Buscar propostas inovadoras para o alcance da mobilidade sustentável dentro das universidades é fundamental para um trânsito mais seguro. Por isso a Universidade de São Paulo (USP) criou a Cátedra Abertis, premiação que reconhece pesquisas sobre gestão de infraestrutura de transportes e segurança viária. O foco são os projetos que abordam a mobilidade sustentável, que vêm crescendo considerando o cenário de emergência climática que o Brasil, e todo o mundo, vem enfrentando.

No início, o projeto tinha como objetivo debater a segurança viária no Brasil, já que o número de mortes relacionadas a essa questão era muito grande. Assim, o prêmio tinha como objetivo apoiar os ambientes universitários e estimular as pesquisas de mestrado e doutorado dessas temáticas. A 8º edição tem como foco premiar as melhores teses de 2022 e conta com um tema que é novidade: a mobilidade sustentável.

Um estudo da Universidade Federal de Goiás (UFG) mostra que o deslocamento por transporte individual cresceu de 35% para 59,6% entre 2000 e 2019 em Goiânia, enquanto o transporte coletivo decaiu de 37,7% para 37,1%. Por outro lado, o transporte por bicicleta aumentou de 4,2% para 12%.

O estudo Estimativa da Matriz Origem foi dividido em cinco momentos, o seminário detalhou como foi realizado o projeto de pesquisa, as séries históricas dos transportes coletivo e individual de passageiros, a pesquisa origem-destino web e a construção da matriz origem-destino. 

A pesquisa foi feita a partir de diversas fontes de dados como internet, bilhetagem do transporte coletivo e também uma pesquisa realizada em 2021 pela internet com usuários do transporte coletivo e individual em Goiânia, contemplando diversos públicos e permitindo ampla estratificação dos dados.

A partir dos dados foram realizadas diversas simulações com as matrizes de viagens de origem-destino do transporte coletivo e individual. O seminário detalhou cada uma das etapas do estudo apresentando séries históricas do transporte coletivo e individual dos passageiros. 

Cátedra Abertis

André Giavina Bianchi, diretor executivo de operações da Abertis, afirma que “o objetivo do projeto é aproximar o universo acadêmico do setor de infraestrutura rodoviária e assim, criar uma oportunidade para oxigenar esse setor com novas ideias que nascem no meio acadêmico”.

O especialista comenta ainda que, a partir desses projetos, é possível ter o reconhecimento de que a produção acadêmica, quando aplicada na prática, pode trazer ganhos importantes para o meio ambiente e para o sistema de mobilidade como um todo. “A gente tem que estar sempre buscando esse desenvolvimento e trazer inovações”, fala.

As inscrições para o prêmio acontecem até o dia 16 de junho e o ganhador leva para casa cerca de 7 mil euros. Para saber mais sobre a premiação, acesse o link: https://abertis.poli.usp.br/

Estimativa da Matriz Origem

Os dados da pesquisa foram coletados de março a novembro de 2022. Foram recebidas 9.130 respostas sendo 88,1% de Goiânia e 7,5% de Aparecida de Goiânia, além de participantes de Senador Canedo, Trindade e Goianira. O estudo utilizou o ano de 2019 como base, devido à grande variação dos dados que ocorreu durante a pandemia, mas os dados e projeções mostram que o modelo foi bastante assertivo com relação a retomada da mobilidade no município, na comparação com os dados já disponíveis de 2022.

Com os estudos apresentados, foi possível subsidiar a Prefeitura para a construção do Plano de Mobilidade de Goiânia. Segundo a lei nº 12.576 de 2012 todos os municípios devem construir seus planos. O plano de Goiânia está, segundo informações da Prefeitura, na Casa Civil para avaliação. A UFG entregou além da Matriz Origem-destino encomendada pela prefeitura, uma série de outros estudos realizados na UFG subsidiados pelos dados produzidos.