Excesso de trabalho, ambiente corporativo tóxico, pressão constante, estresse crônico, falta de autonomia ou de flexibilidade. Essas são as principais fatores de risco no ambiente de trabalho para o burnout, ou síndrome do esgotamento profissional, que afeta cerca de 64,3 milhões de brasileiros, segundo levantamento realizado pela International Stress Management Association (Isma).

Questões relacionadas à saúde mental são a terceira maior causa de afastamento do trabalho e dados apontam tendências de crescimento. O burnout é um síndrome que tem início silencioso e muitos profissionais vêm sofrendo desta exaustão sem estar cientes disso.

O termo burnout, que em tradução livre do inglês significa “queimar por completo”, foi introduzido pelo psicanalista Herbert J. Freudenberger, que criou um modelo de 12 estágios para visualizar o desenvolvimento desta síndrome com comportamentos típicos para cada estágio:

  • Ambição em excesso e necessidade de aprovação constante;
  • Trabalhar mais e acumular responsabilidades;
  • Negligenciar necessidades pessoais e sociais;
  • Reprimir conflitos, fugir dos problemas e sintomas;
  • Revisão de valores;
  • Negação do problema, impaciência e irritabilidade com o outro;
  • Afastamento, redução de contatos sociais;
  • Mudanças de comportamento;
  • Despersonalização, perder o contato com si mesmo(a), entrar no piloto automático;
  • Vazio interno, comportamentos compulsivos;
  • Sintomas de depressão;
  • Burnout.

Como as empresas podem lidar com o burnout?

Nos últimos anos, entre outras razões por causa de uma definição mais específica do lado da OMS, as discussões sobre o burnout aumentaram e ficou claro que as empresas podem desempenhar um papel crucial na promoção da saúde mental de seus colaboradores e na redução do estigma em torno do tema e consequentemente no tratamento eficaz de questões como o esgotamento profissional e a redução de danos.

Na prevenção da síndrome de burnout, a construção de um ambiente de trabalho saudável é o ponto-chave. Existem várias estratégias para criar uma cultura de cuidado no qual as pessoas colaboradoras conseguem trabalhar de forma produtiva e manter o seu bem-estar.

Lidar com a cultura da produtividade

Ambientes onde a produtividade está acima de qualquer coisa (até a própria saúde da pessoa colaboradora) são propensos a facilitar o desenvolvimento de burnout. Somos todos humanos e ter limites não é apenas normal, mas saudável, inclusive para a empresa.

Flexibilizar as rotinas

Estresse crônico muitas vezes é causado por uma incompatibilidade entre as exigências profissionais e as capacidades e recursos do lado da pessoa colaboradora. Compreender as rotinas e metas que se adequam não apenas para o negócio, mas também para a pessoa colaboradora, traz mais produtividade e contribui para um ambiente mais saudável.

Educação e capacitação da liderança

As lideranças têm um papel fundamental na criação de uma cultura de cuidado e consequentemente um ambiente de trabalho saudável. Para uma pessoa líder poder criar espaços psicologicamente seguros e acolher membros da equipe, é necessário preparar a liderança adequadamente.

Ter ferramentas de monitoramento recorrente do estado emocional das pessoas colaboradoras

Assim como o burnout, outras questões de saúde mental tais como a depressão ou ansiedade, não aparecem de um dia para outro. Identificar primeiros sinais e sintomas, permite intervir antes de um desenvolvimento completo e consequentemente reduzir desde o início consequências como afastamentos e altos custos médicos, além de uma qualidade de vida impactada.

Promover programas de cuidado contínuo

Para criar uma cultura que prioriza o bem-estar precisa-se mais do que oferecer ações pontuais ou intervenções em crise. Oferecer benefícios e ferramentas que permitam às pessoas colaboradoras cuidar da própria saúde mental, gerenciar melhor os níveis de estresse e aumentar o autoconhecimento, é fundamental para prevenir o burnout e outras questões de saúde mental.

Leia também: