Setor da beleza cresce em Goiás

Feira do Empreendedor traz parceiros e empresas com foco no segmento

Gestora Ana Paula: “É específico do Sebrae sua eficiência empresarial e o bom atendimento ao cliente” O analista Israel Witicovskin ressalta a prioridade do Sebrae na capacitação dos profissionais da beleza Manoel Xavier: setor da indústria  da beleza e artigos para higiene cresce exponencialmente

Gestora Ana Paula: “É específico do Sebrae sua eficiência empresarial e o bom atendimento ao cliente”
O analista Israel Witicovskin ressalta a prioridade do Sebrae na capacitação dos profissionais da beleza
Manoel Xavier: setor da indústria da beleza e artigos para higiene cresce exponencialmente

Yago Rodrigues Alvim 

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pe­que­nas Empresas (Se­brae) apresenta dados de crescimento do setor da beleza. Nacionalmente, mais de 7.000 salões são abertos por mês. E 5,7 milhões de pessoas estão formalmente empregadas no segmento. Além disso, 26% dos Microempreende-dores Indivi­duais (MEI) são da área. De acordo com a consultoria Euro­mo­nitor, o país ocupa a terceria posição no mercado de higiene e beleza no mundo, atrás apenas dos Estados U­nidos (EUA) e do Japão.

Alguns Estados extrapolam: em São Paulo, por exemplo, são abertos mais salões de beleza que bares e restaurantes. O número de MEIs vem crescendo significativamente. Isso impulsiona a atuação do Sebrae, pois era um setor com um número de informalidade muito grande e a maioria se encaixa nessa faixa de faturamento (microempreendedores são os que faturam até R$ 60 mil por ano). “É um número expressivo, ainda que haja muito a trabalhar. Em Goiânia, há um número bem alto de formalizações”, afirma a gestora de projetos do Sebrae, Ana Paula da Conceição.

Na Feira, a formalização será uma ação paralela e não oferecida no espaço de beleza. Há uma área de orientação empresarial e um espaço voltado para os MEIs. Ana Paula explica: “Se recebermos um potencial empresário ou alguém que queira montar um salão de beleza, nós o indicaremos à parte de orientação empresarial, onde ele conversará sobre o negócio”. São espaços específicos com informações sobre formalização e apoio para concretizar essas vontades.

Segundo o diretor superintendente da seccional goiana do Sebrae, Manoel Xavier Ferreira Filho, pesquisas mostram que o setor da indústria da beleza e artigos para higiene cresce, exponencialmente, e ocupa lugar de destaque nas economias nacional e mundial. Uma pesquisa realizada em 2013 pela Mintel – Hábitos de Gastos do Consumidor, apresenta que 42% dos consumidores das classes média e AB compraram mais produtos de higiene pessoal, beleza e cosméticos do que no ano anterior. A classe AB comprou 46%, enquanto a classe C atingiu 45%, demonstrando que a nova classe média também está optando por produtos da categoria com maior valor agregado, o que deverá continuar a impulsionar o crescimento da área neste segundo semestre de 2014.

Desde 2008, este mercado vem crescendo em ritmo acelerado, chegando a 16% em 2012. Já em julho de 2013, atingiu um faturamento de R$ 38 bilhões, mostrando que 43% dos brasileiros gastaram mais com produtos de beleza e higiene pessoal do que no ano anterior. A Abihpec (Associação Brasileira da Indústria de Higiene, Perfumes e Cosméticos) completa ainda que o setor da beleza apresenta crescimento positivo desde 2008. O relatório da Mintel também prevê o crescimento do mercado de higiene pessoal, beleza e cosméticos em 46%, entre 2013 e 2018, quando atingirá R$ 83 bilhões. Segundo o IBGE, a população feminina brasileira deverá crescer 4,2% entre 2013/2018, projetando assim campo vasto de expansão para este segmento.

A cadeia produtiva dos negócios que formam este setor tem, como um dos seus elos, as microempresas e empresas de pequeno porte, além dos talentos dos em­preendedores individuais que montam seus salões de beleza ou que atendem os clientes em suas residências, coloca Manoel como a razão do Sebrae-Go apoiar o setor e oferecer um espaço especial­mente montado na Feira.

A décima e­di­ção da Feira do Empreendedor 2014 traz um espaço diferente: o da beleza. Fomentar o empreendedorismo e contribuir, diretamente, com o processo contínuo de crescimento econômico do Estado são objetivos da Feira. Assim como, so­luções e inovações são propostas apresentadas no Setor da Beleza.

