Um espaço para as inovações

Em sua 10° edição, evento apresenta tendências e oportunidades de negócios, contribuindo com a economia do Estado

Yago Rodrigues Alvim

O Centro de Convenções de Goiânia recebe, de 31 de julho a 3 de a­gos­to, a 10° edição da Fei­ra do Empreendedor, realizada pela seccional goiana do Serviço Bra­sileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-GO). O objetivo da Feira é fomentar o empreendedorismo e contribuir, diretamente, com o processo contínuo de crescimento econômico do Estado. Além de parceiros, empreendedores, do Estado e no Brasil, com espaço no mercado, por suas inovações, participarão como expositores, na Feira.

Bruno Carneiro é empresário. Suas empresas, Raddar Digital Media e Index Mídias Alternativas nasceram e se consolidaram. Em 2000, no intuito de desenvolver websites, Bruno criou a Raddar. A ideia inicial de um site de pesquisa não funcionou, e cresceu para uma agência. “Pode-se considerar que, hoje, somos vovôs”, brincou, sobre os 14 anos de vida, algo valioso para uma agência de web. Com implementação de outras ferramentas, a empresa atua, recentemente, com o marketing digital e soluções para empresas diversas, através da internet.

Bruno Carneiro expõe suas duas empresas, Raddar e Index, na Feira  do Empreendedor, mostrando  que a inovação merece apostas | Foto: Arquivo Pessoal

Bruno Carneiro expõe suas duas empresas, Raddar e Index, na Feira do Empreendedor, mostrando
que a inovação merece apostas | Foto: Arquivo Pessoal

“Teve uma evolução muito grande nessa área e culminou em várias em­presas afins”, disse. Com o Sebrae, fez parcerias. Ele fala sobre a linha Sebraetec, promovendo ações aos clientes do Serviço, na área de inovação e tecnologia. Já a Index nasceu há três anos, com o intuito de trazer uma nova modalidade de mídia interna, a chamada “Tv corporativa”. Ela pode ser utilizada de duas maneiras, explicou: para veiculação de mídia de clientes externos, dentro de ambientes internos – academias, salões de beleza, por exemplo; e como comunicação direcionada a colaboradores, um canal fechado da empresa, transmitido por televisão, para veiculação de anúncios, publicidade com um determinado público-alvo.

Essas ideias que consolidaram e empreenderam, ganhando espaço no mercado goiano, serão expostas na Fei­ra do Empreendedor. Com Bru­no, será pela terceira vez. A feira está em sua décima edição. Porém, será a primeira vez que ambas as empresas participarão do evento. “A feira é in­teressante, pois, atrai novos e já consolidados empreendimentos. Tem um olhar peculiar. O Sebrae tem um grande nome e, ao expormos nosso produto, associado a esse olhar, conseguimos demonstrar nossas novas tecnologias ao mercado.”

A Raddar é exemplo de uma ideia inovadora e arriscada para a época. O mercado para criação de sites não era tão estável como hoje. E, assim, se constitui como um caminho para os novos expositores que têm essa característica, valorizada pelo serviço, de inovação. “Pas­samos por dois, três anos com mui­tas tentativas e as pessoas não a­creditavam no produto. Somos jo­vens e inovadores e queríamos a­plicar essa tecnologia, que já era proposta em outros países. Depois de cinco anos, começou a mudar a de­manda, pois a internet começou a fazer parte do dia a dia das pessoas. Os bancos, as redes sociais contribuíram para isso. Com as redes houve uma explosão. Há um acesso contínuo. Hoje, como essa tecnologia está nos smartphones, se carrega a internet para todo la­do. A batalha surgiu, foi difícil. Mas hoje a internet está bem conso­lidada. É um mercado crescente, imaturo, por estarmos aprendendo a lidar com ele e, ainda assim, gera muito resultado para as empresas contratantes”, explicou sobre a jornada.

