Aécio Neves recebeu propina da Furnas, segundo delação de Delcídio do Amaral

Senador afirma que esquema na subsidiária da Eletrobras é semelhante ao da Petrobras e que quem orquestrava pagamentos era o ex-diretor de Engenharia, Dimas Toledo

B| Foto: Lula Marques/Agência PT

Aécio Neves e Dimas Toledo são muito próximos, segundo Delcídio | Foto: Lula Marques/ Agência PT

A delação do senador Delcídio do Amaral (PT), homologada nesta terça-feira (15/3) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), colocou muitos políticos em situação delicada e polêmica. Além da menção a um dos membros do alto escalão do governo Dilma Rousseff (PT), o ministro da Educação, Aloízio Mercadante, a delação também atinge o senador Aécio Neves (PSDB). Segundo Delcídio, Aécio recebeu propina da Furnas.

Não é a primeira vez que Aécio é ligado à Furnas, empresa subsidiária da Eletrobras. O doleiro Alberto Yousseff também já havia declarado que ele recebia propina da empresa, embora o juiz Sergio Moro tenha decidido que não havia provas suficientes para abertura de inquérito.

Segundo o senador, o esquema em Furnas é bastante similar ao da Petrobras, com participação inclusive das mesmas empreiteiras investigadas pela Lava Jato. Ele citou a Andrade Gutierrez, a OAS, a Camargo Correa e a Odebrecht.

Delcídio afirmou que, embora não saiba precisar todos os políticos que foram beneficiados com dinheiro da empresa, tem certeza que o ex-diretor de Engenharia da Furnas, Dimas Toledo, realizava pagamentos em benefício de Aécio Neves. Ele inclusive ressaltou que Aécio e Dimas têm uma relação muito próxima e que a indicação de Dimas ao cargo foi articulada pelo senador.

Quem também atuava para defender Dimas é o ex-deputado pelo PP José Janene, que morreu em 2010 e também era, segundo Delcídio, beneficiado por propinas de Furnas. O senador disse que ouviu do presidente Lula que tanto Janene quanto Aécio pediram a ele que Dimas permanecesse em seu cargo na empresa.

Ainda de acordo com Delcídio, o PT também teria sido beneficiado pelo esquema, embora ele não saiba afirmar quem exatamente recebeu o dinheiro e quais os valores envolvidos. Delcídio garantiu, no entanto, que, da parte do PT, quem pediu a permanência de Dimas foi o ex-ministro da Casa Civil, José Dirceu (PT).

Além de Aécio, Delcídio também mencionou a irmã dele, Andréa Neves. Ele não soube afirmar se ela também recebeu propina da empresa, mas destacou que a influência dela no governo de Aécio em Minas era muito grande e que ela era o cérebro por trás da gestão do tucano e inclusive atendia no gabinete do irmão.

O tucano também foi acusado de atrasar envio de dados do Banco Rural para as investigações da CPI dos Correios em 2005. Delcídio disse que o objetivo de Aécio era apagar dados que não só o comprometiam, mas também incriminavam outros nomes.

Ainda sobre a CPI dos Correios, Delcídio afirmou que a polêmica lista de Furnas, um documento que atestava o esquema de propinas, apesar de provavelmente ser materialmente falsO, tratava de pagamentos que realmente existiram.

Uma resposta para “Aécio Neves recebeu propina da Furnas, segundo delação de Delcídio do Amaral”

  1. Gois Barl disse:

    Globo Jornal Hoje 15-03-2016 OMITIU as denúncias do Aécio. CAPA no UOL e escondido na GLOBO. Quem não acredita só olhar na GloboPlay.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.