Cavalos Selvagens: obra imaginativa de Silas Corrêa Leite

O romance do escritor paranaense pode ser definido como místico, ecumênico e religioso, mas vai além                                          

Adelto Gonçalves      

Especial para o Jornal Opção  

Depois de publicar, em 2018, “Ele Está no Meio de Nós” (Kotter Editorial) e, em 2019, “O Marceneiro — A Última Tentativa de Cristo” (Editora Viseu), Silas Corrêa Leite (1952) acaba de lançar o romance “Cavalos Selvagens” (304 páginas), publicação que marca o início de uma parceria entre as editoras Letra Selvagem, de Taubaté (SP), e Kotter Editorial, de Curitiba (PR). Este romance, escrito há 15 anos, porém, não faz parte da projetada trilogia aberta pelas duas obras anteriores. Segundo o autor, o último livro da trilogia está praticamente concluído e deverá vir a público em 2023.

A nova obra do romancista e poeta, a exemplo das anteriores, pode ser definida como mística, ecumênica e religiosa, mas vai além, partindo do título inspirado numa canção dos roqueiros ingleses Keith Richards e Mick Jagger, em que a expressão “cavalos selvagens” pode ser apenas uma metáfora de tudo o que o ser humano é, como se lê em “Hamlet”, tragédia do poeta, dramaturgo e ator inglês William Shakespeare (1564-1616), escrita entre 1599 e 1601 e que explora temas como traição, vingança, incesto, corrupção e moralidade.

O cenário do romance é a histórica cidade de Itararé, no Sudoeste do Estado de São Paulo, na divisa com a região Noroeste do Estado de Paraná, que ficou famosa por um episódio ocorrido durante a Revolução de 1930, quando o caudilho Getúlio Vargas, à frente de uma força militar, partiu de trem rumo à capital federal, então o Rio de Janeiro, e correu pela imprensa um boato segundo o qual haveria ali uma batalha sangrenta com as tropas fiéis ao presidente Washington Luís. Mas antes que houvesse a “sangrenta batalha”, houve um acordo entre as elites que redundou na formação de uma junta governativa que assumiu o poder. Aliás, por conta do episódio, que hoje seria chamado de fake new, o jornalista, escritor e precursor do humorismo no Brasil, Apparício Torelly (1895-1971), também conhecido como Apporelly, assumiu o falso título de nobreza barão de Itararé.

O romance começa por um episódio que marca o nascimento de um varão naquele município, mas num rancho ermo, sem recursos civilizatórios. A mãe, Núbia Angélica, tinha como único parente um executivo sedentário, que comandava uma grande empresa localizada à rua Frei Caneca, perto da Avenida Paulista, em São Paulo, o centro do capitalismo no Brasil, depois de estudar jornalismo e publicidade e fazer uma pós-graduação na Universidade de Oxford, no Reino Unido, o que o levara a “ser alguém na vida por mérito próprio, reconhecido até pela mídia que o premiar a no exterior”.

Silas Corrêa Leite: poeta e prosador | Foto: Divulgação

Como a irmã caçula, vinte anos mais jovem, depois de uma série de relacionamentos frustrados, acabara por dar à luz e ficara, praticamente, sem quem a ajudasse porque o presumível pai desaparecera, o executivo decide voltar às origens, à fazenda que havia sido propriedade de seu pai, para cuidar de um recém-nascido e preservar a vida daquele que poderia a ser o único remanescente da família.

À falta de alternativas, o executivo, o doutor Álvaro Henrique Schiolla, assume a responsabilidade de se tornar tio-pai, recorrendo, porém, à ajuda de uma velha indígena, a Aia Luzia, que, em outros tempos, teria sido sua mãe de leite, ao lado de quem ele sempre via a imagem de sua falecida progenitora. E passa a contar também com a colaboração de outros indígenas que já viviam em terras da fazenda e o conheciam desde os tempos de criança. Troca assim o chamado mundo civilizado por um que ainda estaria fora da civilização, embora já não fosse surpresa ver um indígena a manipular um celular.

Na troca, ganha um processo na Justiça aberto por uma namorada que pedia uma pensão e até mesmo a herança total de seus bens, já que teriam desfrutado de uma união estável de mais de dez anos e ele desaparecera misteriosamente. “Então compreendeu que a mulher que amara bastante e na qual não tinha pensado muito – sinal que não a amava inteiramente e nem era primordial? – era como todo mundo: interesseira, dissimulada, falsa. Estava cansado de ser usado. As ações da empresa estavam bem cotadas no mercado, estavam até em alta, pois os negócios com sua forçada ausência não pararam (…).

Reintegrado ao mundo caipira da nova Itararé, o ex-executivo não deixa de voltar a percorrer os ambientes da cidade, de frequentar seus restaurantes, de comprar prendas para o sobrinho-filho Perci, a ouvir o sino da Catedral de Lírios, o coral de crianças carentes do Educandário São Vicente de Paula ou o som da banda da cidade, a Lira Itarareense chamada popularmente de “A Furiosa”, sons que o transportavam para algum lugar do passado.

