, que inclui esterilização das ruas, proibição do trânsito de carros nas vias que não são a 44 e a Contorno, não estacionamento de veículos, disponibilização de álcool gel nas lojas, dentre outros.

“Lógico que temos uma particularidade diferente do resto da cidade. Nós recebemos gente de todo Brasil. Nesse primeiro momento, uma das grandes restrições é a não vinda do turista de compras e temos autoridade sobre elas”., pontua.

“Temos responsabilidade e foram avisados para que por enquanto não venham”, falou Jairo. “Obviamente eu seria hipócrita de dizer que não vem ninguém. Mas as excursões, por enquanto estão proibidas e isso por si só são 70%. Estamos cortando pela carne, essa é a grande verdade. Vamos retomar com um público menor, no varejo, mas isso é o início. Uma retomada devagar.”