Pedagogia inspirada no feminismo transforma o ser humano em zumbi

Alicerçado numa experiência fracassada de mudança de sexo que levou um jovem ao suicídio, o conceito de gênero não passa de uma plástica existencial, que transforma mulheres e homens em escravos do próprio corpo

Laerte: capricho do cartunista, que faz questão de usar o banheiro das mulheres, pode se tornar norma pedagógica

Laerte: capricho do cartunista, que faz questão de usar o banheiro das mulheres, pode se tornar norma pedagógica

José Maria e Silva

Em 2009, a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica encomendou ao Datafolha uma pesquisa com cirurgiões plásticos de todo o Brasil para traçar um diagnóstico desse tipo de procedimento médico. Na época, estimou-se que eram realizadas anualmente 629 mil cirurgias plásticas no Brasil, das quais 73% eram cirurgias estéticas e 27%, cirurgias reparadoras.

Entre as cirurgias estéticas realizadas a campeã foi o aumento de mama (21%) seguido de lipoaspiração (20%), abdômen (15%) e redução de mama (12%). A calvície – em que pese assolar cerca de metade das cabeças masculinas a partir dos 50 anos – só motivou 1% de cirurgias. É que 88% das cirurgias estéticas são feitas em mulheres; todavia, 82% dos cirurgiões plásticos são homens contra apenas 18% de cirurgiãs. Esses dados mostram que a ciência atualizou o mito de Adão e Eva: já não é Deus quem cria a mulher a par­tir da costela do homem – é ela pró­pria quem se recria à imagem e semelhança de seus múltiplos espelhos, reduzindo-se a mera massa de modelar nas mãos dos machos da espécie.

Hoje, quando o número de cirurgias plásticas cresce de modo acelerado e já chega à casa de 1 milhão por ano, colocando o Brasil atrás apenas dos Estados Unidos, um fenômeno ainda mais assustador vem ocorrendo – o crescimento vertiginoso das cirurgias estéticas entre adolescentes de 14 a 18 anos. Entre 2008 e 2012, enquanto o número de cirurgias estéticas entre adultos cresceu 38% (o que já é ex­pre­ssivo), entre adolescentes o au­mento foi alarmante – 141% no mes­mo período. Os adolescentes de 14 a 18 anos já representam 10% do total de cirurgias estéticas realizadas no País. Além de estragarem os ca­be­los precocemente, transformando-os em “parangolés” de Hélio Oi­ti­cica, as meninas, mal nascem os seios, e já começam a torneá-los com silicone segundo a última mo­da ditada pelas heroínas artificiais do cinema, da televisão ou da música pop. Isso para não falar no excesso de tatuagens e outros adornos tribais, que também são uma forma radical de intervenção no corpo.

Tudo isso tende a piorar se for aprovado o novo Plano Nacional de Educação (PNE) tal como deseja a Câmara dos Deputados. Contra­riando a própria Constituição, que só reconhece a existência dos sexos biologicamente dados, o PNE 2011-2020 pretende incorporar o conceito de gênero, oriundo das teorias feministas, que nega a realidade carnal do sexo biológico e sobre ela impõe uma sexualidade retórica, feita de palavra, desejo e desajuste. Co­mo afirmei no artigo da semana pas­sada, “não se trata mais de combater a possível discriminação de um aluno homossexual, mas de promover a ‘igualdade de gênero’, o que significa igualar ao sexo biológico as mais variadas fantasias de desajustados sexuais, perseguindo o que os ideólogos chamam pejorativamente de ‘heteronormatividade’, isto é, o sexo homem-com-mulher, papai-e-mamãe, que deve ser discriminado na escola em nome das relações homem-com-homem, mulher-com-mulher, trans-com-todos etc.”

É a ditadura gay – que já tomou conta da saúde pública – chegando também às escolas. Sim, o conceito de gênero, que nega radicalmente a biologia do sexo e não vê diferença substancial entre os aparelhos re­pro­dutores do homem e da mulher, de­corre da submissão do feminismo à cultura gay. Com o novo Pla­no Nacional de Educação, a máxima de Simone de Beauvoir – “ninguém nasce mulher, torna-se mu­lher” – será ampliada e ensinada o­ficialmente nas escolas como verdade científica: ninguém nasce ho­mem nem mulher, e cada criança, à revelia de seu próprio sexo, deverá ter o direito de escolher o gênero que quiser, assumindo-se gay, lésbica, travesti, transgênero ou tudo isso junto. É a plástica existencial, a subversão do próprio conceito de ser humano, que deixa de ser uma realidade ontológica para se tornar uma metamorfose ambulante, sujeita aos baixos instintos do desejo.