“Nós apresentaremos o setor com uma ideia de loja-conceito. O que é isso? Não que seja um salão ideal, mas é um espaço que oferecerá stands-conceito, não só na área de design de mobiliário e produtos, por exemplo, e sim no que é específico do Sebrae, relacionado a gestão: a parte de atendimento ao cliente, de gestão do negócio, reduções de desperdícios, como eficiência energética, e apresentaremos softwares específicos para salões de beleza”, explicou a gestora de projetos Ana Paula da Conceição.

Algumas empresas associadas ao Sebrae e que ofertaram soluções de consultoria na área de inovação e tecnologia participarão do salão-conceito. O Agenda Comigo, criado pela Meta Tecnologia, é um site de agendamento, via internet, especificamente utilizado para salões de beleza. O software AZ é um dos mais com­pletos na área de gestão para salão. O espaço oferecerá orientações sobre normas de higiene e vigilância sanitária, assim como a área de ergonomia para melhorar o trabalho dos profissionais da beleza.

Além da gama de soluções e orientações técnicas, que serão ofertadas no espaço, Ana Paula conta que alguns parceiros marcarão presença. “O Shopping dos Cosméticos, que é uma grande rede na venda de produtos para salões de beleza, fornecerá todo mobiliário para nosso espaço. Ainda participará o Instituto Make Up, uma escola técnica de maquiagem.” O objetivo, sublinha a gestora, é passar orientações tanto para as pessoas que já têm negócios no ramo de beleza e, que assim, para que melhorem seus processos, quanto para que os que desejam abrir um negócio tenham noções de um funcionamento adequado.

“É um espaço que leva essas informações a quem já está no ramo ou que deseja estar. Nosso objetivo é passar informação. Essa informação é válida para o profissional de beleza e para o potencial empresário” afirma Ana Paula. Tanto é o objetivo, que caravanas de todas as regiões do Estado vêm a Goiânia para participar da Feira do Empreendedor e, assim, espalhar as informações aprendidas.

Ana Paula também é gestora do projeto Estética Noroeste, que está coordenando o espaço. É um projeto da região Norte, em Goianésia. A Feira é a nível estadual, por isso, são caravanas de Porangatu, Uruaçu, Rio Verde, Pirenópolis, Cristalina, Luziânia, Catalão e de outros municípios. “Procuramos ofertar formas para que os empresários de todo o Estado venham para terem essas orientações técnicas, que consideramos privilegiadas” explica.

O Setor da Beleza propõe uma visita guiada, com 15 pessoas por vez, e sete orientações técnicas de assuntos diferentes serão dadas em, aproximadamente, uma hora. Portanto, o empreendedor que procura aprofundar em um dos assuntos que será tratado, poderá ter mais informações com técnicos e até em stands. “A Meta Tecnologia estará com um stand dentro da feira, assim, se alguém se interessar pelo software pode voltar depois ao stand para conhecer melhor. O empresário tem, ainda, a oportunidade de fazer negócio com esse parceiro”, exemplifica. Vale ressaltar que o objetivo da Feira não é comercialização, e sim a prospecção de negócio e proporcionar informações.

Serão três palestras. Uma na sexta-feira, dia 1°, outra no sábado e no domingo, último dia da Feira. Na sexta, a palestra será às 13 horas, proferida por Katia Jaime, coordenadora técnica do Shop­ping dos Cosmé­ticos, sobre tricologia –– a ciência que estuda e trata as patologias que acometem os fios, pelos e cabelos. No sábado, às 10 horas, com a palestra “Colorimetria X Cosmetologia”, Katia explicará sobre essas duas ciências (das cores e dos produtos cosméticos). No domingo, também às 10 horas, será sobre visagismo, a arte de criar uma imagem pessoal que revela as qualidades interiores de uma pessoa, de acordo com suas características físicas e os princípios da linguagem visual (harmonia e estética), utilizando a maquilagem, o corte, a coloração e o penteado do cabelo, entre outros recursos estéticos.

As inscrições, para as palestras, serão feitas por ordem de chegada. E, ainda, todos os dias, às 13h30, Milton Aquino ministrará palestra na área de salão, com temas diversos: formalização, parcerias, especificidades digitais, marketing. E ainda tem a palestra “Gestão de estoques para salões de beleza”, com a especialista Newva Seabra, às 11 horas.

