Sobre certo cavaleiro português e a criação do Rio Grande do Sul

Livro “O Cavaleiro da Terra de Ninguém”, do escritor gaúcho Sinval Medina, relata a vida e obra de Cristóvão Pereira de Abreu, um português que, entre outras façanhas, abriu o caminho entre o Rio Grande do Sul e São Paulo no período colonial

Mariza Santana
Especial para o Jornal Opção

O português Cristóvão Pereira de Abreu. Foto: Reprodução

Lá pelos idos de 1700, ou seja, no século XVIII, o Brasil era colônia portuguesa e os limites entre os domínios espanhóis e lusitanos ainda eram frágeis e inexistentes. No extremo sul da “Terra Brasilis” existia então uma região chamada de “Terra de Ninguém”, pois ela não tinha donos e tampouco colonos, mas muitos cavalos e mulas selvagens pastando livremente por aquelas plagas.

Avançando ainda mais na direção meridional estava a Colônia do Santíssimo Sacramento, então um povoado de brasileiros e portugueses, sempre ameaçado pelos vizinhos castelhanos de Buenos Aires e região.

Este é o cenário do livro do jornalista e escritor gaúcho Sinval Medina, que se incumbiu de relatar, de forma romanceada mas com base em pesquisas históricas, a vida e a obra do português Cristóvão Pereira de Abreu. Ao longo de mais de 70 décadas de vida, a maior parte passada em terras tupiniquins, ele ganhou vários títulos e alcunhas, tais como Cavaleiro da Ordem de Cristo, Rei dos Tropeiros e Coronel de Milícias.

O autor acrescenta-lhe o título de protofundador da capitania de São Pedro do Rio Grande do Sul (hoje Estado do Rio Grande do Sul) e ainda de um dos responsáveis pelo início do povoamento do sítio que viria a ser tornar Porto Alegre, a capital gaúcha.

Por meio de um diálogo “machadiano” com o leitor, e utilizando de uma linguagem por vezes arcaica que soa sintonizada com o personagem e época, Sinval Medina relata vários episódios da história do Brasil Colônia testemunhados pelo cavaleiro português nascido na Vila de Ponte de Vila, região de Braga, Portugal, que atravessou ainda jovem o Oceano Atlântico com o objetivo de amealhar fortuna na América.

São narrados os cercos dos castelhanos à Colônia do Santíssimo Sacramento, as duas invasões francesas ao Rio de Janeiro, as diversas idas e vindas das relações diplomáticas dos Reinos de Portugal e Espanha e seus efeitos nas colônias americanas representados por diversos conflitos bélicos; assim como o trabalho desenvolvido por bravos bandeirantes, tropeiros e aventureiros de todos os naipes em busca da sobrevivência e de riqueza naqueles ermos distantes do domínio do El-Rey português.

Começando sua empreitada no Brasil como comerciante de couros, o personagem principal do livro “O Cavaleiro da Terra de Ninguém” atuou na Colônia de Santíssimo Sacramento (hoje Colônia de Sacramento, no Uruguai), frequentou altas rodas no Rio de Janeiro, esteve em Vila Rica (hoje Ouro Preto) negociando dívidas de garimpo para um sócio judeu, passou por Serro Frio (hoje Serro, em Minas Gerais) onde moravam seus filhos.

Mas Cristóvão Pereira de Abreu acabou mesmo se estabelecendo no Sul, onde terminou seus dias. Entretanto, antes contribuiu de forma decisiva para a abertura do caminho terrestre entre os pampas gaúchos e os planaltos gaúchos, de forma a garantir que por ele pudessem transitar os tropeiros levando rebanhos de cavalos e muares para serem comercializados a peso de ouro nas feiras de Sorocaba e Itu.Com esse caminho, além do comércio de animais, foi possível integrar a antiga Terra de Ninguém ao restante do Brasil.

Ao acompanhar as aventuras e desventuras, negócios e empreendimentos, além das batalhas do chamado Cavaleiro da Terra de Ninguém, o leitor vai conhecendo alguns episódios da história do Sul do Brasil, da saga que levou à anexação definitiva do extremo meridional do País à então colônia portuguesa.

Sabemos que as pessoas são fruto de sua época, por isso não se deve censurá-las pela forma como agiam tendo como base nosso modo de pensar de cidadãos do século XXI. Por isso, às vezes algumas ações do valoroso Cristóvão Pereira de Abreu possam parecer condenáveis, ou no mínimo motivo de críticas.

Entretanto, no conjunto de sua obra, – e nisso o autor contribui, ao deixar as conclusões para Vossa Mercê, o leitor-  é possível verificar o quanto a saga do Cavaleiro da Terra de Ninguém foi importante para forjar o surgimento de uma nova província – o Rio Grande do Sul, e consolidar o território de um extenso país.

Título:O Cavaleiro da Terra de Ninguém – Vida e Tempos de Cristovão Pereira de Abreu

Autor: Sinval Medina

Editora: Prumo

Valor: R$ 39,90

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.