Ronaldo Costa Fernandes cede à sua vigorosa veia poética em “Matadouro de Vozes”

Adepto ferrenho do verso livre e refratário à utilização da rima, o discurso do poeta maranhense, bastante pessoal, não deixa de evocar a sombra de Drummond

Poeta maranhense Ronaldo Costa Fernandes: veia poética ganha fôlego em mais recente livro. Foto: Acervo pessoal

Antonio Carlos Secchin
Especial para o Jornal Opção

Trama-se num desalento crônico a tensa e densa poesia de “Matadouro de Vozes”, mais recente obra poética de Ronaldo Costa Fernandes, cuja trajetória de ficcionista, contemplado com alguns dos mais importantes prêmios nacionais (e o internacional, da Casa de las Américas) vem cedendo espaço à sua vigorosa veia de poeta.

O título já propõe um paradoxo: se o poema deseja ser o lugar onde uma voz possa nascer, como, ao mesmo tempo, ele se torna abrigo de um matadouro de vozes? A contradição se desfaz se consideramos o poema como o espaço onde se fala de tudo que o cerceia e deseja silenciá-lo: é pelo exorcismo da não-poesia, do “matadouro”, que a poesia aspira a (sobre)viver, na condição náufraga de voz a esmo, e, por isso, incapturável ou indomesticável a apropriações de toda espécie. Ronaldo transforma em liberdade o que parece degredo, afirmando, com desassombro, a condição de uma palavra acuada e acusada: “juro dizer a verdade/ nada mais que a poesia”. É essa palavra segregada o objeto de desejo do poeta: “paciente que sou do hospital/ das clínicas poéticas/ onde vivo internado há décadas/ sem previsão de alta”.

Daí decorre a sensação ambígua de desânimo e de recôndito orgulho da própria marginalidade. A consciência de estranhamento frente aos ritos sociais alija o artista dos protocolos da tribo, condenando-o à mais acintosa solidão. Tal relação doída e inamistosa com que lhe é vizinho patenteia-se, ao longo do livro, já na carga semântica negativa (ou, quando não, neutra) da maioria dos substantivos e adjetivos que nomeiam os textos: egoísmo, lamentações, despojos, lobo, azar, mal, ilusão, negrume, renúncia, néscios, viciados, cínica.

Inexiste a aproximação com o outro, e isso se torna patente não apenas no maciço predomínio de textos em que apenas o “eu” se presentifica, como também no aspecto correlato, e simetricamente oposto, da quase total ausência do “tu”. Uma segunda pessoa tão esvaziada de vida quanto o simulacro humano do manequim fantasmagórico que ocupa a capa do livro, não por acaso num ambiente de escuridão e diante de portas cerradas. Se formos lastrear as convocações diretamente dirigidas pelo poeta a um interlocutor em segunda pessoa, encontraremos de início não o “tu”, mas o distanciado e divino “Vós”: “Ó Deus, tirai-me dessa piscina de nillismo”. Ou, então, um outro impermeável ao diálogo (“Tu me falavas/ de futuros indecifráveis”), marcado pela ausência física, seja momentânea (“Há cinco anos que não te ouço mais”), seja irreversível, como no belo (pseudo)diálogo com “Frida Kahlo”. Também em torno de contatos frustrados gira o poema “Diálogos”: “Dialogarei com os mortos/…/ E, se ninguém me ouvir/ falarei aos ventos, / que, como rádio, / falam sozinhos”.

Título: Matadouro de Vozes

Autor: Ronaldo Costa Fernandes

Editora: 7 Letras

Valor: R$ 38,00

Numa ardilosa (e fingida) sinalização de intercâmbio, em algumas peças o “eu” se pluraliza, transformando-se em “nós”. Porém, um olhar mais atento logo percebe que na poesia de Ronaldo a primeira pessoa do plural, em vez de sinalizar coesão, aponta, ao contrário, um conjunto de “eus” solitários: “nós” que não se atam. Vozes que se esvaem em recíproco desconhecimento, desunidas em desarmônico plural.

A carpintaria da forma, em Ronaldo, o leva a criar saborosos (muitas vezes, gastronômicos) neologismos. Adepto ferrenho do verso livre e refratário à utilização da rima, o discurso do poeta, bastante pessoal, não deixa, aqui e acolá, de evocar a sombra de Drummond, como em “A imagem em Arabesco”. Mas, se no poeta mineiro, existia, ao término da Segunda Guerra Mundial, um olhar prospectivo de otimismo, no poeta maranhense nada parece salvar-se. É ler “Búfalo sobre Plantação”, em que, à abertura jubilosa – apesar, ressaltemos, do verbo “doer” – “Meu cérebro dói de tanta esperança”, contrapõe-se o melancólico desfecho – “a cachoeira das águas passadas/ que movem o moinho das desventuras”.

Nada se salva? Algo, talvez. Exatamente no meio do caminho, no poema 37 de um conjunto de 74, Ronaldo Costa Fernandes incrustou “Criadouro de Vozes”, que aponta, pela arte, a via de uma salvação possível: “abriremos uma estrada/…/ Logo as árvores vergastadas pelo vento/ lançarão ao chão/ as sementes dos caminhos”. As sementes foram lançadas e germinaram nos frutos poéticos deste belo livro.

Antonio Carlos Secchin é um poeta, ensaísta e crítico literário brasileiro.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Deus Carmo

Muito boa análise da obra. Ela nos convida a ler o livro.