O enredo, porém, não avança muito sobre o que a vida de Perci pode ter sido ou que não foi – para se repetir aqui um verso famoso de Manuel Bandeira (1886-1968) – e conclui com uma reunião de relatos que seriam do próprio punho do antigo executivo. Por isso, não se pode dizer que Cavalos Selvagens seja propriamente um romance, nem mesmo uma novela, pois este não parece ser o intuito do narrador, ao acrescentar depoimentos por escrito do principal protagonista. Portanto, melhor seria defini-lo como um memorial, a lembrar um pouco o Memorial de Aires, de Machado de Assis (1839-1908), “uma espécie de tratado acerca da velhice”, na definição do professor Massaud Moisés (1928-2018), que se pode ler em “Machado de Assis: Ficção e Utopia (Cultrix, página 55).

Enfim, como o leitor já deve ter percebido, o estilo de Silas Corrêa Leite continua ágil e criativo, às vezes permeado por frases curtas ou expressões de cariz popular. Como observa no texto de apresentação o crítico Antônio T. Gonçalves, “‘Cavalos Selvagens’ expõe as contingências e fragilidades da condição humana, num enredo diferenciado, otimizado por uma conotação que prende o leitor até a “viagem” para dentro da alma de todas as coisas, quando a natureza humana “visita” a orquestra sagracial da casa dos espíritos, universo fantástico”.

Já no prefácio o jornalista e escritor Joaquim Maria Botelho, mestre em Crítica Literária e ex-presidente da União Brasileira de Escritores (UBE), define esta obra como “um livro de indagações”. E acrescenta: “É um mergulho, uma nova forma de ver o mundo. As respostas — se existem — estão soltas no ar, entre a materialidade e a espiritualidade, entre o urbano e o rural, o dito civilizado e o dito primitivo. O leitor lerá indagações de mãos cheias. E fará o seu julgamento. Talvez obtenha algumas respostas. É ler para — se possível — crer”.

Diante disso, só resta ao leitor conferir todas essas observações com a leitura de “Cavalos Selvagens”, quando, com certeza, irá constatar que ficou à frente de uma obra muito imaginativa, que cativa à medida que é desvendada.

Biografia e livros de Silas Corrêa Leite

Nascido em Monte Alegre, hoje Telêmaco Borba, no Paraná, e tendo vivido sua juventude na mítica cidade de Itararé, localizada na divisa entre os Estados de São Paulo e Paraná, Silas Corrêa Leite é poeta, romancista, letrista, professor, desenhista, jornalista, resenhista, ensaísta, conselheiro diplomado em Direitos Humanos e membro da União Brasileira de Escritores (UBE), além de blogueiro e ciberpoeta.

Tendo começado a escrever aos 16 anos de idade, migrou em 1970 para São Paulo, onde se formou em Direito e Geografia, sendo especialista em Educação pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, além de ter cursado extensões e pós-graduações nas áreas de Educação, Filosofia, Inteligência Emocional, Jornalismo Comunitário e Literatura na Comunicação, curso este que fez na Escola de Comunicações e Artes (ECA) da Universidade de São Paulo (USP).

Nos últimos tempos, o romancista lançou também “O Lixeiro e o Presidente” (Kotter Editorial), romance social, “Gute-Gute, Barriga Experimental de Repertório” (Editora Autografia), “Goto, o Reino Encantado do Barqueiro Noturno do Rio Itararé” (Clube de Autores Editora), romance pós-moderno, considerado a melhor obra do escritor. Tem mais de 20 livros publicados, entre os quais “Porta-Lapsos” (poemas) e “Campo de Trigo Com Corvos” (contos). É autor ainda do primeiro livro interativo da Internet, o e-book “O Rinoceronte de Clarice”, que virou tema de tese de mestrado na Universidade de Brasília (UnB ) e de doutorado na Universidade Federal de Alagoas (UFAL). Foi finalista do Prêmio Telecom, em Portugal, em 2007.

Seus textos fazem parte de mais de cem antologias literárias de renome, inclusive na Itália e nos Estados Unidos, e estão espalhados por mais de 800 sites, inclusive na América Latina, Europa, Ásia e África. Seu texto “O estatuto do poeta” foi vertido para o espanhol, inglês, francês e russo.

Adelto Gonçalves, mestre em Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-americana e doutor em Letras na área de Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo (USP), é autor de Gonzaga, um Poeta do Iluminismo (Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999), Barcelona Brasileira (Lisboa, Nova Arrancada, 1999; São Paulo, Publisher Brasil, 2002), Bocage – o Perfil Perdido (Lisboa, Caminho, 2003; Imprensa Oficial do Estado de São Paulo – Imesp, 2021), Tomás Antônio Gonzaga (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo/Academia Brasileira de Letras, 2012),  Direito e Justiça em Terras d´El-Rei na São Paulo Colonia l (Imesp, 2015),  Os Vira-latas da Madrugada (Rio de Janeiro, Livraria José Olympio Editora, 1981; Taubaté-SP, Letra Selvagem, 2015) e O Reino, a Colônia e o Poder: o governo Lorena na capitania de São Paulo 1788-1797 (Imesp, 2019), entre outros. E-mail: [email protected]

E-mails das editoras

[email protected] e [email protected]

E-mail do autor

[email protected]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.