Liderança no Ideb abre novas perspectivas para estudantes goianos

Mudanças promovidas em 2019 no ensino médio têm reflexos na preparação dos alunos para o acesso às universidades

O modelo adotado em 2019 para reforçar a educação pública em Goiás com foco em melhorar o resultado do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) tem como um dos reflexos a abertura de novas perspectivas para os estudantes goianos. A estratégia de ampliar as aulas de matemática e português buscou equalizar o aprendizado e, consequentemente, permitiu aos estudantes se prepararem melhor para ingressar no ensino superior e buscar uma carreira profissional.

“No ano passado houve uma grande mudança. Eu que sempre estudei em escola pública senti muito quando começaram as aulas de reforço em matemática e português. O aprendizado mudou”, conta a estudante Lôrrane Evangelista, de 19 anos. Ela se refere à estratégia adotada pela Secretaria de Estado da Educação (Seduc) em incluir na matriz curricular uma hora a mais por semana nas disciplinas de matemática e português.

Estudante Lôrrane Evangelista se sente preparada para o Enem após receber aulas de reforço | Foto: Arquivo pessoal

Lôrrane, que no ano passado estava matriculada no Centro de Educação de Jovens e Adultos (Ceja), passou a contar com reforço em sala de aula e também transmitidas pela Televisão Brasil Central (TBC). Essa nova dinâmica do ensino encorajou a estudante. Se sentindo mais preparada, ela agora estuda para fazer o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). “Ainda estou em dúvida sobre fazer administração ou psicologia”, relata.

A estudante Camille Andrade, de 17 anos, é aluna do Colégio Estadual Jardim América e sonha em cursar medicina. Apesar de sempre ter estudado em instituições públicas, ela não se sente menos preparada do que estudantes matriculados em colégios particulares. “Quando eu vim para essa escola eu imaginei que seria bom, mas não sabia que havia tanta colaboração dos professores e colegas para a minha formação. Aqui tem diversos meios de ensino para que todos aprendam o conteúdo de todas as formas”, relata a jovem estudante.

A perspectiva de Lôrrane e de Camille para cursar o ensino superior nasceu do modelo adotado pelo governo estadual para melhorar o ensino médio e alcançar uma nota melhor no Ideb. A fórmula deu certo, Goiás alcançou em 2019 a melhor média do País, com 4,8 pontos – maior que a média nacional, que foi de 4,2.

“O que fizemos foi pedir às escolas para dar mais espaço e um reforço, lembrando que o aluno precisa de ter mais aulas de português e matemática. Se os estudantes aprendem bem essas duas matérias, melhoram nas demais”, explica a secretária estadual de Educação, Fátima Gavioli. Ela lembra que quando o governo assumiu, no início do ano passado, o Sistema de Avaliação Educacional do Estado de Goiás (Saego) já havia identificado uma queda no índice de aprendizagem das duas matérias. “Sabíamos que era preciso atuar fortemente nas áreas de portugues e matemática para que os nossos alunos pudessem recuperar o que tinham perdido. E foi isso que fizemos. Agora podemos ver que era o caminho certo”, diz.

A secretária afirma que o modelo adotado para melhorar o ensino médio no Estado acaba por refletir em toda vivência escolar dos alunos da rede pública e diz acreditar que esse deve ser o caminho a seguir. “Estamos desenvolvendo a educação em Goiás a muitas mãos, com o envolvimento de todas as equipes. O governo criou a Superintendência de Ensino Médio e o Cepfor (Centro de Estudos, Pesquisa e Formação dos Profissionais da Educação), abrimos mais escolas de tempo integral no ensino médio, temos as 60 escolas militarizadas com sua qualidade reconhecida e o protagonismo de gestores, professores e alunos”, relata Fátima.

Terceiro Setor presente na educação Estadual

O resultado que o ensino médio do Estado alcançou passa também pelas parcerias com o terceiro setor. Fátima Gavioli destaca o trabalho conjunto que é realizado com o instituto Unibanco que implantou em Goiás o projeto “Jovem de Futuro” e ajudou na formação de tutores escolares, que acompanham novas metas da educação.

Em uma recente evento realizado de forma online o superintendente do Instituto Unibanco, Ricardo Henriques, destacou o avanço da educação no estado. “Goiás já é a referência e pode se tornar, também, a referência do novo patamar que o Brasil como um todo precisa almejar”, afirmou.

O superintendente esclareceu que o Ideb tenta fazer a captação de um movimento virtuoso ao fazer com que os indicadores mostrem a aprendizagem além de, também, demonstrarem se os estudantes que deveriam estar nas três séries do Ensino Médio, lá estão. Ou seja, mais alunos na escola, mais alunos concluindo a Educação Básica e esses estudantes aprendendo cada vez mais, explicou.

O governador Ronaldo Caiado (DEM) elenca outras ações que ajudou Goiás a liderar a educação do país: maior acompanhamento pedagógico dos alunos, fortalecimento das escolas em tempo integral, integração da rede pública, recursos públicos para que a própria unidade administre e parcerias com a iniciativa privada. Caiado afirma que parcerias têm dado certo, como o programa “Jovem de Futuro” e “Circuito de Gestão”.

Conjunto das medidas que somaram a nota do Ideb

Outras iniciativas ajudaram Goiás a liderar a educação do País: maior acompanhamento pedagógico dos alunos, fortalecimento das escolas em tempo integral, integração da rede pública, recursos públicos para que a própria unidade administre, além das parcerias com a iniciativa privada.

“Um dos principais fatores para alavancarmos o ensino médio goiano está relacionado ao engajamento e envolvimento dos professores, que não mediram esforços para que seus alunos pudessem aprender de forma significativa”, avalia o governador Ronaldo Caiado (DEM). Outro fator citado por técnicos da Secretaria de Educação que ajudou Goiás a dar um salto na nota do Ideb foi o investimento no setor.

De acordo com a gestão, nenhuma escola da rede pública estadual, composta por 1.029 unidades educacionais, deixou de receber recursos para reformas e ampliações, aquisição de equipamentos para laboratórios de ciências e informática, substituição de mobiliário, construção de quadras poliesportivas cobertas e refeitórios, entre outras iniciativas.

Fátima Gavioli detalha que no ano de 2019 foram feitos investimentos que ultrapassam a marca de R$ 114 milhões em benefício de mais de 530 mil alunos. O governo também anunciou que está em licitação a aquisição de mochilas, tênis, agendas e cadernos – um incremento a todos os estudantes previsto para o ano que vem.

Governador Ronaldo Caiado (DEM) e secretaria de Educação o Estado, Fátima Gavioli, detalham números do Ideb em Goiás | Foto: Reprodução

“Goiás se apropriou desse resultado de ter o melhor ensino médio do País. Não será fácil tirar isso da gente. Esse é um trabalho que o governador assumiu a liderança e os professores e alunos abraçaram esse resultado. Se tornou uma política pública no Estado”, enfatiza a secretária.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.