O olhar do eu-herói

Apesar de nosso desejo de que surja um atleta olímpico que simbolize a inexplicável vitória da vida, o que há no humano é o desejo surdo de aparecer, como quem sonha. Como quem morde uma medalha

Rafaela Silva, medalha de ouro no judô, na Olimpíada Rio 2016 | Foto: Reprodução/AFP

Rafaela Silva, medalha de ouro no judô, na Olimpíada Rio 2016 | Foto: Reprodução/AFP

Keyla Vale
Especial para o Jornal Opção

Para os olhares do mundo: os ecos da vida. E luta, roda, gira, luta, roda e gira… Luta e sorri! Gira e ganha! A vitória! Só sai correndo e esquece o outro… Você consegue? Meu herói não sorri muito e, sob os olhares dos outros, os meus me perguntam: “Mas o outro não existe?” E eu, no meu consultório, sentada na minha poltrona de sonhos-vida e de espera-trabalho, pergunto: E existe?
No movimento, na luta-diária-da-vida, brincamos de fazer existir quem a gente quer! Pois eu escrevo e eu vejo a partir de minhas brincadeiras e de meus sonhos… Se ganhou, não foi porque lutou! Mas foi porque sonhou. E o outro que se sonha é o outro do meu desejo – desejo de luta –, esse que ganha e esse que me é, desde sempre…
Já afirma Bion, em “Uma memória do futuro – Sonho”, de 1989: “A evidência ‘científica’ poderia me convencer de que as pessoas existem; no outro extremo, existem personagens de ficção, das quais com certeza poderia ser dito que não existem. Existem ‘homens espertos’ que, confrontados com uma obra de arte, podem ver que ela é genuína e que vale muito dinheiro, mas que não percebem aquilo que o artista revelou. O erudito poder ver que uma descrição é de Freud ou de Melanie Klein, mas permanecer cego para a coisa descrita”.
E a minha coisa descrita é: quem é que grita? Quem joga hoje? Quem luta hoje? E esses que nadam, nadam para onde?
E se finalizar, aqui e agora, o que será que te quis dizer?
Apesar de todas as certidões e de toda a certeza imposta pela concretude, e pelo meu desejo de que surja algo que explique incondicionalmente a inexplicável vitória da vida, a coisa descrita é o desejo surdo de aparecer, como quem sonha, como quem realiza e morde uma medalha!
E eu me resgato: depois da conversa sem sentido, do sorriso escorrido, da metáfora não compreendida, da psicanálise que sonha, dos meus dois metros de fio que me estica a vida… e do olhar do meu eu-herói.

Keyla Vale é psicanalista, formada pelo Grupo de Estudos Psicanalíticos de Goiânia – Sociedade de Psicanálise de Brasília, IPA – International Psychoanalytical Association.

Deixe um comentário