Já sobre a oportunidade, ele res­saltou que expor novos produtos é bom para demonstrar, aos novos empresários, a capacidade de inovar. É este o tema do Sebrae, aliado ao melhor resultado à quem procura. “Temos novas tecnologias, novas ações” e existe a possibilidade de todos terem, o público, acesso a elas. A empresa, no mundo virtual, se bem estruturada, pode ser pequena ou grande que compete de igual para igual, explicou. Há uma democratização. O site de busca Google propiciou isso. “Se for uma empresa pequena, mas bem organizada, ela consegue disputar no mesmo mercado”, pontuou. A Raddar constata isso. São mais de mil sites publicados, além de assessoria em comunicação digital a tantas outras empresas.

Outros nomes

Ainda na área de Tecnologia da Informação (TI), atua o empresário Adriano Rocha. Ele criou a Siac Sistemas. É uma empresa com mais de 20 anos no mercado, atuando no desenvolvimento de softwares. A especialidade é um software para distribuição de medicamentos. Os outros são destinados à área comercial, prestação de serviços. Neste ano, Adriano falou sobre o desenvolvimento de gestão comercial para micro e pequenas empresas, na nuvem – um sistema web.

“É um sistema acessado por qual­quer dispositivo móvel – tablet, smartphone, notebook, por exemplo – e a solução contempla, também, a hospedagem de dados em datacenter próprio. O software tem uma ca­ra­cte­rística de não limitar o número de usuários, acesso, emissão de boleto ou nota fiscal. O cliente loca, contrata e já tem disponível o uso do disposi­tivo”, explicou Adriano, seu produto.
A participação na feira é para di­vulgá-lo. Assim, quem busca estruturar ou incrementar seu negócio, fazê-lo crescer, tem essa novidade. Adria­no comenta, também, sobre a possibilidade de encontrar parceiros na feira e sobre a estratégia de certificar canais de negócios, por ser especialista em treinamento e implantação, em suporte aos clientes. “É uma oportunidade a quem quer construir seu negócio com tecnologia nas nuvens”, disse sobre a assistência. Assim, ressalta-se a importância da troca de informações, de conhecimentos, para agregar, com a feira.
“Divulgaremos para empre­en­dedores e levaremos oportunidade de negócios para quem quer uma parceria”, disse, complementando: “A nossa solução é uma solução agregadora. Leva­remos um conjunto de ferramentas, para que não só implante soluções, mas rentabilize seu negócio”. Adriano é exemplo de uma em­presa que tem experiência na gestão de negócios e com o estudo de mercado, das micro e pequenas empresas, pretende contribuir com o público-alvo da feira. “A expectativa é gran­de, pois é uma inovação.”

Em outra área atua Mirian Flo­rêncio. Ela sempre teve o sonho de passar seu conhecimento em estética pa­ra outras empresas. Por isso, o in­tuito de criar uma franquia de alongamento de cílios e design de so­bran­celhas, com seu diferencial: a técnica que desenvolveu ao longo de 27 anos de mercado. “É um sonho, que está se realizando e se estruturando em uma franquia, para que atenda com qualidade os clientes” explicou Cladson Viana, que trabalha com Mirian na franquia Floren Cílios e Cia.

Mirian Florêncio será uma das expositoras na Feira do Empreendedor | Foto: Arquivo Pessoal

Mirian Florêncio será uma das expositoras na Feira do Empreendedor | Foto: Arquivo Pessoal

A franquia está funcionando há dois anos, nesta formatação. “A parceria com o Sebrae foi de grande valia, para prosseguirmos e aumentarmos a capacidade que temos”, disse Cladson. Houve uma consultoria que o auxiliou. Na Feira do Empreendedor vão expor seus produtos feitos com exclusividade e qualidade, o que serve a inovação proposta pelo Sebrae.

É a primeira vez que participarão. Cladson diz sobre a expectativa: “Nós esperamos um retorno tanto na parte de novos clientes, como de pessoas que procuram investimentos no ramo de franquias, com algo diferenciado. Tenho certeza que o retorno que a feira trará será grande.” Da oportunidade de participação, ele contou sobre a janela para divulgação da marca Floren Cílios. Ele explicou da popularidade do nome Mirian Florêncio, já conhecida no ramo. A necessidade, agora, é espalhar o nome da empresa no mercado, no que a feira servirá de forma exemplar.

