O Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar do Distrito Federal (PMDF) foi acionada, nesta sexta-feira, 30, para averiguar a sétima ameaça de bomba em uma semana. 

O suposto material explosivo estava entre o Tribunal de Contas da União (TCU) e o anexo do Supremo Tribunal Federal (STF). Desde a última sexta, 23, a tensão para a posse do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) aumentou, após a primeira denúncia de explosivos ser registrada.

Até o momento, foram confirmadas a presença de explosivos em duas ocasiões. Segundo informações preliminares, as câmeras do anexo do STF flagraram um homem deixando a caixa no local por volta das 13h. Depois, o suspeito entrou em um carro e saiu.

Atentado

O episódio mais marcante ocorreu no último sábado, 24, quando a Polícia Civil do DF (PCDF) recolheu um explosivo nas proximidades do Aeroporto Internacional de Brasília. Ele estava em um caminhão-tanque que iria para o terminal.

O responsável pela tentativa de ataque foi o bolsonarista George Washington de Oliveira Sousa, de 54 anos, que planejava cometer atentados em Brasília, como disse em depoimento à PC. 

Ele chegou a afirmar que estava ‘preparado para matar ou para morrer’. O empresário foi preso na véspera do Natal com um arsenal composto por armas e explosivos.