Trindade quer a educação ambiental em seu DNA

De olho no futuro, município dá um salto entre o discurso da sustentabilidade e as ações efetivas de preservação

Alexandre César
Especial para o Jornal Opção

Alunos da rede municipal de ensino plantam árvore: lição de cidadania e cuidado com o futuro / Foto: Iris Roberto

Alunos da rede municipal de ensino plantam árvore: lição de cidadania e cuidado com o futuro / Foto: Iris Roberto

Em uma ocasião ouvi algo que me deixou pensativo e carrego isso comigo até hoje. A reflexão foi debaixo de um pé de jabuticaba, onde a pessoa que o plantou não estava mais entre nós, mas havia deixado aquela árvore vigorosa para as futuras gerações. Adoçado por aquela frutinha, refleti por alguns instantes o quanto é relevante este legado, apesar de parecer algo simples.

Com a expansão urbana cada vez mais intensa, onde há mais carro que gente, enforcamentos na infraestrutura das cidades e as rotinas agitadas como parte de nossas vidas, não se encontram momentos para pensar em questões como: a água que ingerimos é de boa qualidade? Por quanto tempo teremos uma reserva adequada dela? E o lixo, quando será totalmente reciclado? E por aí vai.

Nossa cultura imediatista nos impede, por diversas vezes, de refletir sobre o amanhã. Mas como resolver isso? Sem rodeios: educação. Como se trata de mudança de hábitos, de conscientização, de tornar coisas simples, como separar o lixo, parte da rotina, são as crianças nossa fonte de inspiração e esperança.

Secretário Alexandre César: “Todos ganham”

Secretário Alexandre César: “Todos ganham”

Como não temos tempo a perder, a Secretaria de Meio Ambiente (Semma) de Trindade em um esforço conjunto com a Secretaria Municipal de Educação (SME) iniciou um trabalho contínuo e interativo de educação ambiental. Amparados pelo Plano de Ação e Proteção Ambiental de Trindade (Papa), educadores visitam as unidades propondo, aplicando e monitorando uma série de ações.

Entre os projetos propostos e que têm gerado resultados fenomenais, está o Papa Óleo. Em parceria com a iniciativa privada, e contando com o engajamento da comunidade escolar, já foram recolhidos cerca de 15 mil litros de óleos usados na cidade. Como foi pensado de forma sustentável, o projeto possibilita que o material, que seria descartado de maneira inadequada na natureza, seja transformado em produtos de limpeza e beneficie aqueles que colaboram com o Papa Óleo.

A garotada também tem feito bonito no projeto Papa Lixo, onde é coletado papelão, garrafas PET e metal. Em parceria com uma cooperativa, todo o material recolhido se transforma em benefícios para a comunidade. Ganham os cooperados e suas famílias, com acréscimos na renda mensal; ganha a comunidade escolar, que em breve receberá novos parquinhos de madeira ecológica; enfim, ganha o meio ambiente e todos nós.

Pensado a curto, médio e longo prazo, o Papa tem nas crianças a energia e oxigenação necessária a todo o programa, pensado para ser gerido de maneira sustentável. Sem se posicionar como pronto e acabado, o plano, ao contrário, está em constante adequação e ampliação, de maneira que faça parte do DNA da cidade, que seja a “bíblia” para as novas gerações, a referência de cuidado e amor às causas ambientais.

Cultura

As mudanças podem não ocorrer na velocidade em que gostaríamos, mas quando se trata de preservação da fauna, da flora, dos recursos hídricos, há de se entender que é preciso criar um ecossistema propício ao desenvolvimento e maturação de todas estas ações propostas pelo Papa. Felizmente um pequeno, porém valoroso, exército de companheiros da Semma e da SME dá fluidez a este processo de transformação social.

Em meio a tantas demandas, algumas coisas nos acalmam o coração. Uma delas é a superação da meta de plantar 40 mil mudas até o final de 2016, já que ainda este ano a marca será ultrapassada. Neste ritmo, em oito anos teremos em média uma nova árvore por habitante, algo sem igual para a qualidade de vida da cidade. Dessa maneira, daqui a muito anos, nossos filhos e netos poderão se refrescar à sombra das árvores — inclusive de jabuticabeiras.

Alexandre César é secretário municipal de Meio Ambiente de Trindade.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.