Proposta

A Feira do Empreendedor compõe um circuito nacional, coordenado pelo Sebrae nacional. Em Goiás, o evento, que é bienal, está em sua décima edição, todas realizadas no Centro de Convenções. O objetivo, da feira, além de capacitar, desburocratizar processos, é oferecer acesso ao crédito, tecnologia, conhecimento para o público-alvo do Sebrae – potenciais empresários e empreendedores, microempreendedores individuais (MEI), empresários de micro e de pequenas empresas e produtores rurais, atendidos por soluções, ofertadas pelo Serviço. A feira é aberta às pessoas com intenções de negócios e a quem quer abrir ou já tem um negócio oficialmente constituído.

“Mercado, estratégia, plano de negócio, gestão profissional, vivências de negócios, mapa de oportunidades e pesquisa são os pilares que o público encontrará na Feira do Empreendedor em Goiânia”, contou o diretor superintendente do Sebrae-GO, Manoel Xavier Ferreira Filho. Todo o escopo do evento foi desenvolvido a partir das necessidades dos clientes em Goiás. A Feira do Empreendedor tem esse objetivo de fomentar a criação de um ambiente favorável para geração de oportunidades de negócio e estimular o surgimento, a ampliação e a diversificação de empreendimentos sustentáveis, além de difundir o empreendedorismo como um estilo de vida.

Diretor do Sebrae-GO, Manoel Xavier: “A feira cumpre a missão de disponibilizar soluções para promover o empreendedorismo, o desenvolvimento  e a sustentabilidade dos pequenos negócios” | Foto: Edmar Wellington

Diretor do Sebrae-GO, Manoel Xavier: “A feira cumpre a missão de disponibilizar soluções para promover o empreendedorismo, o desenvolvimento
e a sustentabilidade dos pequenos negócios” | Foto: Edmar Wellington

Nesta edição, o Sebrae elaborou um estudo sobre as tendências de consumo em Goiás. Do resultado, foram extraídas 18 macrotendências. E, vinculados a essas macrotendências, foram selecionados 70 atividades, negócios prioritariamente para se exporem na feira. O planejamento e a estruturação do evento teve como base esse estudo.

Além dessas 70 empresas, de diversas regiões do país, que ampliam as possibilidades oportunas de negócios para o mercado goiano, com sua exposição de ideias, soluções, produtos e equipamentos (considerados inovadores), na feira haverá uma área de formação, com orientações e capacitações técnicas, informações institucionais, do Sebrae e de outros parceiros, que impactam na tomada de decisão do empreendedor e do empresário.

Prospecções

Esses expositores são prospecções de todo país. Há empresas goianas entre eles, com suas soluções e produtos inovadores, que podem ser disponibilizado para os demais empreendedores e empresários visitantes da feira. Em sua maioria, são de outras regiões do país. As tendências significam áreas propícias para negócios oriundos, por exemplo, da internet e conectividade. Há as novas profissões, ligadas à prestação em serviço; outro exemplo, o desenvolvimento de aplicativos para internet; um terceiro negócio, desenvolvimento de jogos eletrônicos; ou digitadores de documentos.

Outra tendência é a de mercado pet. Para os negócios, existem as possibilidades de táxi pet ou hotel pet e, ainda, adestramento de cães. Outra tendência é a do envelhecimento populacional, cujas possibilidades são lojas retrôs, condomínios residenciais com foco nessa faixa etária, academias de ginástica para melhor idade, lojas de vestuário especializadas, entre outras.
Além das três tendências exemplificadas, há Consumo Consciente e Sustentabilidade, Saúde e Beleza, Economia de Tempo e Praticidade, Consumo em Nichos de Mercado, O Atual Mundo das Crianças e dos Adolescentes, O Poder da Mulher no Mercado, Casais sem Filhos, Mer­cado Single, Trabalho e Quali­ficação, Busca da Espiritualidade, Consumo das Classes Emergentes, (In)Se­gurança, Morar Bem, Fran­quias e Agronegócios.

