Consórcio de Municípios para aterro sanitário contribui com a gestão dos resíduos sólidos

Entre 2015 e 2019, a quantidade de Municípios que conseguiu fazer a disposição final ambientalmente adequada em aterros sanitários cresceu 3,9%

A Associação Tocantinense de Municípios  elogiou a ação de seis gestores municipais de se unirem em prol da reestruturação do consórcio intermunicipal, com o intuito de viabilizarem conjuntamente a implementação de um aterro sanitário, para que assim possam eliminar os lixões a céu aberto. A entidade municipalista reconhece as dificuldades de ordem financeira e técnica enfrentada por muitos Municípios para a execução da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), prevista na Lei 12.305/2010, e os consórcios são soluções eficientes para gradualmente os entes locais implementarem os aterros sanitários.

Nesta segunda-feira, os prefeitos de Miranorte, Dois Irmãos, Miracema, Lajeado, Barrolândia e Tocantínia discutiram conjuntamente ações e estratégias para efetivar a reestruturação do consórcio entre os Municípios com vistas a implementar o aterro sanitário.

“Foi reestruturado o consórcio intermunicipal da região do centro para que pudéssemos atuar juntos nas políticas públicas. Neste primeiro momento, trataremos do destino do lixo das cidades, mas em outra etapa queremos trabalhar para compartilhar soluções nas áreas da saúde, projetos para a educação e produção agrícola e rural”, disse o prefeito de Lajeado, Júnior Bandeira (MDB).

Outros dados

Segundo a CNM, desde 2015 até 2019, a quantidade de Municípios que conseguiu fazer a disposição final ambientalmente adequada em aterros sanitários cresceu 3,9%. Em relação a Planos Municipais de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos (PMGIRS), o crescimento foi 8,2%. A coleta seletiva, implantada pelos governos locais, cresceu 3,5% entre 2015 e 2019. Porém, um dado preocupante diz respeito à compostagem, uma vez que reduziu em 1,9% a quantidade de Municípios que informaram possuir iniciativas em compostagem de resíduos orgânicos desde 2015.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.