11 craques que não se renderam ao sistema

Pela personalidade, por ações humanitárias ou posicionamentos políticos, um ranking subjetivo sobre jogadores que pensaram o esporte muito além das quatro linhas do gramado

Elder Dias

Para quem olha de fora, o mundo do futebol é habitado por seres completamente alienados. Um preconceito sob uma base real: está claro que os jogadores colaboram para essa impressão virar estereótipo. E nem só por aqui — a seleção inglesa que jogará a Copa do Mundo ficou hospedada em Miami antes de vir para o Brasil e somente um atleta, Leighton Baines, reparou que aquele senhor grisalho acomodado no mesmo hotel era o cantor Morrissey, lenda do rock britânico. A maioria das celebridades do futebol pisa na bola ao entrar (ou nem isso) no campo dos temas universais, provocados em assuntos que vão da política à cultura, da economia aos direitos humanos.

Mas nem só de pagode e “vamos dar tudo de si” vivem os jogadores. Alguns deles — poucos, é bem verdade — se fizeram referência exatamente por fugir do padrão: tornaram-se não só grandes como atletas, mas também pessoas brilhantes. Pelo pensamento rápido, por uma personalidade contestadora, por ações humanitárias ou posicionamentos políticos, a lista destas próximas páginas estabelece um ranking totalmente aleatório e pessoal sobre alguns sujeitos que, sem dúvida, levaram o futebol muito além das quatro linhas de um campo.

Tocantins_1885.qxd

 

 

4 Caszely, o bravo

Tocantins_1885.qxd

Considerado um dos maiores jogadores da história do Chile, o socialista Carlos Caszely, já craque da seleção, apoiou o governo de Salvador Allende no início dos anos 70 e foi também uma das celebridades do país a se opor frontalmente à ditadura de Augusto Pinochet. Tão frontalmente que, recebido com a seleção em La Moneda, o palácio presidencial, não estendeu a mão ao general, em solenidade pela conquista da vaga à Copa da Alemanha, em 74. Talvez isso tenha colaborado para que tivesse sua mãe sequestrada e torturada por agentes do governo naquele ano. Em 1980 e 1988, fez campanha contra o governo, respectivamente pela rejeição à nova Constituição e pela opção “não” no plebiscito que decidia sobre a manutenção de Pinochet no poder. Jogou as Copas de 1974 e 1982 e é o terceiro maior artilheiro da história da seleção chilena.

5 Varela, o digno

Tocantins_1885.qxd

O principal causador da maior tragédia do futebol brasileiro era muito mais do que jogador e capitão da seleção uruguaia. Em 1948, liderou uma greve dos atletas do país por condições mais humanas no trabalho. Já no fim da carreira, se recusou a receber premiação diferente dos colegas. Quando seu clube fechou patrocínio, em 1954, a única camisa do time em que a marca do anunciante não estava estampada era a sua. Ele não permitiu. “Antes, nós, os negros, éramos puxados por uma argola no nariz. Esse tempo já passou”, justificou sua atitude. O durão Varela se disse arrependido de ganhar a Copa de 50, após consolar brasileiros nos bares do Rio na noite do Maracanazo. Condoeu-se por nunca ter imaginado que o futebol significasse tanto para aquela gente. Morreu pobre, em 1996.

6 Sócrates, o democrata

Tocantins_1885.qxd

Sócrates, que jogou as Copas de 82 e 86, pode ser considerado o maior “antijogador” da história do futebol brasileiro. Revelação do Botafogo de Ribeirão Preto (SP), sua terra natal, recusou-se a ir para o Corinthians antes de terminar a faculdade de Medicina. No Timão, além de um dos maiores ídolos da história, foi um dos responsáveis pela implantação da Democracia Corintiana, movimento em que decisões sobre o time e o clube eram votadas por dirigentes, jogadores e funcionários. Outra prova de sua politização foi subir e discursar nos palanques das Diretas, em 1984. Era contra a concentração antes dos jogos. Fumava e bebia muito quando ainda era atleta. O álcool foi o causador de sua morte prematura, aos 57 anos, em 2011.

7 Cruijff, o sarcástico

Tocantins_1885.qxdVice-campeão mundial em 1974, ano em que a Laranja Mecânica comandada por ele em campo perdeu a decisão para a Alemanha, Johann Cruijff já jogava no Barcelona em 1973, quando resolveu dar ao terceiro filho o nome de Jordi, o padroeiro da Catalunha (no Brasil, São Jorge). Vivia-se ainda o período ditatorial do franquismo e tinha sido banida qualquer referência aos símbolos nacionais catalães. Como não pôde então registrar o filho em Barcelona, Cruijff se dirigiu ao país natal e Jordi pôde ser Jordi em Amsterdã. Para debochar de Franco, se deixou ser fichado como “máquina agrícola”, já que tinha sido considerado “muito caro” como jogador de futebol. Outra ditadura, a do argentino Jorge Videla, teria sido o motivo de sua não ida à Copa de 78. Por atitudes como essas, Cruijff é reverenciado por torcedores do Barcelona e nacionalistas da Catalunha muito além do craque que foi em campo. É um dos maiores jogadores de todos os tempos e o maior da Holanda.

