Rede sociais, a campanha de guerrilhas

Se antes as campanhas eram duramente disputadas nas ruas, agora há uma guerra via internet, mas o boca a boca ainda é importante

Afonso Lopes

artigo_jose maria e silva.qxd

O brasileiro é um dos povos mais conectados via internet do mundo. Especial­men­te quando o assunto é rede social. Aí, o país bate recordes atrás de recordes. E é claro que o mundo político, e mais ainda as campanhas eleitorais, não perde a oportunidade de usar esse gigantesco veículo de comunicação, principalmente nas redes mais conhecidas, como Facebook e Twitter, duas manias nacionais ao lado do Instagram e whatsapp.

É uma campanha sem muitas regras, em que muitas vezes vale tudo, desde a manipulação de fotos e textos, até desabafos de populares que jamais existiram. Sem falar os fakes (personagens falsos criados a partir de alguma pessoa real) ou perfis reais e robôs cibernéticos que servem para dinamizar alguma mensagem. Acreditar nisso tudo é simplesmente uma bobagem sem tamanho, uma idiotice simplesmente, mas também existem coisas boas. Basta saber peneirar as pedras sem valor e colher o que realmente é precioso.

Mensagens

Os políticos vêm usando cada vez mais a internet. Boa parte deles mantém perfis nas principais redes sociais e interagem com os demais usuários. Além disso, há também sites oficiais em que as mensagens e avisos são postados. Um mundo imenso de informações está hoje na internet.

Se isso é bom, há o lado profundamente negativo. Graças ao anonimato oferecido pela rede mundial aliado a total falta de ética de alguns setores políticos, a situação degringolou geral. Este ano, mais do que em qualquer outra eleição, latrinas de rodoviária abandonada vão cheirar bem em comparação com o que se pode esperar das redes sociais. Intrigas, mentiras, acusações infundadas e tantas outras artimanhas desprezíveis serão postadas 24 horas por dia. Sabe-se lá até que ponto esse conjunto tão negativo influenciará algum eleitor. Barulho é certo que produzirá, mas nem sempre trovões são os sons que antecedem as tempestades.

É aí que entra a velha campanha do boca a boca, levada pela mi­litância e entusiastas. Nor­mal­mente, nas redes sociais, personagens públicas, como jornalistas e artistas, conseguem boa repercussão. As pessoas comuns, alheias ao meio, mesmo quando bem intencionadas, no máximo atingem um círculo bastante restrito de amigos reais ou virtuais. Nas ruas, no tête-à-tête, é diferente. Não há anonimato e, mais do que isso, revela-se inteiramente as paixões e preferências dentro do mesmo núcleo.

Obama

As campanhas eleitorais via internet ganharam notoriedade a partir da primeira eleição do presidente Barack Obama, nos Estados Unidos, em 2008. Mas, ao contrário do senso dominante, as campanhas americanas não têm quase nenhuma relação com o formato brasileiro. Por lá, não existem, por exemplo, os programas eleitorais em rede de rádio e TV. No máximo, os candidatos podem comprar anúncios caríssimos, e se anunciarem em meio a sabonetes, carros, casas e pacotes de salgadinhos. Aqui, não apenas tem TV pra todo mundo como também a internet.

Outro ponto que carrega um certo equívoco na pioneira campanha de Obama via internet é sobre o conteúdo. No início, quando explodiu e virou febre entre seus eleitores, o objetivo era apenas o de arrecadar dólares para pagar as despesas de campanha. Por aqui, ninguém arrecada um único centavo via internet. Ao contrário, as grandes campanhas gastam uma grana preta com a manutenção de um exército de “militantes virtuais”.

De qualquer forma, e para quem não conta com uma boa estrutura de campanha, a internet vai ser muito válida. Can­didaturas pequenas podem conquistar algumas posições através das redes sociais. Para os “grandalhões”, vai começar uma guerra sem ética e praticamente sem limites, em que xingar a mãe do adversário soará quase como um elogio. Caberá ao eleitor separar o que é informação do que é lixo de campanha. E lugar de lixo é na lixeira mais próxima.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.