Depois do delegado-geral da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF), Robson Cândido, afirmar na noite de ontem, 24, que a corporação vai prender qualquer um que atente contra o Estado Democrático de Direito, na manhã de hoje, 25, Flávio Dino usou o twitter para falar sobre escalada da violência em Brasília.

Na postagem, o futuro ministro disse que acampamentos “patriotas” viraram incubadoras de terroristas e defendeu o desarmamento.

A polícia informou ainda na noite de Natal que o terrorista bolsonarista preso por colocar uma bomba, construída com dinamite e um temporizador digital, num caminhão-tanque que ia em direção ao aeroporto de Brasília tinha mais planos de ataques na capital da República.

O empresário paraense, cuja identidade ainda não foi revelada, confessou aos investigadores, segundo o site Metrópoles, que além do atentado que acabou frustrado, a intenção era realizar outras explosões de grandes dimensões, inclusive na cerimônia de posse do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que acontecerá na tarde do dia 1° de janeiro.

Abrigado num imóvel do bairro Sudoeste, área nobre do DF, foram encontrados na casa do terrorista outros seis explosivos de grande capacidade destrutiva, além de um verdadeiro arsenal com armas sofisticadas, como um fuzil, escopetas de modelos táticos, revólveres, pistolas e muita munição. A polícia confirmou que o homem tem registro de CAC (colecionador, atirador e caçador).

O delegado-geral da Polícia Civil do DF, Robson Cândido, disse à imprensa que as investigações seguem e que todos os envolvidos no insano plano de sair cometendo atos terroristas na capital federal serão detidos.