Antes sem nenhuma deputada, PSL de Bolsonaro elege nove mulheres para bancada federal

Partido do presidente vem, historicamente, conseguindo eleger as maiores bancadas femininas

Gráfico elaborado pelo cientista político Guilherme Carvalho

O partido do presidente da República vem, historicamente, desde 1998, conseguindo eleger as maiores bancadas femininas na Câmara Federal. Ao todo, entre 1994 e 2018 foram eleitas 314 mulheres.

Para o cientista político Guilherme Carvalho, “esse resultado tem um padrão de repetição. Historicamente o partido do presidente vem elegendo mais mulheres. Isso, em minha visão, tem a ver com a atratividade que um presidente competitivo na esfera federal tem nas candidaturas a nível local”, avaliou.

Guilherme Carvalho, cientista político | Foto: Reprodução

“Existe um padrão de repetição, com o partido do presidente figurando entre as três maiores bancadas femininas, entre 1994 e 2018, e entre os dois maiores no período compreendido entre 1998 e 2018”, analisou o cientista social ao traçar panorama político dos últimos anos.
As eleições de 1998 apresentaram particularidades quando o partido do presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) conseguiu eleger o maior numero de deputadas, apesar de não ter uma aparente identificação com as mulheres, como as observadas nas eleições de Lula e Dilma Rousseff (PT).

Nas eleições de 2018, o presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) fez nove deputadas, atrás apenas do Partido dos Trabalhadores (PT) com 10 deputadas federais eleitas. “Ele conseguiu eleger mulheres conservadoras, um fenômeno nas eleições deste ano”, destaca o especialista. Esse número é interessante, pois Bolsonaro não tinha capilaridade eleitoral, estrutura partidária e identificação com as mulheres que tradicionalmente conseguiam ocupar as cadeiras.

“Em termos quantitativos, a participação feminina nas eleições deste ano é histórica”, arrematou o cientista político.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.