A Proteste, a Associação Brasileira de Defesa do Consumidor, conduziu uma pesquisa avaliando várias marcas de queijo ralado, coalho, gorgonzola e processado. Os resultados revelaram que nem todas essas marcas estão em conformidade com os padrões estabelecidos pela legislação brasileira.

No total, foram testados 49 produtos, incluindo 18 marcas de queijo coalho, nove de gorgonzola, seis de queijo processado e 16 de queijo ralado. De acordo com as análises laboratoriais, foram encontradas quantidades da bactéria Escherichia coli acima dos limites máximos permitidos em lotes de dois produtos de queijo coalho: Porto Alegre e SertaNorte.

A Escherichia coli é uma bactéria comumente encontrada no intestino humano. No entanto, quando consumida em altas concentrações em alimentos contaminados, pode causar dores abdominais e diarreia, como explicou a especialista da Proteste, Mylla Moura, em entrevista ao Globo.

A presença da bactéria Escherichia coli nos queijos pode ser resultado de problemas relacionados à temperatura e umidade inadequadas durante o armazenamento, bem como falta de higiene na manipulação dos produtos. A Proteste também comparou a quantidade de sódio declarada pelos fabricantes nos rótulos dos produtos com os resultados das análises laboratoriais.

O resultado revelou que, nos quatro tipos de queijo examinados, houve divergências em relação ao que é permitido pela legislação brasileira. A legislação indica que a quantidade de sódio não pode exceder 20% do valor declarado nos rótulos.

Os queijos coalho da marca Três Marias apresentaram 159% a mais de sódio do que o declarado, o queijo ralado Gran Romano apresentou um valor 76,6% maior, o gorgonzola Cruzília, 94% a mais, e o queijo processado São Vicente apresentou um valor 36,3% superior ao declarado.

“O consumo de sódio em excesso pode aumentar a probabilidade de doenças crônicas, como hipertensão, acidente vascular cerebral, pedra nos rins e até câncer de estômago”, destacou Mylla Moura.

A pesquisa também examinou a quantidade de gorduras saturadas presentes nos queijos. De acordo com as diretrizes da Organização Mundial da Saúde (OMS), é aconselhável consumir até 22g desse tipo de gordura por dia.

Os resultados mostraram que 100g de queijo coalho da marca Cruzilla (equivalente a um espeto e meio) contêm 20,3g de gorduras saturadas. Um pacote grande (100g) dos queijos ralados Crioulo e Nata de Minas apresentaram 27g. Já o queijo processado Tirolez, em uma quantidade de 100g, continha 16,3g de gorduras saturadas, o que representa pouco mais de três colheres de sopa de fondue. Por fim, 100g do gorgonzola Regina possuíam 21g de gorduras saturadas.

“Com os resultados, o consumidor deve equilibrar os queijos na dieta. As características inerentes ao produto já apresentam altas quantidades de gordura saturada e sódio em suas composições, e é importante avaliar essa variação entre os tipos de queijo”, concluiu a especialista.