O que esperar como saldo da viagem

A proposta do governo estadual é clara: vender uma boa imagem de Goiás diante de empreendedores estrangeiros. É uma política de negócios

Em Abu Dhabi, governador Marconi Perillo cumprimenta empresário árabe, ao lado do deputado José Vitti | Foto: Divulgação

Afonso Lopes

De tempos em tempos, o governador Marconi Perillo visita alguns países da Europa, América do Norte e Ásia. Essa é uma prática dele desde o seu primeiro mandato, no início dos anos 2000. Mas, afinal, o que ele vai fazer nesses países? Nada mais do que apresentar o Estado de Goiás e suas potencialidades para investidores estrangeiros. É uma política de negócios comum entre as principais potências do mundo todo. Além de carregar alguns técnicos do governo estadual, Marconi sempre convida empresários.

Na prática, qual é o resultado dessas viagens? O resultado é muito positivo. Basta dar uma rápida olhada no saldo da balança comercial do Estado, que sempre carrega números bastante significativos, e invariavelmente com superávit. Em janeiro deste ano, o saldo foi positivo mais uma vez em 170 milhões de dólares, ou mais de meio bilhão de reais. Esse é um dos aspectos positivos dessas andanças do governador pelo mundo.

Nada agrada mais aos empreendedores quando recebem a visita de um governante que se apresente como fator de união interna entre os interesses locais.

Marconi sempre fez isso ao lado de empresários goianos. Costuma-se dizer que os investidores mais desconfiados do planeta são os asiáticos. Em parte, isso é verdadeiro, mas há também um dose daquela filosofia oriental, de muita paciência.

Na atual viagem ao Oriente Médio, Marconi e sua comitiva passou a contar também com um respaldo político importante, representado pelo deputado estadual José Vitti, presidente da Assembleia Legislativa. Vitti, que também é empresário, sabe fazer muito bem o meio campo entre o setor empresarial e o alicerce político. Segundo assessores, o governador tem demonstrado bastante satisfação na composição dessa dupla que ele faz com Vitti. Os investidores estrangeiros também.

Mas as viagens não rendem positivamente apenas no que se refere à abertura ou consolidação de negócios para o Estado de Goiás. Em cada país, há soluções diferentes para problemas assemelhados. Um exemplo dessa boa experiência que acaba refletindo na administração foi dado pelo ex-prefeito Nion Albernaz. Os jardins floridos que fascinaram goianienses e visitantes durante anos, eram réplica de cidades holandesas e dinamarquesas. O relógio das flores, construído numa praça no Jardim Goiás, e que acabou cortada ao meio com a intenção de aumentar a fluidez do trânsito no local, também não foi invenção goianiense.

E não é só beleza e manutenção da máquina pública, e da cidade e Estado, que retorna na bagagem dos administradores. Na época de Nion Albernaz, o asfalto era bem conservado, mas havia “buracos” aqui e ali. Eram provocados não por falha na pavimentação, mas nas “visitas” — que são aquelas tampas de concreto colocadas nos locais de visitação de técnicos das redes subterrâneas, seja do saneamento ou de fiação.

Qual a solução? Veio dos Estados Unidos. Lá, as cidades erguem a tampa da “visita”. O custo é alto, mas a rua fica lisa, sem as imperfeições. A solução mais barata aqui em Goiânia foi tapar tudo com asfalto, registrando porém a inicial da empresa. “S”, por exemplo, era uma “visita” da Saneago, enquanto “T” era da Telegoiás, companhia de telefonia.

No Oriente, Marconi recebeu e reafirmou o compromisso com o grupo Caracal para a construção de uma fábrica de armas em Anápolis. Essa indústria fará uma boa e positiva concorrência com a gaúcha Taurus, que atua sozinha no mercado de armas para o sistema de segurança pública. É mais um nicho que surge na economia de Goiás. Outros negócios deverão ser consolidados ao longo dos próximos anos. Os investidores dos Emirados Árabes e da Arábia Saudita agora sabem que há um Estado no centro do Brasil confiável. Tanto para empreendimento direto como para fechar contratos de importação. Goiás entrou no mapa deles.

Deixe um comentário