Prefeitura de Goiânia informou que conseguiu aval da Controladoria Geral da União (CGU) para conceder aditivo de prazo à construtora responsável

A obra do Hospital e Maternidade Oeste, localizada no Conjunto Vera Cruz, que estava suspensa desde dezembro do ano passada, será retomada nos próximos dias. Um Termo de Reinício foi assinado, na última sexta-feira (29/6), entre a Prefeitura de Goiânia e a construtora Elmo Engenharia.

[relacionadas artigos=”128420, 127760″]

De acordo com a assessoria da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), o Paço conseguiu aval da Controladoria Geral da União (CGU) para conceder aditivo de prazo à construtora, sem custos adicionais para o município e a União.

Em depoimento na CEI das Obras Paradas, a construtora alegou que pediu que a construção fosse suspensa por conta de atrasos nos pagamentos. “O recurso do Ministério da Saúde está na conta, mas a contrapartida da prefeitura nunca foi paga em dia. Sempre tivemos atrasos”, relatou o advogado da empresa, Frederico Coutinho.

Agora, o valor de R$ 800 mil relativo à contrapartida da prefeitura foi pago e a obra poderá, finalmente, ser retomada. “Como havíamos anunciado anteriormente, o problema não era dinheiro, tínhamos que encontrar uma maneira de conceder o aditivo de prazo solicitado pela empresa, e isso foi possível com o aval da CGU. O dinheiro da contrapartida da Prefeitura de Goiânia, os R$ 800 mil, já está disponível”, afirma a secretária, Fátima Mrué.

De acordo com do departamento de Engenharia da Prefeitura de Goiânia, 31% da obra do Hospital e Maternidade Oeste estão prontos e o aditivo de prazo será solicitado em outubro, dois meses antes do término do contrato com a empresa Elmo Engenharia.

Durante a oitiva da CEI, o representante da Elmo fez o compromisso de retomar a obra em dois dias, tão logo a prefeitura fizesse o pagamento das medições e reajustes em aberto. “Não temos interesse em rescindir o contrato. Por isso pedimos apenas uma suspensão. O que deve ser questionado é se, com a retomada das obras, a prefeitura vai passar a fazer os pagamentos em dia ou se vai continuar atrasando”, disse, à época.