8 Redondo, o indomável

Tocantins_1885.qxdUm dos mais talentosos jogadores argentinos dos anos 90, Fernando Redondo foi um habilidoso volante que se destacou especialmente no Real Madrid. Depois de jogar a Copa de 1994, envolveu-se em uma polêmica por causa de uma ordem bizarra do então técnico da seleção Daniel Passarella em 1998: para serem convocados, todos os atletas deveriam ter cabelos curtos. “Eu disse a Passarella que não iria cortar meu cabelo, porque ele faz parte da minha personalidade. E, antes de ser jogador, eu sou uma pessoa.” A personalidade forte do cabeludo Redondo já havia sido demonstrada em 1990, ao recusar a convocação do técnico Carlos Bilardo para a Copa. Mais tarde ele confirmaria que não concordava com o estilo de jogo proposto pelo treinador.

9 Romário, o ferino

Tocantins_1885.qxdUm dos maiores camisas 9 (embora jogasse com a 11) da história do futebol mundial, o “Baixinho” espalhou tanto talento quanto desafetos no futebol: teve atritos (alguns com vias de fato) com os colegas Edmundo, Zico, Andrei, Pelé, Ronaldo e o argentino Simeone, entre outros; com os treinadores Alexandre Gama, Zagallo e Luxemburgo; e com os dirigentes Roberto Dinamite (Vasco), Edmundo dos Santos Silva (Flamengo) e Ricardo Teixeira (CBF). Poderia ter jogado cinco Mundiais (entre 1986 e 2002), mas, de fato, apesar de ter estado em 1990 como reserva — só entrando contra a Escócia —, brilhou quatro anos depois: a conquista do tetra foi também a “Copa do Romário”. Além de boêmio — amava a noite, dizia que não era atleta e achava que jogava melhor quando antes fazia sexo —, foi um frasista polêmico. Entre elas disse: “Pelé, calado, é um poeta” e “O cara entrou no ônibus agora, não está nem em pé e já quer sentar na janela” (sobre Alexandre Gama, então técnico do Fluminense). Hoje sua língua ferina o ajuda nos debates no Congresso, como deputado federal pelo PSB do Rio. Grata surpresa da política e ferrenho crítico da CBF, em outubro Romário deve disputar o Senado.

10 Best, o boêmio

Tocantins_1885.qxdÉ do norte-irlandês talvez a frase mais sarcástica de um jogador de futebol para definir hedonismo: “Gastei muito dinheiro com bebidas, mulheres e carros potentes. O resto eu desperdicei.” Em plena efervescência da beatlemania, George Best foi o primeiro jogador pop star do futebol mundial e o maior frasista de seu ramo. Nunca disputou uma Copa do Mundo — sua seleção, a Irlanda do Norte, não conseguiu êxito nas eliminatórias de 1962 a 1978 —, mas é considerado um dos maiores jogadores da história do Manchester United. Sua vida de “bon vivant” foi também o que o matou: ainda tinha carreira em alta quando se entregou ao álcool. Sofrendo de cirrose, passou por transplante de fígado em 2002, mas voltou a beber mesmo assim. Morreu em 2005, aos 59 anos. Como último e digno ato, deixou-se fotografar moribundo no hospital Cronwell, em Londres, pedindo para que o registro fosse legendado com uma última grande frase: “Não façam como eu.” O aeroporto de Belfast, sua cidade natal, foi rebatizado com seu nome.

11 Breitner, o sincero

Tocantins_1885.qxdPaul Breitner penou por dizer sempre o que pensava. No tempo em que o Muro de Berlim ainda estava de pé, tinha fortes posições políticas e não fugia de polêmicas. Campeão mundial em 1974 pela Alemanha, só voltaria a jogar pela seleção em 1981. É que chamara o então técnico Helmut Schön de “senil”, o auxiliar Jupp Derwall de “idiota” e seus colegas de time de “burros”. Em plena guerra fria, foi considerado maoísta por confessar que tinha um livro do ditador chinês. Foi também o técnico da seleção com recorde negativo de tempo de permanência: 17 horas, tempo que levou para ser reprovado pelo conselho da federação alemã. Sobre o motivo da rejeição, disse Breitner à época: “Talvez seja sincero demais para ser técnico da seleção.”

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.