Uma caixa de Memorex custa muito caro?

Senadora Katia Abreu parece ter esquecido perseguição sofrida no MDB e revela em rede social que ensaia apoio a Renan Calheiros para presidir o Senado

A parlamentar afirmou que Renan não é radical, tem raciocínio rápido e pode ajudar demais o governo | Foto: Divulgação

O que parecia ser mais uma semana de recesso político e parlamentar, ao apagar das luzes de 2018, acabou surpreendendo. É que a senadora tocantinense Kátia Abreu (PDT) disse, na quinta-feira, 10, que “é total” a simpatia dela e do seu filho, senador eleito Irajá Abreu (PSD), por Renan Calheiros (MDB-AL) – que quer voltar a presidir o Senado. “Não tenho problema com isso, não tenho preconceito. Os alagoanos elegeram o Renan para mais oito anos. Não sou policial, não sou do Ministério Público, não fiz concurso para juíza. Sou senadora”, argumentou Kátia. Segundo ela, Renan não está condenado, é experiente e “tem um raciocínio político muito rápido”, “Que pode, inclusive, ajudar demais o governo. Renan não é radical”, justificou a senadora tocantinense.

Não é crível, porém, que a parlamentar tocantinense cometa esse retrocesso. Se na rede social Twitter, a senadora defendeu o voto secreto, poderia ter tido a decência e o bom senso de se abster de comentar sua preferência. “Sou a favor do voto secreto para eleições das duas casas. É assim em todas as democracias do mundo. Por que aqui seria diferente? O voto secreto não é para proteger o mal feito e sim proteger o eleitor de perseguições caso seu candidato perca. Em todas as instâncias e poderes” postou a parlamentar na referida rede social.

Além de todos os brasileiros saberem, escancaradamente, as mazelas cometidas pelo senhor Renan Calheiros – que representa aquilo de mais sórdido no Congresso Nacional – e isso, por si só, seria suficiente para ser rejeitado, o tal senador é filiado ao MDB, partido do qual a senadora tocantinense foi expulsa ao final de 2017. Naquela oportunidade, Kátia vociferou toda sorte de impropérios à sigla e seus membros. Talvez seja necessário refrescar a memória da parlamentar e dos leitores: “Fui expulsa exatamente por não ter feito concessão à ética na política. Fui expulsa por defender posições que desagradam ao governo. Fui expulsa, pois ousei dizer não a cargos, privilégios ou regalias do poder”. E arrematou: “Fiquei no PMDB e não saí como queriam. Fiquei e lutei pela independência de ideias e por acreditar que um partido deve ser um espaço plural de debates. A democracia não aceita a opressão”. Essa foi a “saraivada” proferida por Kátia Abreu ao ser notificada de sua expulsão da sigla emedebista.

O senador Renan Calheiros, que hoje a senadora ensaia apoiar para presidente do senado federal, fazia parte – juntamente com Romero Jucá – da cúpula do MDB que lhe excluiu do partido, segundo ela, injustamente.

Enfim, a política brasileira é sórdida. Seus membros são desmemoriados e adotam condutas ou discursos convenientes com a situação momentânea, esquecendo-se, no entanto, que nesse segmento, a carreira tende a ser de longo prazo. Kátia já experimentou nas urnas (eleição suplementar do Tocantins), os reflexos das suas constantes mudanças de postura. Pelo jeito, não aprendeu nadinha.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.