Evento Startup Weekend valoriza empreendedorismo digital em Goiânia

O evento é mais uma das ações que põem em destaque as startups da região, abrindo, assim, mais caminhos para a inovação

O vencedor da 3ª Startup Weekend Goiânia, Marcos Túlio, com a startup MoneyLender, destaca a essencialidade do evento para o empreendedorismo digital goiano

O vencedor da 3ª Startup Weekend Goiânia, Marcos Túlio, com a startup MoneyLender, destaca a essencialidade do evento para o empreendedorismo digital goiano

Yago Rodrigues Alvim

Marcos Túlio Ramos sempre foi um profissional do mercado tradicional, até que deixou uma instituição bancária, em que trabalhava e começou a trabalhar por conta própria. No escritório da PontoGet Cowor­king, ele se contagiou por empreendedorismo digital e tomou gosto pela área. Marcos foi o vencedor da terceira edição do Startup Weekend realizada em Goiânia no início do mês.

O Startup Weekend (SW) é um e­vento com 54 horas em que o participante cria, em equipe, um protótipo de empresa digital. Progra­ma­dores, designers e pessoas que curtem inovação se unem em times e propõem soluções inteligentes e interessantes para problemas cotidianos.
A gerente do Google Business Group e founder da Jajah Networ­king, Alline Jajah é uma dos organizadores do Startup Weekend em Goiânia. Ela já participou de outras edições no intuito de trazer o evento para a cidade. Segundo ela, a Startup Weekend nasceu em uma cafeteria nos Estados Unidos. Com várias ideias fervilhando, Andrew Hy­de passou um final de semana com alguns amigos nessa cafeteria. De lá, surgiu um aplicativo e novos encontros que culminaram na Startup Weekend. Isso foi há quatro a­nos. Hoje, o evento é um dos maiores do empreendedorismo digital e está “bombando” por todo o glo­bo, presente em mais de 130 países.

Hyde e seus amigos, depois dos encontros no café, formalizaram suas ideias constituindo a Up Global. Diversas empresas estão no apoio, como a Google, a Coca-Cola. Em Goiás, instituições como faculdades, empresários e empreendedores possibilitam o evento.

Organização

A organizadora Alline Jajah, que trouxe o evento para Goiânia, sublinha que Goiás é, atualmente, uma referência para os outros estados brasileiros em inovação e desenvolvimento de startups | Foto: Arquivo Pessoal

A organizadora Alline Jajah, que trouxe o evento para Goiânia, sublinha que Goiás é, atualmente, uma referência para os outros estados brasileiros em inovação e desenvolvimento de startups | Foto: Arquivo Pessoal

A Startup Weekend tem uma licença que não é dada às instituições, e sim, aos empreendedores. Alline Jajah, Vandré Sales, Juliana Toledo, Cibele Bretas, Mateus Suassuna, Chris Taveira, Paolo Petrelli e Francisco Lima são essas pessoas apaixonadas pelo mundo digital que tornaram realidade a terceira edição do encontro. Jajah conta que as seccionais goianas da Associação de Jovens Empreen­dedores e Empresários de Goiás (AJE-GO) e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae-GO) são os apoiadores que fizeram com que a Weekend fosse possível.

Segundo Marcos, foi uma “experiência incrível”. No começo do evento, o grupo formado por Marcos, Romeu Bisso, Bleno Cleofas, Douglas Jason e Jo­hna­than Menezes não ficou entre os melhores. Com as orientações dos organizadores e mentores do evento, foram se encorajando até que chegaram ao primeiro lugar.

Do inglês, MoneyLeander dá nome à startup criada pela equipe de Marcos. O termo faz alusão a “agiota”, que, no Brasil, é crime, mas nos EUA a pratica é legalizada. Porém, o aplicativo segue outro rumo. A startup auxilia as empresas de factoring e seus clientes que precisam descontar cheques. O aplicativo lê a fotografia de um cheque, a codifica e transmite o cheque, seus dados para factoring, economizando tempo e garantindo segurança.