Inversão das normas morais

Mas, verdade seja dita, em termos de conteúdo, o Plano Nacio­nal de Educação nem chega a ser novidade. O perigo que ele representa é porque, sendo lei, suas aberrações se tornam obrigatórias. Não apenas no campo sexual, mas também na crítica recorrente a toda a sociedade vigente, desde suas estruturas econômicas e sociais até suas estruturas mentais. Já na questão do gênero, o plano apenas aprofunda e legaliza o que já vem sendo praticado nas escolas, como a distribuição de camisinhas para meninas de 10 anos, num óbvio incentivo ao sexo precoce. Desde o surgimento da aids, doença que se revelou uma verdadeira bênção para o movimento gay, a teoria de gênero se tornou hegemônica nas universidades e, por meio dela, se impôs na vida social. Um exemplo é o propalado conceito de homofobia, uma falaciosa invenção acadêmica, que finge combater a discriminação da minoria homossexual (o que seria justo), mas, na verdade, persegue e criminaliza a maioria heterossexual (o que é insano).

Quem não se lembra da “polêmica do banheiro” protagonizada pelo cartunista Laerte? Laerte, que já foi casado, tem dois filhos, namora uma mulher desde 2004 e se define, ao mesmo tempo, como travesti e bissexual, assume, “por vezes”, como ele explica, uma aparência feminina. Como se vê, sexo para ele é não é biologia, mas capricho. E é em nome desse capricho que ele, um senhor de 61 anos vestido de mulher, se sente no direito de usar o banheiro feminino. E o faz impunemente. Segundo ele próprio, as pessoas se espantam, mas se calam. A única vez que alguém reclamou foi em janeiro de 2012, quando ele entrou no banheiro feminino de uma pizzaria em São Paulo e se deparou com uma mãe e sua filha de 10 anos. Em nome da educação e proteção de sua filha, a mãe reclamou para o dono da pizzaria que, gentilmente, pediu para Laerte não usar mais o banheiro feminino. Foi o suficiente para que o cartunista se transformasse em vítima de discriminação em toda a imprensa, ganhando fartos e nobres espaços para sua causa.

Em outros tempos, quando as coisas ainda não estavam de ponta-cabeça, Laerte seria levado a uma delegacia de polícia para responder pelo seu ato e, provavelmente, seria demitido da “Folha de S. Paulo”, por denegrir o nome da empresa onde trabalha com sua atitude desrespeitosa. Hoje, é a mãe de família quem tem de explicar por que não queria um homem dentro do banheiro em que se encontrava sua filha de 10 anos. Tudo porque o sexo biológico já não conta e se um homem enxerga a si mesmo como mulher, todos são obrigados a vê-lo dessa forma mesmo quando ele invade a privacidade do banheiro feminino portando seu intacto órgão de macho. Hoje, diversas Secretarias de Educação do País, por orientação do próprio MEC, já franqueiam os banheiros femininos aos homens travestis, fingindo não ver que essa prática é profundamente machista e desrespeita os direitos das meninas, pois, na prática, o oposto nunca ocorre e não se vê lésbica reivindicando o direito de usar o banheiro masculino.

Renegando a biologia do sexo
Judith Butler: para a filósofa norte-americana, o corpo não é feito de carne e osso, mas de discurso, que molda os sexos | Foto: Wikimedia Comms

Judith Butler: para a filósofa norte-americana, o corpo não é feito de carne e osso, mas de discurso, que molda os sexos | Foto: Wikimedia Comms

