Fim da espera, o mar está aí

Divulgação

Capa do álbum “O Mesmo Mar Que Nega a Terra Cede à Sua Calma”, de Bruna Mendez, lançado na terça-feira, 5 de julho | Foto: Divulgação

Yago Rodrigues Alvim

Não sai dos foninhos. Play e replay. Terça-feira, um post no Facebook e é sim um dia excelente para ser goiano, por ver o nosso som se esvair janelas afora. Veio, assim, silencioso já duma espera que mais parecia infinita. Sabe aqueles amores, “malditos, malditos”, eu mal-vos-digo, que quebram as eternas horas aflitas a fim de saber onde, quando, saber se está a fim, e nada. Daqueles feitos de Ariadne, corda e mais corda. Envolve-te em fio fino, feito grão em grão – saída de fim de mês, álcool bebericado, coisa chorada. Não. Para, nada disso. A guria ia pestanejando a vontade de abrir a janela e ver o mar fazia tempo, já estava suada do sol rachado dum sertão que se estende hoje: infinitos universais.
A gente já sabia que vinha, ora outra rezava. Prece longa, “dá logo Santo Antônio às avessas, já é julho”. Cadê música pra casório despedaçado? Coração retalhado, retaliado. Cadê injúria qualquer de terça-feira modorrenta? Dos dias brancos, coisa sem graça, crônica embrulhado em fruta apodrecida. Cadê, “meu bem”?
Esperava desde “Sem Você” que já arranhava a casa do corpo por dentro, desde muito antes. Uns três, quatro anos antes. Música de amor já findo, nem dor ressentida e nada, nada. Nada mais. Até bom dia, já rolava em baladas por aí. E veio ela, como prometia “Pensei/Qual a graça de viver sem/Se amarrar em alguém/Sem saber/Pra onde vai/E quando vem/Se você vem” ela, Bruna Mendez.
Daqui mesmo, goiana. A pauta era só para avisar que ela veio. Que voltou. E voltou com o mar nos ombros. Sabia, não? “O Mesmo Mar que Nega a Terra Cede à sua Calma”.
Vai dizer se é bom ou não, das sutilezas musicais, do bê-a-bá, sei lá o quê. Crítica em estampa refinada. Tem sim, muito a dizer ainda. Mas hoje, tiro os sapatos para ouvir. Um dia, volto aí, com ela entremeada, entrevista já marcada. Por hoje, só o convite:

Aceita uma xícara de mar? Aceito Bruna Mendez.

Deixe um comentário