Benefícios

“Por que uma loja-conceito, dentro da Feira? Porque o setor de serviço vem crescendo muito. Inclusive, o responsável por isso é o setor da beleza, principalmente, os salões”, afirma Ana Paula, que explica o boom de consumo pelas classes B e C. Beleza está muito ligada ao bem-estar, assim, muitos salões de beleza são abertos. “Goiânia é um centro de referência, nós estamos em quinto lugar no ranking de números de salões [dado da Associação dos Profissionais da Beleza do Estado de Goiás (Aprobeleza), que contabiliza cerca de 60 mil profissionais no Estado]. Percebemos um grande número de centros técnicos, além de universidades já com cursos na área de estética e pós-graduação”, diz.

São vários tipos de clientes. Dos que procuram espaços para relaxar, aos que querem apenas produtos, mas todos consomem beleza. “Pelo chamariz tanto do faturamento, tanto pela facilidade em entrar nesse mercado, o Sebrae busca oferecer informações para profissionalizar o setor” ressalta. A preocupação é por esses empresários estarem muito ligados à estética: “Ele é muito artista.” Consequentemente, na área da gestão existe esse gargalho muito grande e é justamente onde o Sebrae atua.

“A ideia desse espaço do salão- conceito é chamar a atenção das empresas, dos empresários goianos, para importância do negócio em que estão inseridos e para que vejam a necessidade de profissionalização da gestão de seus negócios”, afirma Ana Paula. E há nisso o apoio do Sebrae Nacional, que reconhece a importância do setor da beleza na economia. Assim, a expectativa se potencializa. Com e além das caravanas, a meta é ofertar cerca de 3 mil orientações técnicas nos quatro dias no espaço da beleza.

Outras ações

Analista da regional metropolitana goiana do Sebrae, Israel Witi­covs­kin comenta sobre o trabalho realizado pelo Serviço com o segmento. “No ano passado, trabalhamos com algumas ações na capacitação desses profissionais. E, parece que esse segmento captou o objetivo do Sebrae, que é levar a eles uma gestão mais consistente.” Pelo crescente número de formalizações desses empresários, Israel destaca a necessidade dessa capacitação para que deem continuidade ao trabalho.

A cada dez empresas que são abertas no setor da beleza, cinco não completam um ano de vida, por falta de planejamento, lembra o analista. Por isso, a ajuda na área de planejamento, na área de gestão do próprio negócio. “Temos uma parceria muito bacana com a Aprobeleza e com o Sindicato da Beleza. Portanto, fizemos no ano passado, uma agenda do primeiro e segundo semestres com as ações, para levar a esses profissionais o que há de melhor na área, não só técnica, mas na área de gestão”, conta.

A oficina “SEI” tem como foco o público do microempreendedor. Desde oficinas em como comprar melhor, como controlar o dinheiro, até noções sobre vendas e empreendedorismo. Há outras propostas, como mostra Israel: “Levamos esse público a uma missão, da Hair Brasil, no primeiro semestre, e estamos levando para Beauty Fair, em São Paulo, no segundo semestre”. Segundo o analista, as ações têm provocado boas reações, o crescimento do setor tem sido bem estruturado.

Há dificuldades. Por exemplo, a falta de mão de obra. “Abre um salão de beleza e não tem um cabelereiro ou manicure para contratar”, diz. A carência é muito grande, na formação técnica. “O Sebrae não tem como atuar nessa área, mas em parceria com a Associação nós podemos levar oficinas e palestras, gratuitamente e, assim, despertar que há essa necessidade de formação contínua na área técnica”, explica Israel. Ele diz que afinal, emprego há. “O Sebrae os leva para sala de aula para aprenderem sobre gestão e saberem como controlar o negócio. Como lidar com as pessoas que estão trabalhando, saber os modelos de parcerias e também saber como oferecer conforto mínimo ao cliente no salão.”

Por isso, a Feira do Em­preendedor traz, nesta edição, um salão-modelo. Não é apenas um salão com as dimensões necessárias, cadeiras ergonômicas e iluminação, é mais, destaca Israel: “Estamos levando oficinas tecnológicas, por exemplo, em gestão de estoque. Pois, há desperdício na manipulação de shampoos, condicionadores. É um salão-modelo, com palestras para área financeira e administrativa. Estamos apresentando também melhorias para o atendimento, que são os dois softwares. Então, são expertises.”