Factoring são empresas que compram títulos de outras empresas. Segundo ele, o pessoal da Rua 44, em Goiânia, vende com cheque pré-datado e precisa transformá-lo em dinheiro. Nem sempre os bancos conseguem atender a demanda. Por isso, as factorings ficam com os cheques, passam o dinheiro para o empresário e cobra uma taxa para fazer essa operação.
“Durante o próprio evento, passamos por um processo de validação. Apresentamos nosso produto para o mercado e entendemos a dor real do nosso potencial cliente. Esse processo foi muito bem feito. Conversa­mos com o pessoal da Rua 44, com os feirantes de Goiânia, com esse público que recebe cheque. E, devido a esse processo ter sido muito bem feito, foi fácil colocar a startup no mercado, pois fomos atrás das mesmas pessoas que já tínhamos mostrado o valor da startup”, explica.

Validação

Depois da montanha russa do evento, de noites sem dormir, a recente MoneyLender caminha feito gente grande. Com contratos com factorings em Goiânia, Marcos diz que ele e sua equipe já fizeram uma parceria com a Decisão Sistemas: “É um software que faz gestão de factorings e está presente em mais de 600 empresas no Brasil. Nós conseguimos o contato durante a Weekend. Nós estamos em uma fase de afinação. É um negócio criado em 54 horas e com pouco mais de 10 dias de vida, portanto estamos vendo as capacidades, estamos nos ajustando”.

Marcos destaca que o Estado de Goiás tem perdido muitos talentos para outros estados e até países, devido à falta de incentivo às startups e que, por isso, o evento tem muito valor. “A cada edição, nós percebemos pessoas novas, novos parceiros que participam dessa cena de empreendedorismo que nós tentamos fomentar. Portanto, é um evento essencial”, diz. Além disso, o empreendedor digital sublinha que é uma experiência que ninguém no mercado tradicional consegue viver. “A Startup Weekend dá base. Você sai com uma empresa validada e aprovada, cujo mercado se interessa por seu produto. Sem contar a educação empreendedora que propicia”, conclui ele.

Fora o Eixo Rio-São Paulo, comunidade de apoio às startups goianas é referência nacional

Francisco Lima é gestor dos projetos de Desenvolvimento da Tec­no­logia da Informação e Desenvol­vimento das Startups no Sebrae-GO. Ele explica que as inciativas na área estão concentradas nos parques tecnológicos de inovação, por exemplo o Vale do Silício, nos EUA. Ainda assim, no Brasil, uma cultura empreendedora de alto impacto têm gerado resultados muito interessantes, ressalta ele. “O grande ganho está na percepção do quão mais bem preparados estão os empreendedores”, afirma.

Lima destaca a maturidade com o meio digital e a maestria para validar um projeto: “As empresas que ganharam apresentaram soluções bem maduras para o mercado, com um profissionalismo muito grande”. Ele explica que a organização lançou mão de diversos especialistas para assessorarem os empreendedores na criação e modelagem de seus negócios. “Oferecemos um suporte muito grande, tanto na teoria quanto na vivência prática. Eles aprendem fazendo”, diz.

O presidente do Conselho Deliberativo do Serviço, Marcelo Baiocchi Carneiro, comemora as 54 horas de muita dinâmica com momentos ricos de interatividade e disseminação do empreendedorismo, pelo viés da inovação e tecnologia. “O Sebrae recebeu os participantes para a terceira edição do Startup Weekend, entre os dias 10 a 12 de outubro. As atividades envolveram a composição de equipes e lançamento de novas startups, além de promover aprendizado, conhecimento e desafios. A programação foi orquestrada por profissionais do cenário digital nacional e internacional. E um ponto imprescindível para este trabalho é que, ao final do evento, as empresas goianas foram muito bem avaliadas com excelente potencial de crescimento”, destaca ele.

Segundo ele e como os próprios participantes dizem, a parceria entre o Serviço, a AJE e os empreendedores forma uma enorme rede que tem o trançado de todas as partes do mundo. Ou seja, trata-se de um movimento global de líderes com o propósito maior de inspirar, educar e capacitar indivíduos, equipes e comunidades. Baiocchi conta que mais de 8 mil startups já foram criadas, em todos os demais eventos similares realizados em aproximadamente 100 países.