Parcerias

Na Feira do Empreendedor ha­verá um stand exclusivo para as entidades que compõem o Sistema S, onde divulgarão seus produtos, suas soluções disponíveis no estado de Goiás. O Sistema S é composto pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) e Serviço Social da In­dústria (Sesi); pelo Serviço Na­cional de Aprendizagem Comercial (Senac) e Serviço Social do Co­mér­cio (Sesc); pelo Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de A­prendizagem do Transporte (Sest/Se­­nat) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem do Coopera­ti­vismo (Sescoop) e pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

Em outra linha, algumas entidades realizarão capacitações, em locais distintos. O Senai e o Senac, cada um, terá um espaço para oficinas. O Senar realizará palestras e, com o Sebrae, o encontro com filhos de produtores rurais, sobre a sucessão familiar, dentro das propriedades rurais. É um programa que trabalhará a gestão profissional da propriedade rural – com esses filhos. O Senac também realizará palestras. Ou seja, há esse espaço coletivo de divulgação e outro para capacitação, com palestras e encontros.
A Feira é composta de 140 espaços. A entrada principal para a feira é pela Rua 4, no Pavilhão Azul, do Centro de Con­venções, que fica no setor central da capital goiana. Lá o público encontrará algumas parcerias nacionais, como Mercado Livre, Facebook, Market Up, que auxiliarão a formatar páginas, na internet, para venda de seus produtos de suas empresas. É um auxilio gratuito.
No primeiro piso, os visitantes encontrarão o Centro Sebrae de Sustentabilidade. São soluções do Serviço disponível em todo Brasil, com o fim de levar expertises para as empresas, na redução de custos, com foco na sustentabilidade – todo processo com redução de desperdício, dentro da empresa.

Haverá uma área de atendimento, inclusive com a presença de alguns parceiros. Por exemplo, o Vapt Vupt Empresarial. Será segmentado: um espaço para os visitantes que querem abrir um negócio e para os que já têm um negócio aberto, cuja orientação técnica, assessoria, estará disponível para sanar as dúvidas desde a área de marketing, recursos humanos, área de comércio exterior e outras, em 20 pontos de atendimento, com especialistas.

Ainda no primeiro piso, haverá um espaço para os MEI. Infor­ma­ções, orientações, palestras específicas serão oferecidas. Além do Sebrae, o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Se­cretaria da Fazenda, Corpo de Bombeiro es­tarão presentes nesse espaço. Pois, se um MEI quiser se formalizar, dentro da Feira, ele poderá e, assim, já pode contar com as entidades, para sanar dúvidas e dar informações.

Outro espaço se cha­ma “Acesso a Crédito e Ser­­viços Financeiros”. Ins­titui­ções financeiras, co­mo Goiás Fomento, Ban­co do Povo, Banco do Brasil, Caixa Eco­nô­mica Federal e o San­tander, que tem linhas de crédito específico para esse público atendido pelo Sebrae, do MEI à Pequena Em­presa. Algumas lojas-conceito, como Loja do Vestuário e Loja da Beleza, estarão como vitrines, para que os empresários possam se espelhar e estruturar, modelando suas empresas.

O espaço Start Up é para o público específico de Tecnologia da Informação, já citada TI. Ações simultâneas sobre empreendedorismo digital, com maratonas de negócios, mentorias e palestras – mais de 20 especialistas no assunto, de renome nacional e, também, goianos que fazem sucesso Brasil afora. Educação Empreendedora é um stand com exposição de soluções, para o estímulo do comportamento empreendedor dos estudantes do ensino médio, técnico e universitário. Será demonstrado, especialmente, para os dirigentes das escolas. “Quais as soluções que o Sebrae tem e podem ser desenvolvidas junto aos professores dessas instituições?”, indagou o gestor da Feira do Empreendedor, Marcos Fernando Passos. Isso, para que chegue aos estudantes esse conceito, através das disciplinas.
Outro ambiente é Empre­endedorismo do Futuro, com o foco em crianças de 6 a 13 anos de idade. Serão desenvolvidas atividades lúdicas e interativas sobre o tema. “Não é uma brinquedoteca. É um espaço que trabalhará de maneira bem lúdica, com essa faixa etária”, explicou. Uma companhia teatral apresentará peças rápidas, até 15 minutos, sobre o assunto.