Para o setor da beleza, O Sebrae desenvolve projetos nas áreas de capacitação, inovação e mercado, principalmente. “Durante a Feira, o público poderá conhecer de perto uma empresa modelo e ser atendido pela equipe de profissionais que vão prestar atendimento durante todo o evento. Os interessados podem participar desta e outras mais de 400 atividades que Sebrae e parceiros vão oferecer durante os quatro dias da Feira”, convida o diretor Manoel Xavier.

Parceiros e empresários apresentam soluções no salão-conceito da Feira do Empreendedor

Emerson, Gleziane, Leandro, Windson: empresários apresentam inovações e se mostram como exemplos de um segmento mais bem estruturado e promissor

Emerson, Gleziane, Leandro, Windson: empresários apresentam inovações e se mostram como exemplos de um segmento mais bem estruturado e promissor

Gleziene Alves é cabelereira e realizará penteados no espaço durante o evento. “Será uma boa oportunidade para aprendizagem”, espera a cabelereira. Há 20 anos ela trabalha na área e diz que houve uma melhora quanto à estrutura para o trabalho do profissional da beleza. “O profissionalismo aumentou, assim como a clientela. Sem contar, a valorização do trabalho, que é essencial”, afirma.

O Instituto Make Up também é parceiro e estará presente no setor da beleza. O instituto é uma escola de referência em maquiagem em Goiâ­nia. Já a Belase é uma parceira que vem de longe, de Campo Mou­rão, no Paraná. Emerson Barrozo explicou sobre o desfumador de ar +Car­bon, tecnologia presente no salão- conceito. A empresa foi fundada em 2011 e contou com uma equipe técnica em desenvolvimento de produtos eletroeletrônicos. Assim surgiu, no ano passado, o desfumador que reduz os risco de crises alérgicas ou intoxicações por vapores químicos, pois evita a superexposição a níveis perigosos de fumos e partículas suspensas no ar em salões de beleza.

Robson Marcelo Silva é sócio-proprietário do Shopping dos Cos­méticos. Ele conta que a presença no evento é fruto de uma parceria com o Sebrae, que visa orientar as pessoas para o início de uma atividade no segmento da beleza. “Para nós, é muito gratificante perceber o reconhecimento da marca pelas pessoas, pelo que temos desenvolvido para essa área”, destaca. O Shopping fornecerá os móveis, equipamentos e produtos para o salão-modelo. Além disso, um stand para atender as pessoas que têm interesse em montar um negócio.

O salão-conceito funcionará da se­guinte maneira: “Monta­re­mos um salão-conceito no evento e os visitantes poderão tirar as dúvidas sobre como trabalhar, como formar parcerias, além das palestras de orientação financeira, administrativa, ou seja, todas as informações para que a pessoa dê o pontapé inicial no seu negócio”. A importância, ressalta, é de­sen­vol­ver o segmento no mercado goiano.

Atualmente, 80% das empresas que abrem, fecham nos primeiros dois anos, por dois motivos básicos: falta de dinheiro ou falta de planejamento, explica. Quando convidados, diz Robson que perceberam a seriedade com que o Sebrae trata a questão. “São inúmeras linhas de crédito para abrir um negócio e falta a pessoa saber como as adquirir e o que fazer com esse dinheiro. Portanto, a iniciativa do Sebrae em levar um salão-modelo e mostrar como gerir seu negócio contribuirá muito para que elas tenham sucesso e minimizem os eventuais problemas e dissabores”, pontua, para concluir que a expectativa é das melhores. “Nós percebemos, pelas participações que temos em eventos, que o nível de organização da Feira possibilita grandes chances de ser um sucesso e ser um dos principais eventos do Estado”.

Softwares

A Meta Tecnologia existe há 11 anos. De um tempo para cá, prioriza o desenvolvimento pela inovação nas empresas. “Nós criamos um produto que pudesse receber investimento, de um investidor anjo, por exemplo, e se tornar uma empresa”, afirma o diretor Lean­dro Martins. E assim foi pensado o Agenda Comigo: dentro desse conceito, que é um conceito de uma startup. “É um produto que tem uma capacidade grande de crescimento. Posso trabalhar com ele no mundo inteiro, sem ter que mudar a minha estrutura de lugar. Tenho capacidade de crescer meu faturamento, minha base de clientes sem, necessariamente, que meu custo cresça na mesma proporção. Também é um negócio de extrema incerteza, pois trabalhamos com inovação”, explica.

