A declaração de um major da Polícia Militar de Goiás sobre a morte de um filho de militares por bandidos provavelmente ligados ao tráfico foi tremendamente infeliz. Vinda de alguém com o cargo que ocupa beira ao inaceitável.

O único atenuante é o efeito empatia, por ter talvez se colocado na pele do casal de colegas de farda que perdeu um garoto.

Mas, obviamente, não é matando criminosos e suas famílias(!) que se resolverá o problema. Muito pelo contrário: policiais e bandidos em guerra mútua é o pior cenário que pode existir para a paz de qualquer sociedade. Seria a PM virando milícia.

É responsabilidade do poder público, do governador em especial, fazer com que a situação não degringole. A morte do rapaz é um momento chave para isso. É preciso ações operacionais (no âmbito da secretaria) e políticas (em termos de pressão nacional por mudanças nas leis). Quando a este segundo aspecto, por que não começar por Goiás?

A segurança pública no Brasil, como também a saúde e a educação, são problemas crônicos. Devemos assumir a incompetência e tentar novos modelos, porque o que aí está posto não dá certo. Insistir nele é errar duas vezes.