Ainda no primeiro piso, serão realizadas as cinco rodadas de negócio, com o intuito de promover reuniões de negócio, entre grandes compradores e ofertantes de micro e pequenas empresas. Há toda uma metodologia, contou Marcos: uma equipe do Sebrae está contatando empresários do Setor e grandes compradores. O conceito da rodada é promover reuniões de negócios entre grandes compradores e ofertantes, de micro e pequenas empresas. São empresas de Franquias, Confecções, Agronegócios e Turismo. Por exemplo, dos grandes compradores, os supermercados Pão de Açúcar, Extra e Carrefour, dentre outros. “Todo o segmento está sendo convidado para participação dessa rodada”. Quem deseja participar deve se inscrever, previamente, junto ao Sebrae.

Cerrado

No piso superior, as exposições compõem o espaço Cerrado. Haverá sete stands para os patrocinadores do evento, alguns já foram fechados, como Secretaria de Indústria e Comércio do Estado, Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Correios e o Senar. Há, também, a Economia Criativa, dividida em três grandes áreas: exposição dos Circuitos Turísticos de Goiás, Passarela da Moda – com desfiles de peças criadas, exclusivamente, para Feira; oriundos dos polos de confecção dos municípios de Taquaral, Pontalina, Jaraguá e Goiânia – e a Exposição de Artesanato, com os premiados no Top 100, do Sebrae.

Nesse ambiente ainda terá o stand do Sistema S, citado acima, e as capacitações realizadas por essas parcerias e de entidades de crédito, como o Banco do Brasil, Caixa e outros. São mais de 200 capacitações do Sebrae e parceiros. Além disso, haverá palestras magnas, como foco em empreendedorismo e inovação, no Auditório Lago Azul, com capacidade de 650 pessoas sentadas. Já estão confirmados alguns nomes.

No primeiro dia da feira, o palestrante Walter Longo, autor dos livros “Tudo que você queria saber sobre propaganda e ninguém teve paciência de explicar” e “O Marketing na Era do Nexo”, palestrará sobre “Empresa do Futuro – como ampliar suas chances de sucesso”. No segundo dia, o designer Marcelo Rosenbaum falará sobre “Inovação – um despertar para o empreendedorismo criativo”. No mesmo dia, o administrador Max Gehringer também palestrará. Seu tema é “O Mercado de Opor­tunidades para o Jovem do Campo”. Já Marcos Fava Neves palestrará sobre as “Perspectivas do Setor Agropecuário para os Próximos 10 anos”. No penúltimo dia da feira, o jornalista Caco Barcellos vai falar sobre “Profissão Empreendedora”.

“Os palestrantes são uma atração a mais para a feira. Toda a feira é uma atração, pois, são espaços diferentes, com temáticas diferentes e inovadoras para o mercado goiano. Em todos os espaços teremos atividades inovadoras que chamarão a atenção do público visitante”, afirmou o gestor. No total são cinco rodadas de negócios, mais de 200 capacitações, com uma expectativa que mais de 4 mil empreendedores tenham atendimento técnico e específico e que passe mais de 10 mil visitantes pela feira. Ainda, há 60 oportunidade de negócios, mais de 21 espaços destinados a parceiros, 16 salas de capacitação, 16 espaços para economia criativa e 6 patrocinadores distribuídos em mais de 10.000 m², de área ocupada.

“A feira é um espaço onde negócios podem ser criados ou reinventados. A Feira do Em­preendedor cumpre com a missão do Sebrae de disponibilizar soluções para promover o empreendedorismo, o desenvolvimento e a sustentabilidade dos pequenos negócios”, ressalva Manoel Xavier, para que a população visite e possa usufruir da possibilidade de tornar seus sonhos e desejos profissionais, das diversas áreas, realidade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.