Como se tornou possível essa inversão radical das normas morais? Por meio do insidioso trabalho ideológico das universidades, que se intensificou após a Segunda Guerra Mundial, sobretudo a partir da década de 60, quando o desconstrucionismo, representado por pensadores como Michel Foucault (1924-1984) e Jacques Derrida (1930-2004), invadiu os Estados Unidos e praticamente recolonizou o pensamento de países como o Brasil, que respira, ou melhor, se asfixia nessa densa atmosfera intelectual; densa não pela profundidade do seu conteúdo, mas pela irracionalidade inexpugnável de sua prosa, que nega os fatos na história, a essência na filosofia e a clareza na linguagem para se locupletar nas interpretações, nos particularismos e na obscuridade. Não é à toa que o marco na disseminação do desconstrucionismo no mundo foi a palestra de Derrida na Johns Hopkins University, nos Estados Unidos, em 21 de outubro de 1966, quando ele leu o ensaio “A estrutura, o signo e o jogo no discurso das ciências humanas”, que se tornou o último capítulo de seu livro “A Escritura e a Diferença”. Foi também na Universidade Johns Hopkins que o moderno conceito de “gênero” se fez carne e habitou a biologia, através de experiências com crianças.

Já na década de 50, o psicólogo John Money (1921-2006) e seus colegas da Universidade John Hopkins iniciaram um estudo pioneiro com pacientes hermafroditas, que apresentavam variadas combinações de ambos os sexos, como um ovário e um pênis, testículos e vagina e assim por diante. A partir de suas pesquisas, Money passou a defender a ambiguidade do hermafroditismo como uma espécie de princípio formador de ambos os sexos, que seriam moldados a partir da ação dos hormônios nos primeiros meses da vida intrauterina do bebê. Para ele, só no fim do quarto mês de gestação, quando os hormônios completam a modelagem da genitália externa (pênis ou vagina) é que o sexo começa de fato a ser definido, pois é essa aparência externa que vai prescrever o tipo de tratamento que a criança receberá dos pais e da sociedade, gerando expectativas de comportamento conforme o bebê é identificado como menino ou menina. É o que John Money chama de “papéis sexuais”, título do livro que escreveu em parceria com Patricia Tucker, publicado no Brasil em 1981 pela Editora Brasiliense.

Com isso, Money inaugurou o conceito de “gênero”, empregado por ele em meados da década de 50. Ele acreditava que, como a sexualidade humana possui uma ambiguidade de origem, era possível recriar o sexo das pessoas, através educação. O “papel sexual” imposto pela sociedade desde o nascimento da criança é que seria determinante para moldar o sexo e não a biologia. E a oportunidade para provar essa sua tese surgiu em 1967, quando David Reimer, um menino gêmeo de 8 meses, por um erro médico, teve o pênis cauterizado num processo de circuncisão. Os pais de David, mal saídos da adolescência, foram aconselhados a procurar John Money, considerado o maior especialista do mundo em identidade de gênero. Money recomendou uma cirurgia de mudança de sexo para a criança, que ganharia uma vagina artificial e um corpo feminizado por hormônios, podendo, segundo ele, levar uma vida sexual plenamente normal e satisfatória, bastando que fosse educado como menina.

O fato de David Reimer ser gêmeo idêntico mostrou-se ideal para a experiência de Money – se o menino se tornasse mulher a partir da educação dada por seus pais, mesmo tendo a mesma bagagem genética do irmão, estaria dada a prova de que o sexo é uma construção social. A experiência, realizada quando o menino tinha 22 meses, aparentemente foi muito bem-sucedida. O pequeno David ganhou uma vagina e passou a se chamar Brenda, que combinava com Brian, nome de seu irmão gêmeo. Quando li, há muitos anos, o livro de John Money em parceria com Patricia Tucker, eu não fazia ideia de que sua experiência tinha sido um fracasso. Apesar de ter sido criado como menina, usando vestidinhos cheios de babados, David nunca aceitou o papel de Bren­da. Aos 2 anos de idade, rasgava seus vestidos, repudiava as bonecas e cobiçava os carrinhos e armas de brinquedo do irmão. Na escola, seu jeito masculino era notado pelos colegas e a própria “Brenda” queixou-se aos pais que se sentia como um me­ni­no, apesar de não fazer a me­nor ideia do que lhe acontecera quando bebê, pois a cirurgia de mudança de sexo, por recomendação de John Money, foi mantida pelos pais em total sigilo.

