Falta traquejo político à prefeita Cinthia e cheiro de povo

A atual gestora da capital tocantinense não tem sequer o controle do partido ao qual é filiada, o que coloca em dúvidas a viabilidade de sua candidatura

Prefeita Cinthia Ribeiro: a tucana quer mesmo se reeleger? Foto: Prefeitura de Palmas

Começam surgir especulações e dúvidas acerca do verdadeiro interesse da prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB) em disputar a reeleição em Palmas, nas eleições 2020. A princípio pode parecer uma hipótese absurda, mas as circunstâncias e ocorrências têm caminhado nesse sentido.
Não sabe a viúva do ex-senador João Ribeiro, após tantos anos de convivência, que é praticamente impossível ganhar uma eleição para prefeito sem um grupo político? Deve não saber porque faltando menos de um ano para as eleições, Cinthia Ribeiro não faz parte de nenhum grupo e nem tampouco sinaliza ou se esforça para tê-lo.

A atual gestora da capital tocantinense não tem sequer o controle do partido ao qual é filiada. Em razão de desentendimentos com Ataídes Oliveira, atual presidente da sigla tucana no Tocantins e suplente de João Ribeiro, a prefeita Cinthia sequer conseguiria registrar sua candidatura, se as eleições fossem hoje. Ao contrário dela, Oliveira tem o diretório metropolitano nas mãos e a ampla maioria de votos. Poder-se-ia afirmar: “Ah, mas a executiva nacional tem o poder de destituir o diretório metropolitano”.

Não é bem assim. Assessorado por uma especializada banca de advogados, Ataídes já cercou tal hipótese, se aproveitando das brechas jurídicas. Não vai ser fácil, portanto, mesmo que o governador de São Paulo, João Dória, e a ex-governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, entre outros correligionários queiram “forçar a barra” na convenção partidária.
Entretanto, muito mais do que um partido ou um grupo político, Cinthia precisa de aliados para disputar e vencer a eleição. E ela os tem? Categoricamente, não.

A bancada federal é composta por oito deputados e três senadores. Apenas a deputada Professora Dorinha (DEM) e o senador Eduardo Gomes (MDB) tentaram aproximação. E a iniciativa não partiu da prefeita e sim dos parlamentares. Tudo inútil. Outros congressistas comentam à boca pequena: “Quem ela pensa que é? Nunca veio aqui atrás de liberação de uma emenda. Se ela não faz questão, muito menos eu!”.

O coro na Assembleia Legislativa se replica, porque não há um deputado estadual sequer que seja aliado, de todas as horas, da prefeita. E assim, dia após dia, Cinthia vai perdendo aliados importantes. A propósito, talvez o vocábulo “perder” não se encaixe neste contexto. Não se pode perder o que nunca se possuiu.

Na câmara de vereadores da capital não é diferente. Muitos vereadores da própria base de sustentação da prefeita reclamam que não são ouvidos e, muitas vezes, sequer são recebidos por ela ou pelos secretários. Alguns prometem ficar na base apenas enquanto for conveniente. Quando o “caldo engrossar” sairão à francesa. Não há o cultivo de laços com as personalidades políticas que poderiam lhe dar sustentação. Não há diálogo com o parlamento e isso é péssimo, além de inviabilizar qualquer gestão.

Pensa que acabou? Não, ainda tem mais. De forma unânime, todas os agentes políticos consultados afirmam que Cinthia Ribeiro, além de não possuir capilaridade política e não ter experiência nas urnas, também não goza do apoio popular. A população, o eleitor, “a ponta da corda” ainda não se encantou pela gestão da prefeita. Não há o clamor popular, porque ela não faz questão de se misturar com a “gentalha”. É fácil ouvir murmúrios nos pontos de ônibus ou botequins: “Essa Cinthia não tem cheiro de povo, quer administrar fechada no ar-condicionado”. Dessa forma, dizem os mais entendidos, fica difícil sustentar uma candidatura com chances.

Refletindo detidamente e, sendo construtivamente crítico, o questionamento é indubitável: Cinthia quer mesmo se reeleger? Ela será mesmo candidata à reeleição? Pelas suas condutas comportamentais, é algo para se duvidar. l

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.