Marcelo Miranda recorre ao STF para continuar governando Tocantins

Governador cassado alega que TSE utilizou-se de provas ilegais

Caso foi distribuído – por prevenção – ao ministro Gilmar Mendes

A batalha jurídica de liminares ameaça ter novo capítulo. Um novo pedido cautelar foi protocolado, ainda no início da noite de quarta-feira (18/4), pelos advogados que defendem o governador cassado Marcelo Miranda (MDB), junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) sob o nº 00694216120181000000 e que pode ser julgado ainda nesta quinta-feira (19).

O caso foi distribuído – por prevenção – ao ministro Gilmar Mendes, que concedeu uma decisão suspendendo os efeitos da cassação até o julgamento dos embargos de declaração no TSE. Esse novo pedido foi feito exatamente porque a primeira liminar perdeu seu valor, visto que a Corte Eleitoral rejeitou os embargos na terça-feira (17) e manteve a cassação.

A defesa alega que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) agiu de maneira “atípica” e “estranha” ao dar celeridade ao julgamento dos embargos de declaração. A defesa pede que o afastamento do cargo seja suspenso até que todos os recursos possíveis sejam encerrados.

O advogado Antônio Glaucius de Morais argumentou que o processo ficou parado durante um ano e após ser retomado foi concluído em um curto prazo. “Depois de um ano, repentinamente em 20 dias o ministro relator julgou o recurso, fez cassar o mandato de um governador de estado, recebeu os embargos de declaração, incluiu-os em pauta antes de terminado o prazo para as contrarrazões, e julgou-os.”

A peça recursal de inconformismo cita ainda que o acórdão do TSE foi “obscuro, contraditório, omisso e continha erros materiais”. Apesar disso, os embargos propostos pela defesa, medida jurídica para esclarecer partes de uma decisão, foram julgados em menos de dois minutos. “Vê-se uma correria no TSE para retirar da liminar as razões de sua concessão. A liminar na Pet 7551 foi deferida até que os embargos de declaração sejam julgados? Pois que sejam julgados a toque de caixa”, afirma.

Por fim, a defesa alega ainda que houve uso de provas ilícitas e a cassação se baseia em ligações telefônicas e mensagens de WhatsApp, obtidas pela apreensão de aparelhos celulares sem autorização da justiça. Em outro tópico, alegou ainda que as mudanças de governo causam insegurança jurídica e instabilidade política no estado.

Diante de todas essas circunstâncias, requereu que o Supremo Tribunal Federal emita uma nova liminar suspendendo os efeitos da cassação de Marcelo Miranda até que todos os recursos possíveis, inclusive no STF, sejam encerrados.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.