O fracasso do experimento de gênero

Sentindo-se culpada por ter transformado o filho em menina, a mãe de David tentou suicídio. Seu pai se entregou ao alcoolismo e ele próprio passou a usar drogas eventualmente, além de apresentar sintomas de depressão. Quando David, que vivia como Brenda, fez 14 anos, um psiquiatra local convenceu a família a revelar a ele toda a verdade. “De repente, tudo fez sentido”, contou David Reimer ao jornalista e escritor canadense John Colapinto, que, em 2000, publicou um livro sobre o caso. David encontrou uma razão para a maneira como agia e se deu conta de que não estava louco, que não era nenhum maluco a se revoltar contra sua condição de mulher. Ao descobrir que nascera homem, David “iniciou o doloroso processo de conversão de volta ao seu sexo biológico”, conta Colapinto. Ele fez uma dupla mastectomia para remover os seios produzidos por terapias hormonais e, por meio de várias cirurgias, envolvendo enxertos e próteses de plástico, ele ganhou um pênis artificial com testículos. Além disso, tinha de tomar injeções regulares de testosterona. Deprimido com o tratamento e imaginando que nunca fosse se casar, ele tentou suicídio duas vezes antes dos 20 anos, numa delas depois que seu irmão morreu com uma overdose de antidepressivos.

Depois de voltar a ser homem, David acabou se casando e viveu com sua esposa durante 14 anos. Mas, segundo John Colapinto, era um marido difícil, devido às crises de depressão e aos ataques de fúria. Em 5 de maio de 2004, três dias depois de sua esposa ter sugerido que se separassem por um tempo, David Reimer se suicidou, pondo fim ao mito da completa separação entre sexo biológico e papéis sexuais, que John Money, agindo como um demiurgo, tentou forjar.

Money estava tão convicto de suas teses que, mesmo com todos os problemas enfrentados por David, continuou colhendo os louros de sua experiência na academia e na imprensa, tanto que foi capa da revista “Time” e incluiu, num de seus livros, um capítulo inteiro sobre o caso de sua jovem cobaia. Em 1985, quando duas crianças tiveram os pênis cauterizados por um erro num cirurgia de circuncisão, num caso semelhante ao de David Reimer, uma delas, que teve o pênis totalmente queimado, foi submetida a uma cirurgia de mudança de sexo, tornando-se “Baby Doe”. O psicólogo que recomendou a cirurgia foi John Money, apesar do fracasso de seu caso anterior.

É claro que não se pode atribuir o suicídio de David Reimer exclusivamente à mudança de sexo. O fato de ter perdido o pênis ainda bebê, provavelmente afetaria sua sexualidade, especialmente a partir da adolescência, quando estivesse em fase de autoafirmação. E a desagregação de sua família, inclusive a morte do irmão, pode ter agravado o seu quadro psicológico. Mas também é provável que o caminho escolhido por seus pais – sob a influência negativa de John Money – tenha sido a matriz de seu fracasso. Uma cirurgia de mudança de sexo para compensar o pênis perdido não é enfrentar o problema, mas fugir dele. E revela uma fragilidade emocional de seus próprios pais, que se entregaram ao suposto poder da medicina para operar milagres, quando deveriam ter ajudado o filho a crescer sublimando a falta do pênis. Na Idade Média, o filósofo Pedro Abelardo foi castrado pelos parentes da jovem Heloísa, a quem desonrara para os padrões da época. Como não havia um John Money em seu tempo, em vez de mudar de sexo, ele mudou de vida, entregando-se ainda mais à filosofia, um mecanismo de compensação que se mostra a olho nu até para leigos.

O ser humano transformado em zumbi
Ivana Bentes, doutora da UFRJ: enaltecendo as “cachorras”  do funk como exemplo de afirmação da liberdade das mulheres

Ivana Bentes, doutora da UFRJ: enaltecendo as “cachorras”do funk como exemplo de afirmação da liberdade das mulheres

Esse é o grande problema do conceito de gênero que se quer impor a toda a sociedade a partir da escola. Ele é fruto de uma cultura materialista, que não reconhece o sofrimento como uma dimensão inerente à vida e acredita que a felicidade é bem externo ao indivíduo, que cabe à sociedade prover através de leis. Um exemplo são os homossexuais que conquistaram o direito de mudar de sexo de graça, via SUS. Depois da cirurgia, eles continuam tendo acompanhamento psicológico durante anos, pois já houve casos de suicídio de transexuais mesmo depois da mudança de sexo. Ora, já que a mudança de sexo não é garantia alguma de felicidade (afinal, o sexo oposto que o transexual busca é tão cheio de problemas quando o seu sexo de origem), por que não se render ao bom senso e aceitar ajuda psicológica não para trocar de sexo mas para se conformar com o sexo de nascimento? Esse inconformismo com os fatos da natureza transforma o homem em cobaia da ciência. Vivemos tempos pré-nazistas, em que a deificação do corpo aniquila o que há de humano nele.

