Advogado alega que deputado Marquinho do Privê “não sabia de existência” de reunião que motivou ação do MPF

Segundo defesa, deputado não estava em Caldas Novas no dia do evento e este teria tido “caráter público”

Foto: reprodução/Facebook

Foto: reprodução/Facebook

O Ministério Público Federal (MPF) protocolou ações contra 11 deputados goianos eleitos em 2014, entre eles o estadual Marquinho do Privê (PSDB), que foi acusado, juntamente com o prefeito de Caldas Novas, Evandro Magal (PP) e da deputada federal eleita Magda Mofatto (PR), de uma suposta utilização de cadastro da Prefeitura para realização de reunião com pretensos beneficiários de programas sociais.

Em entrevista ao Jornal Opção Online, o advogado Dyogo Crosara, representante dos dois políticos, afirmou que a reunião citada na ação do MP era uma reunião pública e que tinha fins eleitorais.

De acordo com o advogado, o deputado estadual eleito não estava em Caldas Novas no dia do evento e não só não participou dele como “em nenhum momento ficou sabendo da sua existência “. Segundo Crosara, a própria ação do MP reconhece que Marquinho do Privê não estava na cidade na ocasião.

O prefeito Magal esteve presente, porém o advogado defende que não apenas beneficiários do Programa Minha Casa Minha Vida (PMCMV) participaram. Crosara reforçou que não tinha fins eleitorais, mas, sim, caráter público.

Já em relação à utilização da força de trabalho de servidores municipais e do cadastro da Prefeitura para convocar a reunião, Dyogo Crosara disse que “a ação se refere apenas ao uso de dados da Prefeitura para a convocação e não tem nenhuma possibilidade de isso ter ocorrido, já que compareceram pessoas sem ligação a nenhum programa social”.

A ação

De acordo com o MPF, houve, em Caldas Novas, uma reunião com pretensos beneficiários do PMCMV para “divulgar e enaltecer a candidatura dos candidatos Magda Mofatto Hon (PR) e Marco Aurélio de Sene Palmerston Xavier (Marquinho do Privê)”.

Para fazer tal reunião, a Prefeitura teria usado o cadastro dos cidadãos que pretendem conseguir os benefícios do programa que fica disponível na prefeitura, além da força de trabalho de servidores municipais para convocar essas pessoas. A ação foi protocolada porque não se pode usar programa ou bem público a favor de candidaturas.

Caso a ação seja julgada procedente, Marquinho do Privê pode ter seu mandato cassado e/ou pode ser condenado ao pagamento de multa. Já Evandro Magal pode ficar inelegível por oito anos.

1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Boladão

Triste demais minha cidade minha terra natal nas mãos dessa quadrilha, afim só de benefícios próprios, pouco preocupando com á minha cidade, Com o povo, Mais ao mesmo tempo eu acho é pouco… como disse Jesus ( Esses hipócritas )que votam em corrupitos tem é que sofrer, puxadores de saco, um bando de passa fome ignorantes. (Mais o de vcs estará guardado).