Abraham Wintraub já disse que ministro da Propaganda de Hitler era guru da esquerda

Novo líder do MEC é formado em Ciências Econômicas e mestre em Administração Financeira

Abraham Weintraub, novo ministro da Educação de Bolsonaro | Foto: Agência Brasil

Abraham Weintraub é o atual líder do Ministério da Educação (MEC). O novo ministro ocupa o lugar de Ricardo Vélez, exonerado nesta segunda-feira, 8, pelo presidente Jair Bolsonaro.

Ao lado doo irmão Arthur Weintraub (assessor-chefe adjunta da Assessoria Especial do Presidente da República), Abraham participou da formulação do programa de governo na área da Previdência. Ele integrou a equipe de transição comandada pelo ministro Onyx Lorenzoni (DEM-RS) – inclusive, foi por meio de Lorenzoni que a dupla se aproximou de Bolsonaro, em março de 2018.

O novo ministro é formado em Ciências Econômicas pela Universidade de São Paulo e é mestre em Administração Financeira pela Fundação Getúlio Vargas. Ele não possui doutrado, como dito por Bolsonaro, inicialmente (ele corrigiu), nas redes sociais.

Em janeiro, ele se tornou secretário executivo da Casa Civil, cargo que ocupou até esta segunda. É, também, diretor executivo do Centro de Estudos em Seguridade da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), onde leciona a disciplina de direito previdenciário.

Em seu currículo, também consta a atuação como executivo no mercado financeiro por mais de 20 anos e participação de sociedade da Quest Investimentos, além de ter dirigido o Banco Votorantim.

Acusações

Mesmo antes de se relacionar com o presidente, um texto da autoria dos irmãos Weintraub e sua equipe, em 2017, foi divulgado nas redes sociais. Na época, além de defender a independência do Banco Central e abordar o tripé macroeconômico, eram feitos ataques ao PT e comparações com o Nazismo.

“Enquanto a esquerda prefere gurus do Nacional Socialismo como Joseph Goebbels: ‘Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade’; nós ficamos com Galileu Galilei: eppur si muove [no entanto, ela se move, em tradução livre]! Todavia, a convicção que venceremos vem de João 8:32 ‘E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará'”, diz trecho que mistura Bíblia, Goebbels e Galileu Galilei.

Centros acadêmicos protestaram contro o texto, mas os irmãos afirmaram que os alunos “puxam a média do campus para baixo” e que “esperam ansiosamente pela ditadura do proletariado”.

Na época, segundo a dupla, tiveram quatro processos administrativos contra eles, em decorrência das respostas que deram ao que chamaram de “ofensas dos alunos”.

2018

Em dezembro passado, ele e o irmão estiveram na Cúpula Conservadora das Américas. Na ocasião, eles apresentaram, em palestra, uma lista para “vencer o marxismo cultural nas universidades”. A participação foi inspirada por teorias do guru do bolsonarismo, o escritor Olavo de Carvalho. “Na América Latina, se vencermos o desafio do comunismo e não deixarmos entrar outras pressões, como o terrorismo islâmico, temos tudo pra ser uma das regiões mais estáveis do mundo”, disse Abraham no evento.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

JORGE LUIZ DE ALMEIDA

Goebbels, foi comunista de carteirinha; seu antecessor na chefia da propaganda nazista era Gregor Strasser, também foi esquerdista pra valer. Modelo de propaganda pode ser usado por qualquer forma de governo, sem que necessariamente seja de esquerda, extrema direita, etc. e tal.; Fidel deve ter usado as mesmas técnicas que Pinochet usou. Etc..Goebbels se destacou no marketing político e fez escola, é claro; naturalmente deve ter tido intercâmbio com bolchevistas próximos a Lênin e Stálin sobre o valor da propaganda e ideologia na comunicação com as massas. Normal.

Rodrigo M.S.

Fico feliz em saber que o novo Ministro ainda é dos bons.

A descomunização das escolas vai começar logo logo.