Quem duvida, leia a revista “Cult” de novembro do ano passado, que traz um dossiê sobre a filósofa feminista Judith Butler, assumidamente lésbica e autora de obras consagradas nas universidades, entre elas “Problemas de Gênero: Feminismo e Subversão da Identidade”, publicado em 1990 e editado em 23 países, entre os quais o Brasil. Simone de Beauvoir (1908-1986), ao dizer que “ninguém nasce mulher, torna-se mulher”, negou a realidade do sexo biológico e antecipou o conceito de gênero que viria a ser sustentado falaciosamente pelas pesquisas de John Money. Agora, Judith Butler, aprofundando o desconstrucionismo de Michel Foucault, quer ir além da diferença entre sexo e gênero. “A ideia fundamental da pensadora é de que o discurso habita o corpo e que, de certo modo, faz esse corpo, confunde-se com ele”, explica a filósofa Marcia Tiburi, em seu ensaio sobre Butler na “Cult”. “Por isso, a diferença entre sexo e gênero não seria mais o caminho para a luta feminista. Mas o respeito aos corpos cuja liberdade depende, em última instância, de serem livres do discurso que os constitui”, acrescenta.

O que vem a ser um corpo construído pelo discurso? E o que são corpos livres do discurso que os constitui? Devem ser zumbis sem cabeça, que abdicam de seu estatuto humano, nesse novo dualismo feminista que subverte Descartes – em vez de a mente reger o corpo, o corpo é que rege a mente. É o que se depreende de outra entrevista da revista “Cult”, de março último, com a professora e doutora em Comunicação pela UFRJ, Ivana Bentes. Depois de dizer que os homens “continuam em pânico com a autonomia das mulheres”, Ivana Bentes, também discípula de Foucault, afirma: “Um dia sexo vai ser modalidade esportiva, e prostituição (masculina e feminina) serviço e profissão de utilidade pública”. E adianta qual é o modelo de mulher: “Admiro as meninas do funk que ressignificaram o feminismo nas favelas, ao fazerem a crônica sexual da periferia de forma explícita, como Tati Quebra Barraco, que considero uma Leila Diniz dos novos tempos. Há os que pensam que, ao se colocarem como protagonistas da cena sexual, as meninas do funk só ocupam o lugar de poder dos homens. Na verdade, é um discurso radical de autonomia e de liberdade, que, vindo das mulheres, subvertendo o sentido de ‘cachorras’ e ‘popuzudas’ coloca o preconceito e o machismo de ponta-cabeça”.

A afirmação dessa doutora está longe de ser isolada, em que pese ser uma absoluta negação da realidade. Há artigos e teses louvando o funk e enaltecendo a liberdade sexual de suas meninas, sem levar em conta o preço dessa suposta liberdade. Como afirma o psicólogo canadense Steven Pinker, em seu livro “A Tábula Rasa”, a negação da natureza humana, por consequência da própria realidade, se tornou a “religião secular da vida intelectual moderna”. Quem quiser ver como as meninas do funk colocam o machismo de ponta-cabeça, como acredita Ivana Bentes em sua alucinação ideológica, basta ir ao Complexo de Bangu nos finais de semana. Lá, como em qualquer presídio do País, há milhares de “cachorras” esperando na fila para serem tratadas, de fato, como cadelas, servindo de repasto para o macho despejar sua libido na vagina sempre disponível – inclusive para servir de receptáculo das drogas transportadas para dentro da cadeia, até que a “cachorra” seja presa e o bandido a substitua na visita íntima seguinte por outra mulher qualquer; afinal, o corpo liberto da razão não tem satisfações a dar – só instintos a satisfazer.

Deixe um comentário