“Esse é o movimento global do empreendedorismo a todo vapor, pois os participantes colocam seus projetos em prova de maneira imediata e descobrem in loco se suas ideias de startups são factíveis. Em Goiânia, avaliamos que aquele final de semana terminou com êxito total, pois a repercussão entre os participantes e as avaliações nas redes sociais e pelos canais de comunicação foram extremamente positivas”, destaca.

Ao lado de Baiocchi, Francisco celebra a participação e a oportunidade de fazer parte de um evento de empreendedorismo digital, além de ter realizado a Startup Weekend nas dependências da regional metropolitana do Serviço em Goiás. “Nós queremos, cada vez mais, fomentar eventos dessa natureza, cursos, capacitações, encontros, missões para que os empreendedores saibam que é possível empreender no meio digital e para que os resultados sejam, também, cada vez mais expressivos”, conclui Francisco.

StartupGO

A startup Informe Legal, para acompanhamento de processos jurídicos ficou em 2º lugar”

A startup Informe Legal, para acompanhamento de processos jurídicos ficou em 2º lugar”

As comunidades de apoio às startups em Goiás são consideradas as mais fortes que se veem no país. Instituições como o Sebrae, a AJE e diversos empreendedores e parceiros que formam uma rede de apoio que têm auxiliado o desenvolvimento das startups. Alline Jajah explica que a StartupGO reúne todos os interessados em startup e em tecnologia.

“Nós estamos concorrendo a um prêmio nacional como melhor comunidade do ano, o Spark Awards, promovido pela Microsoft. Todos estão convidados a fazer parte dessa comunidade, que é referência no Brasil, saindo do eixo Rio-São Paulo. Desde que entramos no circuito, levantamos outras regiões do país. Goiás que era bem conhecido como área agroindustrial, está despertando para área do empreendedorismo digital e, assim, estamos promovendo o empreendedorismo no país”, diz.

A prova disso é a terceira edição da Startup Weekend. Com atração de diversas pessoas interessadas em trabalhar e desenvolver projetos e com mentores que são empreendedores já consolidados, que já faturam seus milhões, são investidores anjos ou palestrantes, o resultado não podia ser outro.

Há mais de um ano, a organização tem contatado esses empreendedores para compartilharem suas experiências e expertises no evento. “Cada pessoa tem uma expertise que é diferente de outra e eles se somam. São pessoas de várias áreas para complementar os times. E nós tivemos esse cuidado”, ressalta.

A alimentação permitia que o espaço ficasse aberto 24 horas. Alguns times viravam a noite. “Nós queríamos um padrão para que as pessoas voltem à Goiânia, pela qualidade do evento, pelas ideias que nascem aqui”, pontua. Das ideias, Jajah explicita os demais projetos que levaram o segundo e terceiro lugar na edição.

O terceiro lugar foi dividido por duas startups: a Abouty, que validou o projeto com vários shoppings centers. Segundo ela, Abouty é uma startup que cria um cadastro virtual, na nuvem, e em cada estabelecimento que o usuário chegar, o cadastro já estará disponível, reduzindo filas e tempo de espera. O outro é o Faxina Legal que cadastra faxineiros e empresas que oferecem esse serviço e pessoas que estão em busca de house cleaning. O segundo lugar foi para a Informe Legal, um aplicativo para as pessoas acompanharem seus processos jurídicos. “É um passo a passo jurídico”, simplifica.

Como resultado, Jajah explica que os organizadores se reuniram, todos os para avaliarem os vários feedback que receberam. “A cada ano, nós estamos mais maduros e com participantes também mais maduros. Todos que participaram, querem voltar, o que torna Goiânia como referencia”, conclui ela. Nas redes sociais, os participantes compartilharam suas experiências. “Começando a semana energizada depois de um final de semana cheio de ideias, amigos, aprendizados e risadas. Valeu Goiânia #swgoiania” – Fabiany Lima. “Definição da geral sobre o Startup Weekend Goiânia 2014: ‘As 54 horas mais loucas que passamos!!’ E quer saber, estão todos certos.” – Anna Cláudia Brandão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.