“Agressão baixa e mesquinha”, rebate deputado após ser chamado de “prostituta”

Líder do PMDB na Assembleia respondeu aos ataques do vereador e correligionário Clécio Alves sobre Comurg

Clécio Alves e José Nelto: rusga no PMDB | Fotos: Alberto Maia e Marcos Kennedy

O líder do PMDB na Assembleia Legislativa, deputado José Nelto (PMDB), rebateu, durante entrevista ao Jornal Opção nesta quarta-feira (4/10), os ataques do colega de partido, vereador Clécio Alves — que chamou os deputados de oposição na Assembleia de “prostitutas”.

“Deve estar com algum problema de saúde, mental, porque foi uma agressão tão baixa e mesquinha, agressão a este Parlamento. Nós ontem [terça-feira, 3] recebemos servidores da Comurg e nos solidarizamos com a causa deles. Lamentamos que Clécio tenha baixado tanto o nível”, disse.

A controvérsia começou quando, ao falar da possível privatização da Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) pela gestão do prefeito Iris Rezende (PMDB), Clécio Alves se irritou com as declarações de deputados sobre o assunto. Segundo ele, quem deve tratar disso é a Câmara e não a Assembleia.

“O vereador agrediu duas mulheres [as deputadas Adriana Accorsi, do PT, e Isaura Lemos, PCdoB], que é o mais grave. Lamento muito tal posição doida, maluca. Deve estar com algum problema de saúde, mental.  Há um ditado popular que ‘quem fala muito, dá bom dia a cavalo’. Ele vai responder pelos seus atos. Ninguém merece ser agredido daquela maneira”, sentenciou.

Processo

A deputada Adriana Accorsi (PT) preferiu não comentar os ataques do vereador Clécio Alves (PMDB), mas informou que solicitou o vídeo da fala para estudar medidas jurídicas.

Outros parlamentares, como Luis Cesar Bueno (PT) e Waguinho (PMDB), também preferiram não comentar as declarações do vereador. “Foi deselegante, mas acho que foi mais pelo jeito do Clécio, que é estourado”, disse o peemedebista.

 

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.