Inovação é uma aposta. “Pode ser que o mercado não aceite aquela inovação ou que o mercado não esteja preparado naquele momento, para tal inovação”, acrescenta Leandro à ideia de startup. Às vezes, se investe em uma inovação, no negócio, que não dá lucro e, de repente, o mercado passa a aceitar aquela inovação. O Agenda Comigo tem esse conceito. É um serviço de suporte, mas pode vir a se tornar uma empresa.

O software completa dois anos em setembro. “Nós entramos em um mercado que não está preparado para a mudança que propomos. Por isso, temos trabalhado com o mercado, mostrando a importância em se atentar com essa inovação, pois, ele amanhã será repleto de tecnologia. Hoje, se usufrui muito pouco no setor da beleza”, diz. O Agenda Comigo é um site de agendamento online. O salão se cadastra, cadastra os serviços que executa, como corte masculino, corte feminino, progressiva, por exemplo, cadastra os profissionais que trabalham no salão, seus horários e outras especificidades. Do outro lado, os clientes do salão podem agendar o atendimento sem ligar para o salão.

“Com isso, pretendemos uma inovação no relacionamento do salão com clientes. Haverá menos ligações, consequentemente haverá uma economia. Os recepcionistas podem realizar outros serviços, ou­tras atividades. Isso muda a re­ceita. O cliente passa a ser bem re­cebido. Tudo isso faz parte da inovação. Está na relação com o cliente”, comenta Leandro. A aceitação da proposta ainda não é alta. Mas ele destaca que nos últimos meses os salões estão se abrindo mais para esse tipo de tecnologia.

“Acreditamos que daqui para frente teremos uma aceitação maior e, assim, um crescimento significativo no número de clientes”, diz sobre essa participação na Feira do Empreendedor, como um catalisador. O Sebrae, com o salão-conceito, propõe um exemplar com práticas, tecnologias de gestão, espaço: “Estaremos dentro apresentando nossa proposta, como os outros parceiros”.

A Meta ainda terá um stand junto aos outros stands da Feira. O objetivo é informar melhor e divulgar a empresa. “Como trabalhamos no mercado digital, não temos muito contato com os clientes. É sempre por e-mail, contatos digitais, e participar na Feira é ter a oportunidade de ter contato com o cliente. É ter a oportunidade de entender as dificuldades que muitas vezes não conseguimos entender pelo meio digital”, conclui.

Há 16 anos, o software AZ está no mercado. É um dos percussores no setor da beleza e está em mais de 70% dos salões. Desde a entrada do cliente no salão ou clínica de estética, até sua saída, o software faz todas as operações, das básicas até as mais complexas. Como cadastros de clientes, fornecedores, produtos e na parte gerencial, com o setor financeiro, a entrada de dinheiro, quanto se gasta, análise do consumo de cada cliente, o custo médio, por exemplo.

Windson Morais de Souza representa a empresa em Goiás. A AZ Soluções nasceu em Curitiba, no Paraná. O representante comenta sobre a estadia em São Paulo, pois, em um ano e meio uma nova versão do software será disponibilizada: “Toda equipe está estudando as demandas do mercado para uma versão totalmente remodelada. É uma ferramenta essencial. A dificuldade do cálculo em grandes salões para contabilizar os gastos, os custos e as divisões entre os profissionais que realizam um mesmo serviço, por exemplo, entre outros aspectos são facilitados com o software”.

A quantidade de produtos, de serviços e a forma de remunerar, com suas variáveis, são exemplos destacados por Windson dessa complexidade que envolve um salão. “A expectativa é contribuir com nosso trabalho. Com a nossa concepção de um proprietário não apenas como dono e sim como um gestor”, pontua. A empresa valoriza a ideia do profissional não apenas como técnico, e sim como um empreendedor da beleza.

O diretor executivo da AZ, Roberto Moreira Dias, ressalta a novidade na disponibilização dos softwares em dispositivos mobile. “É você poder administrar com mobilidade. É possível controlar de qualquer lugar. Saber a agenda dos profissionais, o faturamento diário, quanto clientes estamos atendendo”, destaca. A solução já está no mercado. O trabalho recente é em sua divulgação, afinal, como diz Roberto é o chmariz da empresa e basta apenas estar conectado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.