Após Andrey Azeredo, Wellington Peixoto pode se unir a novatos do G-18

Peemedebista recebeu carta branca do grupo, que segue caminhando unido para a eleição na mesa

Andrey Azeredo e Wellington Peixoto | Fotos: reprodução/ Alberto Maia

O grupo formado por vereadores novatos eleitos à Câmara de Goiânia ganhou musculatura nos últimos dias com a aproximação dos dois candidatos do PMDB à presidência da Casa. Após Andrey Azeredo ter entrado oficialmente, Wellington Peixoto recebeu carta branca para compor o G-18, que pode virar G-19.

Apesar de não haver definição, o movimento pode sugerir uma composição dos dois grupos (PMDB e G-18) para a eleição de domingo (1º/1). A ascensão de Milton Mercêz (PRP) — que pode se viabilizar com apoio do prefeito Iris Rezende (PMDB) e do governador Marconi Perillo (PSDB) — fez soar o alerta em ambos.

Porém, um parlamentar explicou ao Jornal Opção que, apesar do convite, a ida de Wellington ainda é incerta. Isso porque alguns integrantes do G-18 têm certa “resistência pessoal” com aliados do peemedebista — sete vereadores o acompanham, entre eles os antigos Zander Fábio (PEN), Felisberto Tavares (PR) e Roberto Cruz (PRB), e o novato Alysson Lima (PRB).

O motivo do estranhamento é a sessão de terça-feira (27/12) da Câmara, na qual reeleitos (contra)atacaram os recém-eleitos, acusando-os de ligação com setor imobiliário e até de práticas ilegais para se elegerem.

Iris se reuniu com alguns aliados na manhã desta quinta (29), incluindo vereadores eleitos, mas as negociações ainda estão avançando. Há a possibilidade de que o PMDB banque o candidato a presidente e os novatos indiquem o vice. Neste caso, ocupariam a maior parte da mesa e comandariam as comissões mais importantes.

O G-18 se reúne à noite para discutir a questão Wellington Peixoto.

 

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.